Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Qual pegada deixará?

Foto: Sandra Belchiolina
Foto: Sandra Belchiolina
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Qual pegada deixará?

Nosso querido poeta Carlos Drummond de Andrade nos alerta, em Receita de Ano Novo: Para ganhar um Ano Novo//que mereça este nome,//você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente.

Em 2020, ano marcado por uma pandemia e outras catástrofes como a chuva em Minas e as queimadas no Brasil afora, com sua forma maior de destruição no Pantanal. Há aqueles que defendem que foi um ano de reflexões e mudanças?

Outros observam que isso ocorreu somente para pessoas conectadas ou preocupadas com o modus vivendi do ser humano, ou seja, já eram pessoas com responsabilidade socioambiental. Fato é que precisamos tentar um Ano Novo. Isso significa tentar viver com menos, e com mais consciência e ações que geram o menor impacto na natureza. 

Equilíbrio perdido, reportagem de Sérgio Figueiredo para revista Veja de 23 de dezembro de 2020, informa que o produto do homem já é mais pesado do que a base natural do planeta. Ou seja, a humanidade produziu em séculos um volume maior do que toda a massa viva da Terra.  Sabemos o que isso significa e boa perspectiva não é para o equilíbrio terrestre. 

Esse assunto pode parecer inapropriado para uma crônica que será postada no último dia do ano. Mas não! Aproveitei a ocasião, pois essa época é utilizada para fechamento, balanço do ano e promessas futuras para o próximo. E aqui, vem o meu apelo: o que você pode fazer para cuidar de você, dos seus, de mim, dos meus, de nós e toda a vida que nos envolve?

Plantar árvores? É bom! Reciclar, reutilizar, renovar? São bons! Menos massa produzida? Ótimo! O equilíbrio pode voltar? Talvez. Fala-se muito em sustentabilidade, contudo somente significa menos impacto. O que pode ser menos do menos impacto? Será o retorno ao campo da população? Movimento contrário do êxodo rural? Fala-se que o pós-pandemia terá essa tendência. Veremos o que nos aguarda.

E Drummond diz:

É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre…” 

Não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,…

Eu já fiz minha escolha e a cada dia preciso de menos coisas. Caminharei, por aí, deixando somente pegadas. 

FELIZ ANO NOVO!!!

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.