Com as luzes apagadas

Peter Rossi Jorge e Nanci viviam uma vida espartana, porém feliz. Ele, empregado da distribuidora de energia elétrica, ela uma costureira de mão cheia.  Moravam numa casa alugada, no bairro Calafate. Um pequeno alpendre, alcançado por seis degraus. O chão de vermelhão, muito encerado. Embaixo da porta de entrada um capacho a convidar todos a entrar, advertindo que ali era um lar. Seguia uma sala … Continuar lendo Com as luzes apagadas

O fracasso do Diabo

Guilherme Scarpellini Daniel se afastou de Deus. Bebia demais, vadiava demais e de mais a mais, se metia em toda sorte de confusão. Atento às transgressões de Daniel, o Diabo encontrou nele as condições perfeitas para se manifestar. Tratou de materializar na vida do jovem infrator os seus truques imundos, seus jogos obscuros e suas tramas cheias de maldade. Uma noite dessas, Daniel dirigia bêbado. … Continuar lendo O fracasso do Diabo

O pé de sapato

Tais Civitarese Olhou no armário Atrás da cortina Debaixo da cama Olhou no banheiro No vão da porta No corredor Pros lados da cozinha Na área de serviço No alto da escada No hall de entrada Helena procurou semi calçada Seu pé de sapato sumido E com isso, Viajou pela casa inteira. * Curta: Facebook / Instagram Continuar lendo O pé de sapato

Amizade

John Smith Eu tive um amigo uma vez, você sabe, não o tipo de amigo que você encontra todos os dias e conversa. Era um tipo de amizade suave, uma mensagem aqui outra ali, a troca ocasional de um “Olá” enquanto nos encontravam na rua, um e-mail, um leve aceno em cada festa. Alguém que você acha que compartilhou muito sobre si comigo, nossos sonhos, … Continuar lendo Amizade

A Ópera Aleijadinho coroa o Ano da Mineiridade

Sandra Belchiolina de Castro sandrabcastro@gmail.com A Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais lançou, no dia 23 de março de 2022, o Ano da Mineiridade. A proposta é que se realizem celebrações que apresentem nossa cultura. Elas vão do mineirês, história, gastronomia, costumes, literatura às artes.  A ópera Aleijadinho é uma delas. Uma pérola que envolve nossa história do século XVIII, percorre a Vila … Continuar lendo A Ópera Aleijadinho coroa o Ano da Mineiridade

Ponto de ônibus

Silvia Ribeiro As minhas pernas já reclamavam daquela exaustiva demora, até que finalmente o ônibus chega. E naquela briga de quem entra primeiro um lugar vazio enche o meu cansaço de alegria. Esbaforida demoro alguns segundos pra perceber que não estava sozinha, e ao olhar para os lados uma emoção me fez remexer na cadeira. Não conseguia me desvencilhar daquele olhar azul que parecia refletir … Continuar lendo Ponto de ônibus

A carta que faltava - Fonte: Pixabay

A carta que faltava

Daniela Piroli Cabral contato@danielapiroli.com.br Te escrevo hoje para dizer que é muito bom ter te reencontrado. Por vezes, nas turbulências e tropeços da vida, acreditei que nunca mais te veria. Acreditei que um reencontro nosso era mesmo impossível. Por outras vezes, imaginei a gente junto de novo mas, na minha fantasia, talvez fosse displicente demais, efêmero demais, talvez instável demais, e que com certeza sofreríamos … Continuar lendo A carta que faltava

Volver a Araxá

Eduardo de Ávila Nascido e criado na cidade das águas, costumo brincar que Araxá tem duas personalidades conhecidas e reconhecidas – dona Beja e eu – com trajetórias de vidas cuja similaridade é enaltecer as qualidades daquela terra abençoada. Depois que Belo Horizonte me adotou, isso em 1974, tive um honroso retorno – entre 1982 e 1988 – quando exerci um único mandato de vereador. … Continuar lendo Volver a Araxá

O amor recomeça

Daniela Mata Machado “O amor me pegou E eu não descanso enquanto não pegar Aquela criatura Saio na noite à procura O batidão do meu coração na pista escura” Há muito tempo eu não escrevo declarações de amor. Mas hoje ouvi essa canção de Cássia Eller e me lembrei de quando me apaixonei pela primeira vez por esse homemque há 16 anos segue ao meu … Continuar lendo O amor recomeça

Sobre o céu azul

Victória Farias Querido Michael,  Você já viu um céu azul? Limpo, sem nuvens e nada atrapalhando o seu vislumbre do espaço? Tão azul que quando você o encara suas pupilas se contraem, sua sobrancelha se abre e sua testa se franze. São poucos os segundos até que o brilho do sol te obrigue a desviar o olhar, mas nesse intervalo de tempo, nesses milésimos em … Continuar lendo Sobre o céu azul