Casa não é escola

Daniela Mata Machado Foi no pátio da escola que eu conheci a madrinha da minha primeira filha. E nós tínhamos apenas 14 anos – a idade que a minha menina tem hoje – quando selamos uma promessa de que, se um dia tivéssemos filhos, uma ia batizar o primeiro da outra. Eu cumpri a promessa 20 anos mais tarde. Casei, descasei, me mudei de cidade, … Continuar lendo Casa não é escola

O amor recomeça

Daniela Mata Machado “O amor me pegou E eu não descanso enquanto não pegar Aquela criatura Saio na noite à procura O batidão do meu coração na pista escura” Há muito tempo eu não escrevo declarações de amor. Mas hoje ouvi essa canção de Cássia Eller e me lembrei de quando me apaixonei pela primeira vez por esse homemque há 16 anos segue ao meu … Continuar lendo O amor recomeça

Vamos lá fazer o que será

Daniela Mata Machado “Ontem um menino que brincava me falou Que hoje é semente do amanhã” Depois do fim do mundo, a gente sai ali fora para ver os escombros. Depois de dois anos, quase todo mundo já anda por aí sem máscaras durante a maior parte do tempo (eu ainda não, mas talvez tenha desenvolvido alguma espécie de hipocondria, ainda não sei) e pode-se … Continuar lendo Vamos lá fazer o que será

Dia especial para os miranteiros

Eduardo de Ávila Somos doze, os autores dos livros, porém já chegamos a 14 e – acredito – vamos ficar nesse número oferecendo duas leituras por dia. Sem repetir autor, nossa confraria literária conseguiu reunir uma turma plural e engajada, que hoje – culminando – lança um compilado com algumas das crônicas já publicadas ao longo desse tempo que estamos juntos. Convém registrar a fundamental … Continuar lendo Dia especial para os miranteiros

As flores e o medo

Daniela Mata Machado Eu já havia ouvido falar dos florais de Bach, mas o que me aproximou definitivamente deles foi o medo da Rosinha. A minha caçula ficava apavorada com os bichos. Não apenas com cobras, leões ou cachorros bravos. Rosinha ficava paralisada diante dos pombos na pracinha, das formigas e até das moscas de padaria. E uma vez disse à irmã, louca por um … Continuar lendo As flores e o medo

Apenas solte

Daniela Mata Machado Acabei de descobrir que existe um curso online ensinando técnicas para desenvolver o autocontrole emocional. Não comprei e, portanto, não posso dizer se é bom. Mas acho que deve ter bastante gente interessada, uma vez que quando a gente digita “autocontrole” no Google recebe uma enxurrada de artigos com dicas para controlar as próprias emoções. Durante muito tempo, eu também corri atrás … Continuar lendo Apenas solte

Energia de cura

Daniela Mata Machado “O Reiki é flexível como bambu.” Quem diz é o meu mestre Bern Hard Roessman, responsável por me iniciar nos três graus do Reiki e também no mestrado. Mas quando recebi essa energia pela primeira vez, tudo o que eu tinha era uma rigidez atávica. E talvez aquele tenha sido o meu primeiro contato com alguma flexibilidade. Era um momento traumático que, … Continuar lendo Energia de cura

Faça uma cara feliz

Daniela Mata Machado Tocada pelo Oscar e suas polêmicas sobre o que é ou não violência – o que é mais violento: o deboche sobre a doença de uma mulher ou o tapa desferido pelo seu marido no autor da piada? –, me lembrei deste texto que escrevi alguns anos atrás sobre o filme “O Coringa”.  Aclamada no Festival de Veneza, de onde saiu com … Continuar lendo Faça uma cara feliz

Por que não posso ser infantil?

Daniela Mata Machado “Nascemos originais, morremos cópias.” (Carl Gustav Jung) Quando eu era pequena, bem pequena, o silêncio e o tempo desperdiçado no quintal eram sinônimo de horas bem aproveitadas. O excesso de interações, as frases feitas para se usar em cada ocasião e as regras de comportamento ensinadas à exaustão em todos os lugares nunca fizeram sentido para mim. Mas aprendi a repetí-las para … Continuar lendo Por que não posso ser infantil?

Fique na pergunta

Daniela Mata Machado Para tia Lelena (in memorian) e sua filha Juliana Jayme, amiga e comadre, que nunca me deixou esquecer a pergunta de sua mãe: – Como sabeis que é má sorte? Com essa pergunta, a minha muito sábia tia Lelena costumava acalmar o coração dos sobrinhos e dos filhos quando o chão parecia se abrir sob os nossos pés. E hoje entendo que … Continuar lendo Fique na pergunta