Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Plágio

Plágio – Foto: Golconda (René Magritte)
Victória Farias

Aparentemente, todos nós estamos subjugados as vontades e possibilidades do plágio alheio. A velha lei da natureza de que “nada se cria, tudo se transforma” não encontrou barreiras que pudessem impedi-la de nos mostrar o que nossos antepassados viveram, tanto nas pestes como tentando evitar as vacinas.

Acontece que eu realmente não precisava de uma demonstração gratuita da revolta da vacina, muito menos uma corrente e insistente reencarnação de como as pessoas pré-intervenção se comportavam. Para aqueles que continuam a dizer que a terra é plana, como poderíamos voltar para o mesmo lugar se não andando em círculos?

Nessa altura do campeonato, me resta a impressão de que nada mais é nosso, mas sim uma invenção pertencente às gerações que no momento tentam sobreviver ao aquecimento global (inventado), as pragas (inventadas) e ao comunismo (…). Tudo é uma cópia de uma cópia de uma cópia, que sobrepostas parecem um retrato grotesco de uma paisagem em que subitamente o céu das duas da tarde se torna vermelho fogo. Ou uma manifestação em que as pessoas gritam por liberdade, acreditando que ela virá através do empenho máximo das Forças.

O inverno, sem nos dar motivos para usar casacos brancos e bonitos, continua imitando o verão, mesmo que estejamos – ainda – perto da primavera. Eu já cansei de me preocupar em procurar o ator principal em toda essa encenação, até porque eu não sei o que faria se descobrisse quem é o responsável por dar as falas e fazer as métricas de entrada e saída de cena.

E quanto a nós? Continuamos aqui, e quem poderia nos culpar? Encarnando versões antigas de nós mesmos, com as roupas curtas ou largas, porque engordamos ou emagrecemos. Continuamos falando sobre empatia como se fosse uma palavra doce aos lábios, só isso. Saímos de casa com o mesmo semblante de dois anos atrás, e quando alguém pergunta se está tudo bem, a única coisa sensata que pensamos para dizer é: é claro que sim, por que não estaria?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.