Dia da noiva

Tais Civitarese Quando me casei, fui fazer o “dia da noiva” em um salão de beleza aqui de BH. O tal dia consistia em inúmeros preparativos estéticos para a celebração do casamento. Unhas, cabelo, maquiagem, massagem relaxante. Cheguei ao salão depois de um plantão noturno no berçário, compromisso obrigatório da residência de pediatria. Tudo o que eu mais queria naquele momento era dormir. Arrumei o … Continuar lendo Dia da noiva

Um movimento de partida

  Silvia Ribeiro Uma página em mim. Os meus olhos corriam entre aquelas emoções avidamente, como se entrassem em becos profundos, se perdendo cada vez mais naquela nostalgia. Tentava encontrar os meus sentimentos dentro daquelas vírgulas, importunando as minhas memórias, no entanto, alguma coisa me deixava intranquila. Tudo me parecia predestinado e o meu olhar escapulia daquele cenário, causando a impressão que não era eu … Continuar lendo Um movimento de partida

Nos encontraremos em outro papel de pão.

  Silvia Ribeiro Vai vir o dia em que eu poderei contar as minhas saudades. Buscarei por um desses papéis de pão e lá eu vou deixar toda a gente. Vou ser um desses lunáticos que não enganam o coração, e irei expor todas as minhas faces. Vou deixar as durezas das ausências, e pensar apenas naqueles sentimentos que vieram lembrando tempos vividos. Prosas que … Continuar lendo Nos encontraremos em outro papel de pão.

Carta de despedida

Victória Farias Ao verme que primeiro roeu… não, não posso começar assim, não quero ter que responder a um processo post mortem. Já pensou na energia que teria que gastar saindo da minha cova e explicando ao juiz que não eram vermes, mas borboletas! “Vermes” é só uma expressão comum, eu diria. Mas eram borboletas, seu juiz! Começaram pela ponta dos meus dedos, depois as … Continuar lendo Carta de despedida

O sentimento dos animais

Eduardo de Ávila Nunca neguei minha dificuldade em relacionar com bichos e mesmo bichinhos domésticos. Quando eu era criança, motivado pelo papai, cheguei a ter muitos passarinhos e até mesmo de outras espécies menos comuns. Mas era ele, papai, quem cuidava das gaiolas e da alimentação que deveria ser feita diariamente. Eu só posava de dono daquele tanto de aves e até mesmo de um … Continuar lendo O sentimento dos animais

MAR DE LAMA – Cantiga pra Mariana

Rosângela Maluf Viviam na mesma cidade cuidavam do mesmo jardim o trem no final de semana mari e ana mari e ana Varriam os mesmos quintais mesmo quarto, mesma cama a comidinha mineira mari e ana mari e ana Um dia chegou a água levou casa, cachorro, criança nunca mais jardim, nem sonhos só a tristeza, a lembrança mari e ana mari e ana a … Continuar lendo MAR DE LAMA – Cantiga pra Mariana

Girondinos e Jacobinos dos tempos contemporâneos

  Eduardo de Ávila Desde 2013, quando teve início uma ação da elite conservadora – que contaminou grande parte da sociedade brasileira – estamos assistindo e vivenciando uma silenciosa luta de classes. Sem entrar em teorização com os fatos históricos, a realidade é que aqueles com poder financeiro, e, consequentemente de manipulação da mídia, contaminaram a classe média e ainda os fiéis de pragmáticas igrejas … Continuar lendo Girondinos e Jacobinos dos tempos contemporâneos

O dia mais feliz da minha vida

Tais Civitarese Até hoje, me lembro daquele dia. O mais feliz da minha vida. Não, não foi no meu casamento. Nesta ocasião, estava tão cansada da odisseia de preparativos misturados a plantões – além de uma enxaqueca do cão -, que por pouco a noite de núpcias não foi suspensa por ordem de Morfeu… O dia mais feliz da minha vida foi quando eu soube … Continuar lendo O dia mais feliz da minha vida

Duas da manhã

Victória Farias O momento exato eu nunca saberei precisar. Aqueles gestos ficaram impregnados na minha cabeça e por mais que me esforce, a única informação que consigo me lembrar daquela noite é: são duas da manhã. Talvez, em algum momento, eu tenha tido noção disso; ou talvez tenha deixado de contar os segundos sem sentir. Não saberei dizer com certeza porque nunca conseguirei acessar novamente … Continuar lendo Duas da manhã

Flores ainda vivas (1614) Pintor: Ambrosius Bosschaert

Verde Neon

Victória Farias As árvores remanescentes de Belo Horizonte, neste girar anual do sol, se produziram a altura de queens, e, como tal, acabaram por performar como quem performa para uma plateia embriagada, ensaiando monólogos sobre a vida para aqueles que procuram gotas perdidas nas bordas em ondas dos copos lagoinha. As flores, proclamando suas frases decoradas em azul, violeta e amarelo, não receberam aplausos, muito … Continuar lendo Verde Neon