Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Impassibilidade

Impassibilidade – Foto: Pixabay
Leānder Quadragesimae

“Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você”. Friedrich Nietzsche.

Há um bom tempo percebi que a realidade não me assusta mais e nem me surpreende. Essa postura blasé, objeto de inúmeras discussões nas minhas aulas de Sociologia, começou a fazer parte da minha rotina na surdina e devagarzinho ganhou espaço. Não tenho consciência se foi pelo cansaço, pandemia ou falta de vergonha, mas não posso deixar de expressar minha profunda tristeza em perceber que o “absurdo” de antes, passou a ser indiferente. 

Não me refiro aqui somente a naturalização da violência (que estamos todos sujeitos), a banalização de declarações horrendas de estadistas, a atividade incansável de ignorar uma moto roubada no status de alguém, uma abordagem truculenta policial ou uma briga de trânsito. Me refiro também a apatia à medida que vejo alguns amigos se distanciarem, de tarefas – antes importantíssimas – sendo deixadas de escanteio, e na desesperança contínua em querer simplesmente não fazer mais força para que as coisas aconteçam. 

Ainda ando ressabiado com o discurso do autocuidado e das pequenas coisas (como descrevi no texto da última semana). É muito difícil imaginar, no fim de uma terça-feira à noite, que lavar minha pele com um sabonete La Roche-Posay de R$ 80,00 pode apagar o rombo no meu peito de ter assistido uma fila de miseráveis esperando ossos em um açougue para não passar fome. Ao mesmo tempo, o que ninguém acreditaria, é que talvez se eu passasse por esta fila na terça-feira de manhã, ela não me abalaria.

*
Curta: Facebook / Instagram

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.