Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A flexibilização e volta à normalidade

Pixabay
Eduardo de Ávila

Não tem novo normal, tampouco velho normal. Aos poucos, com todos os cuidados que o momento sugere e exige, estamos retomando às nossas atividades profissionais e costumes do dia a dia. Foi um momento atípico a todos nós, e eu, nos meus mais de 60 anos, jamais tive ou imaginei viver essa “prisão domiciliar”, imposta por um vírus desconhecido.

Também evito buscar responsabilidades sobre essa pandemia, entretanto, ao meu livre pensar, tenho cá minhas conclusões pessoais. Dias atrás, num Uber, ouvia do motorista uma crítica aos hospitais de campanha que nem chegaram a ser utilizados, colocando em dúvida esses gastos dos gestores públicos. Ouvi e fiz a ponderação que julgo pertinente.

Explico. Se, preventivamente, não tivéssemos nos preparado, esses mesmos gestores – independente do uso do local – seriam questionados por parte da população. Ao que sei, no caso mineiro, toda aquela estrutura será transferida à rede hospitalar e terá grande utilidade no presente e no futuro.

Diria mais, os índices de Minas Gerais motivam o mineiro a se orgulhar das ações e precauções tomadas pelo Estado. Somos a unidade da Federação com menor taxa de contaminação e mortes percentuais. Além da ação do governo, somos um povo disciplinado e nos resguardamos de acordo com as orientações da ciência.

Pixabay

Ainda ao meu entendimento, os números nacionais só não foram maiores graças às ações eficientes de governos estaduais e municipais. Diferente do Executivo Federal, trataram e ainda tratam a pandemia com os cuidados que ela sugere. A doença segue desconhecida. Por mais avançados que estejam os estudos e pesquisas, ainda aguardamos medicamento e vacina para nossa total alforria pelas ruas, avenidas e praças das cidades.

Se essas ações, aliadas ao bom senso da população, não tivessem sido implementas e seguidas, teríamos vivido um caos ainda maior. Todos nós perdemos pessoas queridas e tivemos outras que mereceram nossas orações e envio de boas energias à sua recuperação. Experimentei as duas situações.

Estamos vivendo dias menos tensos; já podemos ir ao trabalho e até arriscar um cafezinho na volta para casa. Ainda, no meu caso, careço da reabertura dos cinemas e arquibancadas no estádio para ver meu time do coração. Entretanto, essas poucas liberações já me sinalizam pela volta à normalidade.

Tenho, com todo cuidado que entendo ser necessário, circulado e observado pessoas e ambientes. Muitas coisas, especialmente na questão da economia, devem ser diferentes. Percebo espaços comercias que foram desativados. Fechados. Não sei se por falência ou opção. Entretanto, estou entre os que pensam ser a economia recuperável e eventuais vidas perdidas não seriam ressuscitadas.

Retorno como comecei o isolamento, crendo – entretanto – de maneira mais leve na busca de uma eventual longevidade. Sobre isso não tenho controle, mas diante de tanta coisa que pude ler, ouvir e assistir neste período – desde publicações interessantes até algumas contaminadas – sei com quem quero conviver. Não mais farei sacrifício de tolerância com quem não me convence e nem acrescenta.

Eu não quero ter razão, quero é ser feliz”, me deixou entre muitos legados que aplico ao maranhense José Ribamar Ferreira. Conhecido pelo pseudônimo de Ferreira Gullar. E, a bem dos novos tempos, seria legal que entendêssemos – todos – que “não existe verdade absoluta, temos opiniões”. Essa é a minha e assim serão meus tempos futuros.

*
Curta: Facebook / Instagram

4 thoughts to “A flexibilização e volta à normalidade”

  1. Por um mundo mais verde,pacífico e sem pandemia, difícil? Sim! Mas não impossível. Se uma fórmula de biodegradável é hj a arma mais letal contra o SARS-02,pq ñ acreditar na ciência? Viver é enfrentar um problema atrás do outro. O modo como você o encara é que faz a diferença. Sigamos meu amigo temporão! Quem sabe faz a hr, não espera acontecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.