Com as luzes apagadas

Peter Rossi Jorge e Nanci viviam uma vida espartana, porém feliz. Ele, empregado da distribuidora de energia elétrica, ela uma costureira de mão cheia.  Moravam numa casa alugada, no bairro Calafate. Um pequeno alpendre, alcançado por seis degraus. O chão de vermelhão, muito encerado. Embaixo da porta de entrada um capacho a convidar todos a entrar, advertindo que ali era um lar. Seguia uma sala … Continuar lendo Com as luzes apagadas

O pé de sapato

Tais Civitarese Olhou no armário Atrás da cortina Debaixo da cama Olhou no banheiro No vão da porta No corredor Pros lados da cozinha Na área de serviço No alto da escada No hall de entrada Helena procurou semi calçada Seu pé de sapato sumido E com isso, Viajou pela casa inteira. * Curta: Facebook / Instagram Continuar lendo O pé de sapato

Amizade

John Smith Eu tive um amigo uma vez, você sabe, não o tipo de amigo que você encontra todos os dias e conversa. Era um tipo de amizade suave, uma mensagem aqui outra ali, a troca ocasional de um “Olá” enquanto nos encontravam na rua, um e-mail, um leve aceno em cada festa. Alguém que você acha que compartilhou muito sobre si comigo, nossos sonhos, … Continuar lendo Amizade

Ponto de ônibus

Silvia Ribeiro As minhas pernas já reclamavam daquela exaustiva demora, até que finalmente o ônibus chega. E naquela briga de quem entra primeiro um lugar vazio enche o meu cansaço de alegria. Esbaforida demoro alguns segundos pra perceber que não estava sozinha, e ao olhar para os lados uma emoção me fez remexer na cadeira. Não conseguia me desvencilhar daquele olhar azul que parecia refletir … Continuar lendo Ponto de ônibus

Volver a Araxá

Eduardo de Ávila Nascido e criado na cidade das águas, costumo brincar que Araxá tem duas personalidades conhecidas e reconhecidas – dona Beja e eu – com trajetórias de vidas cuja similaridade é enaltecer as qualidades daquela terra abençoada. Depois que Belo Horizonte me adotou, isso em 1974, tive um honroso retorno – entre 1982 e 1988 – quando exerci um único mandato de vereador. … Continuar lendo Volver a Araxá

O amor recomeça

Daniela Mata Machado “O amor me pegou E eu não descanso enquanto não pegar Aquela criatura Saio na noite à procura O batidão do meu coração na pista escura” Há muito tempo eu não escrevo declarações de amor. Mas hoje ouvi essa canção de Cássia Eller e me lembrei de quando me apaixonei pela primeira vez por esse homemque há 16 anos segue ao meu … Continuar lendo O amor recomeça

Viva o Vasco da Gama

Márcio Magno Passos Alfredo se casara duas vezes e se divorciara também duas. Decepção parcial e trauma doentio. Decidiu que jamais se casaria de novo. Isto foi há três anos. Agora o “nunca mais eu caso” se transformara em “estou pensando”. É a fase do não ao radicalismo. Não diz que não e muito menos que sim. Acontece que o tempo passou e Alfredo estava … Continuar lendo Viva o Vasco da Gama

Anjo Negro

Peter Rossi Tem gente que não é apenas gente, é anjo. Eles sofrem e pensamos como nós, que não vão aguentar. Mas eles aguentam, afinal têm asas. Quando cansados, dão uma voada e pousam noutro lugar e ali recuperam as forças. O mais engraçado é que os vendo a gente não imagina como são na essência. A nossa tendência, aliás, é minimizar. Nossos olhos são … Continuar lendo Anjo Negro

Era domingo

John Smith Uma e outra vez o pêndulo balançava, para frente e para trás, um tique-taque nauseante que continuava na parede, assíncrono com o meu coração batendo.  Um suspiro solitário escapou de meus lábios, preenchendo o silêncio da sala e fazendo meus olhos cansados ​​abrirem. Era inverno, eu podia vê-lo através do vidro da janela, fechado para proteger o interior dos ventos punitivos. Não tenho … Continuar lendo Era domingo