Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Escuta do sofrimento

Escuta do sofrimento - Fonte: Pixabay
Escuta do sofrimento – Fonte: Pixabay
 Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Todas as vezes que falo sobre suicídio, como fiz na semana passada aqui no blog, muitas pessoas me questionam sobre como abordar o tema em seu cotidiano. Como lidar com a questão da morte voluntária com aqueles que estão ao redor? 

Inicialmente, o que chama atenção é o fato de que o suicídio parece estar sempre distante para nós. Não é um fenômeno para o qual haja uma representação mental para a grande maioria das pessoas. Ele passa a existir na concretude do ato. E nos deixa perplexos. E nos encontra desprevenidos. O estigma e tabu também pesam em invisibilizar a questão, o que dificulta a abordagem.

Sempre me sinto gratificada em poder responder aos questionamentos e contribuir para que o Setembro Amarelo não seja somente uma data, mas que possa aproximar tais reflexões – essencialmente humanas – para o dia a dia. A data é apenas um simbolismo de alerta para o que acontece o ano todo. Como disse nossa colega, Morfeu não tira férias e, neste caso, vem com ajuda de certa ambivalência e sofrimento.

Na verdade, as respostas à questão de como lidar com a temática da morte voluntária não são simples e não podem ser dadas como “receita de bolo”, sob pena de buscarmos causalidades inócuas ou cairmos em reducionismos incapazes de apreender a complexidade do fenômeno. Devem ser construídas na singularidade de cada caso, através da escuta sensível.

Elas passam pela sensibilidade de acolher e escutar o sofrimento do alheio. Nossa, e como isso é difícil. Difícil porque vivemos sem tempo, olhando para os nossos próprios umbigos. Difícil porque o sofrimento quase nunca vem explícito, claro. Ele se mimetiza nas entrelinhas do discurso, ele se esconde na potência das criações artísticas. 

As pessoas não dizem: “vou me matar amanhã”. O sofrimento está escondido em frases do tipo: “eu não tenho mais saída”, “estou cansado de viver”,  “não vale a pena continuar vivendo assim”, “queria poder dormir e nunca mais acordar.”

Essas falas precisam ser ouvidas, acolhidas, traduzidas e, se necessário, vinculadas a um serviço de saúde. Por trás delas há um sujeito que sofre e não consegue verbalizar um pedido de ajuda. Precisamos nos deixar afetar pelo sofrimento do outro, para que o cuidado, a empatia e a solidariedade aconteçam sem julgamento e sem soluções “mágicas”. Mostrar o nosso lado humano também ajuda, pois abre um canal de comunicação verdadeiro: “Olha, eu já passei por isso”

Assim, pouco a pouco e na presença do outro, o sofrimento pode ir sendo drenado e encontrar outras vias para ser simbolizado, canalizado, ressignificado, para além da via da passagem ao ato. 

A literatura médica diz que o suicídio é uma emergência médica. Eu costumo dizer que o suicídio é uma emergência existencial. No final das contas, é sempre a balança da vida nos questionando sobre o sentido: “para quê viver?”.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.