Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Reflexões sobre a pandemia

Pixabay
Pixabay
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Há sete meses, lidamos com o inesperado – a pandemia. Observam-se várias fases e maneiras de compreensão e absorção desse momento, incluindo a negação – um mecanismo de defesa já estudado por Freud há dois séculos.

Relato algumas reflexões e pesquisas sobre o nosso momento – quase primavera no hemisfério sul. Tempo de olhar o que vem nos acontecendo desde março de 2020.

Caetano Veloso, em entrevista recente, fala sobre sua expectativa para o Brasil: não tanto esperança. Mais a responsabilidade”. Responsabilidade talvez seja a palavra-chave que essa pandemia levantou

A princípio, podemos pensar na responsabilidade com a própria saúde, com a saúde do outro e a saúde socioambiental. Nessa lógica, o desdobramento acontece e chega na compreensão de nossos elos com vida na Terra. Assim a esperança age como uma ação, um posicionamento do sujeito diante do mundo. A esperança como um afeto positivo e que coloca a pessoa em movimento.

Fazendo uma busca sobre a movimentação humana nessa quarentena e seus efeitos, alguns aspectos chamam atenção. Na pesquisa do IBGE apresentada pela Folha de São Paulo os indicadores são: a população ocupada do Brasil que é de 81%, 40 milhões de pessoas, e somente 10% foi para trabalho remoto. Sendo mais da metade no sudeste (4,9 milhões). Entre esses trabalhadores, os brasileiros remotos são: 73% por curso superior completo e acima.

As categorias que mais utilizaram do recurso: 16,6% comércio e vendas, 14% ocupações elementares, 13,10% profissionais das ciências e intelectuais ¹. A  pesquisa aponta que a pandemia veio para reafirmar a desigualdade que existe no pais. A pergunta que não quer calar: e o que ocorreu com o restante da população ocupada –  os 90%?

Outros números que não podem deixar de serem analisados são é o aumento de 54% de procura no atendimentos do SUS por uso de alucinógenos, que ocorreu entre março e junho, comparados ao mesmo período de 2019². Dado que vem acrescido com o aumento do consumo de álcool e da violência familiar. A Universidade do Estado do Rio de Janeiro realizou um estudo com 1.460 pessoas em 23 estados do Brasil. Os apontamentos coletados mostram o crescimento de 90,5% de depressão e 14,9% de aumento do estresse³.

No meio da pandemia (não temos a data para seu fim, ainda), acordei hoje (ontem para você que me lê) e, ao ligar o celular, surgiu o seguinte título de artigo da Folha de São Paulo: “Controle de mortes é determinante para retomada do consumo”.

Trago para reflexão: não é hora de se romper com o paradigma do consumo? Consumo, consumo… está consumindo o ser humano e seu planeta. Esse agradeceu a pandemia; o ar e as águas ficaram mais puras com a paralisação forçada. É hora das ações e pensamentos na mudança; voltarmos nosso desejo para além do consumo. 

Os dados que apontei mostram desigualdade e desequilíbrio tanto da economia quanto da população. Volto na esperança como ação positiva e responsabilidades para reconstrução de um novo saber fazer fora do paradigma do consumo. 

Referência:

¹https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/08/home-office-e-novo-indicador-de-desigualdade-economica-no-brasil.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=

² Revista Veja, 19 de agosto 2020

³ https://exitoina.uol.com.br/noticias/news/cresce-em-32-o-numero-de-suicidios-durante-quarentena.phtml

*

Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Reflexões sobre a pandemia”

  1. Eu entendo esta preocupação de se ir além do consumo porém vários têm medo do novo. A lógica atual é maior consumo implica em produções que implicarão em empregos que levarão salários para a população que ampliará consumo e assim vai… Esta lógica mecânica não leva em conta nada além do que está aí porém há muito além a se considerar e exige coragem e ousadia.
    Abraços brasilienses (ainda à distância)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.