Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Algodão doce

Reprodução/Pixabay
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

A Praça do Papa foi o nosso quintal por bons tempos. Morávamos em uma casa de madeira, no alto do bairro Mangabeiras e, da varanda, avistávamos o cartão postal: o obelisco, o gramado verde, a cruz e, como pano de fundo, a Serra do Curral.

Coisas nem tão agradáveis também faziam parte do cenário. Brigas, batidas policiais, gente bêbada de Catuaba e sons automotivos ligados no pancadão. Assombrações como essas eram vistas, especialmente, à noite. Por isso, sempre preferi me sentar na varanda pelas manhãs. Livros inteiros foram lidos ali.

Foi numa manhã dessas que vi o homem carregando o pau de algodão doce. Ele atravessava a Praça do Papa, arrastando uma perna coxa. Acima dele, nuvens azuis, brancas, amarelas e cor de rosa balançavam em saquinhos plásticos, como se capturadas de um céu psicodélico. Quase embaixo da nossa varanda, o homem encontrou um pinheiro. Atrás do pinheiro, ele abaixou as calças. E, deste momento adiante, eu não sei mais o que sucedeu, pois voltei os olhos para o livro.

Só ergui de novo o olhar duas ou três páginas do livro depois. Coisas brancas e amarrotadas espalhavam-se ao pé do pinheiro. Papel higiênico, sim, senhor. Pouco mais à frente, estava lá: o homem com o pau de algodão doce. Com a mesma mão que usou atrás do pinheiro, ele entregava uma nuvem azul e outra amarela ao pai de duas garotinhas felizes e saltitantes. E depois seguiu arrastando a perna coxa.

Cá estávamos eu e a Dani, muitos anos depois, sentados no banco da Praça da Liberdade. Quando me dei conta, ela já sinalizava para o homem do algodão doce. Um saquinho de nuvem cor de rosa para ela, sim, senhor. Para mim, nada. Agradeci e tirei uma moeda do bolso.

O homem já ia andando quando reparei que ele arrastava uma perna coxa. Muito sacana que sou, esperei a Dani comer a iguaria e só então comecei a contar a história: a praça do Papa foi o nosso quintal por bons tempos…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.