Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Terrivelmente ministro

Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Que o ministro é terrivelmente evangélico não podemos dizer — é católico. Mas terrivelmente ele é. Liberar a realização de missas e cultos presenciais no pior momento da pandemia deve ser a definição de “terrivelmente” — um advérbio de modo terrível, aliás — em algum dicionário do vernáculo bolsonarista.

Ainda de acordo com esse glossário horrível — só para não dizer terrível —, promover a lotação de templos em domingo de Páscoa pandêmica só pode ser o antônimo do símbolo pascal. Logo, sinônimo de morte. Conotação perfeita ao bolsonarismo.

Mas, como semântica nunca foi o forte dos ruminantes, vamos à prática do raciocínio deles, isto é, à falta de pôr em prática o raciocínio.

Imagine você estar diante de um copo d’água e outro, de vinho. Esta é a sua única chance de matar a sede, e você bebe o quê? O vinho. Foi o que fez o terrivelmente ministro ao sopesar dois princípios fundamentais, a vida e a liberdade religiosa. Tomou o sangue de Cristo e derramou a vida no ralo.

Por que diabos as igrejas poderiam abrir se as escolas ainda estão fechadas? Porque ninguém teve a ideia de passar a caixinha do dízimo na hora do recreio e pedir uma liminar. E com as escolas abertas chegaríamos a 500 mil mortos mais cedo.

Cultos e missas não são diferentes de uma classe cheia. Fiéis cantam, oram e se abraçam. E crianças, especialmente as da turma do fundão, são terríveis: bagunçam, riem, levantam, pulam, fazem montinho no colega, cospem e fazem bolinha de meleca.

Mas nada tão terrível se comparado a um terrivelmente ministro.

*

O meu problema é que eu não consigo parar um filme no meio. “Nomadland”, de Chloé Zhao, com seis indicações ao Oscar, roubou quase duas horas da minha vida. Estou ficando velho ou a maioria dos filmes estão terrivelmente chatos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.