Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Continho de ficção científica

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellin
scarpellini.gui@gmail.com

Era ainda menino, com os joelhos ralados e o nariz escorrendo, quando Pedrinho começou com essa mania de esconde-esconde.

Dava a hora do almoço, e o moleque escondia-se no armário. A mãe dele, coitada, o procurava em todos os cantos, e nada de Pedrinho aparecer. De repente, aparecia — e a marca do chinelo na bunda também.

Nem a professora ele perdoava. Uma vez a meninada avisou que Pedrinho havia se estrebuchado no pátio da escola. Foi um corre-corre. Quando a D. Cotinha chegou lá, encontrou apenas a gangorra do parquinho balançando, sozinha.

— É o fantasma do Pedrinho! — chegou a afirmar uma coleguinha de classe, apavorada.

Mal sabiam eles que Pedrinho estava ali, escondido no alto de um pé de manga, vivo como um touro, e rindo baixinho.

Até que, certo dia, a sorte de Pedrinho começou a mudar. Foi quando seus pais viajaram, e deixaram-no sob a guarda de um tio cientista, conhecido pelos seus experimentos malucos.

— Ele tem mania de brincar de esconde-esconde — advertiram os pais.

— Coisa boa é brincar — falou o cientista maluco.

Mas não foi coisa boa mostrar ao menino a incrível máquina de teletransportar: duas câmaras de metal, lado a lado, sendo a primeira delas, onde a matéria se desintegra e, a segunda, onde se reintegra.

Primeiro, o cientista maluco testou o seu experimento com um cinzeiro. Digitou um comando no computador, e puf!, o cinzeiro apareceu do outro lado, ileso.

Depois decidiu testar com um vaso enorme. Mas antes de pegar o artefato de cerâmica, o menino já havia se metido dentro dele.

Com muito esforço, o cientista maluco pôs o objeto dentro do primeiro compartimento. Fechou a porta e digitou o comando no computador. Então a máquina de teletransportar estremeceu, soltou fumaça, apitou e, de repente, se apagou completamente.

— Não se preocupe! — disse o cientista, meio desconcertado. — É que às vezes a máquina emperra. E a matéria desintegra, mas não integra, sabe como é? 

Mas quando virou para trás, percebeu que estava falando sozinho.

Foi a última vez que Pedrinho brincou de esconde-esconde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.