Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Dores

"Imagem
Imagem de Pexels por Pixabay
Tais Civitarese

Há algumas dores que se guarda debaixo do cobertor. Quando estamos fortes, deixamos que apareçam e doam o que têm para doer. Quando ainda não temos condições de suportá-las, elas vão ficando lá. Ajuntadas, amontoadas, espremidas entre um pé sonolento e a beirada do lençol. Às vezes, se acumulam, fazem volume e não dá mais para escondê-las. Às vezes, não. Podem ser adiadas, postergadas para um momento melhor. Mas sempre estão ali, à espreita, sob o cobertor.

Há um escorpião dentro da caixa e nós sabemos. Teimamos em ir lá e colocar a mão. Ele vai nos machucar. Porém, não resistimos. Pode ser que eu tenha o soro. Pode ser que não. A mão inflama, incha, necrosa e cai à minha frente. E penso nos motivos que me levaram a mexer ali.

Tem uns buracos em que não hesitamos em pular. Sabemos que quebraremos os ossos. E pulamos mesmo assim. Porque é da nossa natureza testar as fronteiras do viver. Às vezes, sentir dor é melhor do que nada sentir.

Não penso dessa forma. Mas meu cérebro, sim. E ele me leva por esses caminhos vez ou outra, sem eu saber. Tento enganá-lo e de nada adianta. Peço sossego, um café, um colchão. Ele insiste no movimento, fala sem eu querer, pensa à revelia de mim.

Só queria o meu livro. Aquele romance, que estou quase acabando de ler. Mas quem é que nasceu para ser sossegado? Quem é que nasceu para ler? Se há tanto, tanta gente, tanta energia, tanta pulsação.

E digo que trocaria tudo, tudo mesmo, pelo tempo que pausa na dança das páginas. E tudo o que eu sentisse ali seriam apenas emoções líricas. E todas aquelas, minhas, ficariam congeladas por mais tempo, na caixa, na sombra, no fundo daquele buraco, sem que eu tivesse que ir até lá resgatá-las e me apropriar delas, como parece ser um inevitável destino.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.