Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Pressa pra quê?

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Um segundo antes de o sinal pular do amarelo para o vermelho, o homem acelerou. Quase deu com um motoqueiro que, não menos impaciente, já arrancava do outro lado.

Foi quando ouvi uma voz mansa se arrastar. Delongou-se no caminho entre a boca do interlocutor e os meus ouvidos, mas chegou, íntegra:

— Ter pressa pra quê?

Então o autor da questão apareceu ao meu lado. Era um tipo tranquilão, com a máscara dependurada no queixo, bermuda e um cigarrinho pendendo no canto da boca. Atravessamos a rua e caminhamos meio quarteirão. Ele falando, eu ouvindo. Precisei reduzir o ritmo dos passos.

O pacato amigo contou-me então que é taxista há vinte anos. Já viu de tudo nas ruas de Belo Horizonte. Atropelamentos, abalroamentos, brigas de trânsito e mesmo coisas mais sérias, como um sujeito que convergiu sem antes ligar a seta. Tragédias da nossa vida corrida.

— Ter pressa pra quê? — disse ele.

E quis saber, com ar de superioridade, se eu conhecia fábula do coelho e a tartaruga.

— Claro! — respondi.

De nada adiantou. Pois ele me contou que o coelho e a tartaruga precisavam chegar ao topo da montanha. O coelho correu tanto, mas tanto, que parou no meio do caminho. Ao passo que a tartaruga, devagar e sempre, dali a duas ou três horas, estava lá: plena, no alto da montanha.

Despedimos, eu sorri educadamente e ele acenou de volta, entrando no seu táxi branco.

Segui meu caminho até a esquina, quando a luz vermelha do sinal de pedestres deu a piscar. Você sabe, eu ainda estava no meu direito de atravessar. Mas, inspirado na história da tartaruga, finquei os pés na calçada, e resolvi esperar.

Sorte a minha. Pois um segundo depois, um táxi branco avançou imprudentemente, como se tivesse toda a pressa do mundo, sem tempo nem de explicar pra quê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.