Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Tabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Túnel

Foto: Pixabay - Cérebro
Foto: Pixabay – Cérebro
Taís Civitarese

Uma vez, aos 13 anos, numa festa de família, minha tia me perguntou se eu já tinha namorado.

Eu, que nessa idade ainda brincava de Barbie e mal tinha coragem de conversar com um menino, fiquei desconcertada.

Senti-me errada e falha diante da concepção familiar do que era ser adolescente. “Será que já deveria ter?”, pensei.

Essa pergunta me assombrou pelos anos que se seguiram. Quando via uma amiga mais “pra frente” que já namorava, pensava: “Titia ficaria orgulhosa, ela sim é uma adolescente normal e bem sucedida.”

E me achava errada, falha e anormal por ser tímida e gostar de escrever, ler, estudar e arrumar minhas bonecas.

Em 2020, 25 anos depois da famigerada pergunta, vivemos uma época em transformação.

Testemunhamos uma revolução social em nosso país que as diferenças interpessoais começam a ter mais reconhecimento e o modelo patriarcal está, no mínimo, em questionamento.

Ouso dizer que ensaia um milimétrico declínio. Hoje, meninas jovens não servem só para namorar e arrumar um pretenso futuro casamento, reproduzirem-se e comportando-se  como sinhás de outrora em fotos com moldura de arabesco.

Meninas estudam, mulheres trabalham, lideram, empreendem, vivem suas vidas de forma independente e muitas optam por serem solteiras, não terem filhos e viverem (ou não) múltiplos modelos de relacionamento amoroso.

Penso em minha tia que nunca trabalhou e que viveu para ser bela, prendada e exibir um bom marido.

Sua pergunta veio a partir dessa perspectiva (o que não diminui minha raiva dela, mas explica a situação). 

E foi aí que concluí, não sem confessa arrogância, que talvez Deus tenha cometido um erro ao nos fazer com dois ouvidos.

Apenas um seria o bastante para escutar tantas inutilidades que nos impactam a vida negativamente.

Matutei muito sobre o assunto, e ao refletir um pouco mais, entendi que é claro que Deus não erraria.

Como bom designer e articulista que é, ele apenas fez um caminho mais estético para a asneira entrar e sair pelo outro lado colocando o cérebro como filtro.

Deste, não devemos nos abster nunca! Já que não hesitam em falar, que pensemos sempre se vale a pena ouvir. 

O que não servir, encorajar, agregar ou ensinar, que passe direto através do túnel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.