Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O mês que os pecados habitam

Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/Momentmal-5324081/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=2450925">Momentmal</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=2450925">Pixabay</a> - O mês que os pecados habitam
Imagem de Momentmal por Pixabay – O mês que os pecados habitam
Victória Farias

Carnaval – festa que reúne pessoas de todos os cantos do mundo, em solo brasileiro, numa onda de comemorações, sem distinção de classe social, raça ou gênero.

No Brasil, podemos até substituir a expressão “amor platônico” por “amor de carnaval”.

Segundo algumas bocas – que não bebem e nem cantam – o ano só começa depois desta festividade. Que assim seja, então.

Durante minha infância eu não era a fã número um da festa mais graciosa do mundo.

Muito provavelmente, por nascer e crescer (até um metro e cinquenta) em uma família extremamente evangélica. Falo extremamente, pois eles sim, defendem essa posição. 

Então, nunca me dediquei em conhecer o que estava por trás de pessoas cantando alto e dançando por dias inteiros a fio. 

Mas me perguntava de onde vinha tanta felicidade e animação para acordar às 05h e sair atrás de um bloco, acompanhado de mais de 500 mil pessoas e então brilhar pelas ruas centrais da capital.

Deve ser alguma coisa na água, ninguém é tão feliz assim em fevereiro, mês onde todos os pecados habitam, segundo alguns livros com 1.189 capítulos. 

Mas, então, como em um choque repentino de glitter e serpentina, descobri de onde todos os sorrisos largos vinham, e toda alegria borbulhava. 

É o puro amor pela vida, e uma alegria imensa pelo simples fato de estar respirando, por estar com quem se ama, ou até mesmo pela oportunidade de superar um amor, o que não é de todo ruim.

Se a possibilidade de superação existe, a de reencontro na folia, também. 

O carnaval bate a alas, de salto alto e pele queimada de sol, e mesmo não estando no nosso melhor momento, vamos remando e sambando.

Essa semana, meus ouvidos foram abençoados com o samba-enredo da Estação Primeira de Mangueira, e quando dei por mim, estava me balançando com a reza dos cariocas.

Ano passado, foi a Viradouro – o no anterior o Paraíso do Tuiutique conseguiram esse feito no meu subconsciente. 

Não é por menos. A música deixa de ser apenas uma canção e se apresenta como um manifesto sustentado por milhões de vozes extasiadas e uma bateria que não poderia estar mais afinada.

Canta-se sobre coragem, esperança, vontade, paixão, perda, tudo que é real, tudo que existe na essência primordial do ser humano.

E, no final das contas, toda a festa não passa disso, uma manifestação humana – é honradamente brasileira – daquilo que exatamente somos.

Corajosos em continuar, esperançosos pela mudança, movidos a paixão, cheios de vontades e manias, sensibilizados com a perda, buscando, não importa como e por quais meios, se conectar com o real, essencialmente, com a vida.

Que viva o carnaval entre os meros mortais. Que o carnaval viva entre nós. 

Enredo: A Verdade Vos Fará Livre
Estação Primeira de Mangueira

Senhor, tenha piedade/ Olhai para a terra/ Veja quanta maldade/ Senhor, tenha piedade/ Olhai para a terra/ Veja quanta maldade
Mangueira/ Samba, teu samba é uma reza/ Pela força que ele tem
Mangueira/ Vão te inventar mil pecados/ Mas eu estou do seu lado/ E do lado do samba também

[…]

Eu sou da Estação Primeira de Nazaré/ Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher/ Moleque pelintra no buraco quente/ Meu nome é Jesus da Gente
Nasci de peito aberto, de punho cerrado/ Meu pai carpinteiro, desempregado/ Minha mãe é Maria das Dores Brasil
Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira/ Me encontro no amor que não encontra fronteira/ Procura por mim nas fileiras contra a opressão/ E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão/ E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão
Eu tô que tô dependurado/ Em cordéis e corcovados/ Mas será que todo povo entendeu o meu recado?/ Porque, de novo, cravejaram o meu corpo/ Os profetas da intolerância/ Sem saber que a esperança/ Brilha mais na escuridão
Favela, pega a visão/ Não tem futuro sem partilha/ Nem messias de arma na mão/ Favela, pega a visão/ Eu faço fé na minha gente/ Que é semente do seu chão
Do céu deu pra ouvir/ O desabafo sincopado da cidade/ Quarei tambor, da cruz fiz esplendor/ E ressurgi pro cordão da liberdade

[…]

2 thoughts to “O mês que os pecados habitam”

  1. Olá ! Que interessante o entrelace que vc teceu , entre a religiosidade e o tema carnaval, mesmo entrelace que a escola de samba fez, no samba enredo. Ficou muito agradável a leitura. O texto é delicioso. Achei bacana sua visão positiva do caranaval, como elemento de construção,de explosão de alegria e de implosão, digamos, dos dissabores amorosos e outros mais. Pra mim o carnaval é pura alegria . O ritmo, a galera pulando junta, nas subidas e descidas das ladeiras de Ouro Preto, atrás dos blocos das repúblicas. As famílias nas ruas, com suas crianças fantasiadas de homens aranha e princesas, no blocos, de tarde, nas ruas de Ouro Preto; o Zé Pereira, o sonho, a fantasia, as máscaras. Um sonho. Uma festa na cidade toda. O rock no ritmo carnavalesco!
    Certo ano, uma escola de samba do Rio homenageou os Círios de Nazaré. Inesquecível comissão de frente. Como virá a da Mangueira?
    Eu confio e acredito em Deus totalmente, e “na beleza da resposta da criança : é bonita é bonita e é bonita!”
    Lourdinha.

    1. Olá, Lourdinha!

      Obrigada pelo seu comentário e por compartilhar essa visão tão linda – e realista – sobre a maior festa do Brasil. Que, entre tantas coisas, a alegria sobreviva.

      Abraços,

      Victória Farias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.