Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Genocídio

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Ditadores também têm família. Saddam Hussein tinha a sua, e delegou ao primo Ali Hassan al-Majid a missão de expulsar os membros da etnia curda de regiões no norte do Iraque, na década de 1980. Ao cumprir as ordens do parente, usou veneno de rato e gases tão tóxicos que poderiam reduzir os seus pulmões a dois grãos de feijão. Pelo massacre de 150 mil curdos, entrou para os anais do inferno como Ali, o Químico.

Já Enfraín Ríos Montt cruzou os braços. O ex-presidente da Guatemala, durante a guerra civil na década de 1980, viu os seus soldados fazerem um cerco em torno dos povos indígenas e esperou. Quarenta mil morreram. Em grande parte, de fome.

Em Mianmar, mulheres e meninas da etnia rohingya são alvos do governo, segundo denúncia apresentada ao tribunal da ONU. Descobriu-se que, se mutiladas, não conseguem reproduzir. Trancar moradores dentro de suas casas e, depois, atear fogo nelas também funciona como medida de controle. Até hoje, cerca de 30 mil foram dizimados.

Quando Portugal declarou a independência do Timor Leste, em 1975, a Indonésia resolveu tomá-lo para si. Passou por cima da população nativa, deixando cerca de 180 mil mortos. Ao restante foi imposta a cultura e a língua dos invasores.

Em Uganda, na mesma época, 300 mil membros das etnias acholi e lango foram mortos pelas forças do ditador Idi Amin. Em Darfur, no Oriente Médio, desde 2003, milícias árabes ceifaram 400 mil vidas de membros de etnias de origem negra.

O que todos esses episódios têm em comum? São genocídios. Mas nenhum deles ultrapassou a marca de 500 mil mortes provocadas, em parte, pela insanidade de seus presidentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.