Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Museu do Louvre, a renovação das artes à renovação humana

Pixabay
Pixabay
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

A história do Museu do Louvre, em Paris, inicia-se no século XII como o Castelo do Louvre. Construção enigmática que sofreu transformações ao longo do tempo e no seu gigantismo atual, é o maior museu de artes do mundo. Em certas épocas acolheu reis, rainhas e súditos em seus conflitos, comemorações e bailes, muitos bailes.

Em 2019 chegou a receber até 40.000 pessoas por dia. Nele estão 380 mil objetos e 35 mil obras de arte que preservam diversas culturas em achados arqueológicos, pinturas, desenhos, estátuas e muito mais. Percorrer a galeria é caminhar em comunhão com a arte. Mesmo se não estiver com um roteiro definido, irá encontrar peças conhecidas. Impossível não perceber a fila diante da Mona Lisa e constatar que o quadro é muito pequeno para tamanho alvoroço, mas o sorriso enigmático está lá. 

Caminhando e vendo… A  Liberdade de Eugène Delacroix que carrega triunfante a bandeira francesa. E seguindo dar de cara com Victoria de Samotracia, imponente e perpetuada, marcando sua presença na escadaria – mesmo sem cara – para brincar com as palavras. Nas estátuas de mármore dá vontade de dar um beliscão, para escutar o – ai, ai (do nosso português, claro).

O monumental edifício e seus contornos é muito conhecido pelos parisienses, mas suas múltiplas galerias não são por completo bem exploradas. Contam que nem eles conhecem o Museu e suas obras na íntegra. A conflituosa Pirâmide de Vidro, que foi muito questionada na época de sua construção, agora foi incorporada na paisagem de Paris e integrada ao Louvre.

Assim, como esse tesouro da humanidade, o Museu segue seu percurso ao longo dos anos. Passou por fortaleza, foi moradia de reis. Quando o Rei Sol constrói Versalhes e adota este Palácio como casa, o Louvre começa a expor os acervos da coroa francesa. Ele passou pelo reinado de Napoleão, as duas grandes Guerras Mundiais e agora por uma pandemia.

O que fez a administração? O Museu está fechado para o público, mas 250 restauradores estão lá. E o Gigante Louvre e as riquezas humanas estão se renovando pelas delicadas mãos dos responsáveis pelo restauro. O Museu do Louvre voltará em breve e novinho em folha.

Que assim seja com o Louvre, que assim seja conosco!

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.