Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Falta de aviso não foi

Victória Farias

Tem um crocodilo na minha sala de estar. Ele não estava lá antes, e francamente, não sei como veio parar aqui. Não que isso me preocupe. O lugar já foi ocupado por elefantes brancos e girafas na Amazônia. Afinal, é só um crocodilo. 

A convivência é tranquila. Vez ou outra ele reclama de uma dor de cabeça, ou uma escama se solta de sua cauda. Digo “ele” porque não tenho certeza de quem seja. Faltam-lhe traços humanos ou qualquer coisa que remeta a um rastro de memória.

Diz coisas, mas o que diz não lhe pertence. Repete porque foi mandado, e está ocupado demais palitando os dentes depois de comer um peixe para pensar por si só.

A única coisa que eu sei é que não é um jacaré. As especificações foram bem claras, só se pode se tornar uma de duas coisas: ou um crocodilo ou uma mulher barbada. Mas não me importo muito com a espécie, contando que não coma meus passarinhos.

Ele apareceu aqui na última semana, estava assustado e nada possuía. Entrou e sentou, como quem entra e senta em casa. Colocou os pés na mesa de centro e pegou o controle remoto da televisão com a destreza de quem faz esses movimentos repetidamente, todos os dias.

Não houve interrogatório, sem perguntas. Comemos juntos e ele encheu o box do banheiro de água para passar a noite. Pegou um sol na janela no outro dia e diz que ainda não se sente seguro o suficiente para sair.

A minha única observação, enquanto tirava os primeiros pelos de barba que despontavam no meu rosto, foi pedir para que não colocasse o volume da televisão alto demais.

Não queria atrair a horda de crocodilos que rodavam a vizinhança. Afinal, só tinha controle remoto – e box – o suficiente para um.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.