Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Divenire

Devenire - John Martin - The Great Day of His Wrath
Divenire – John Martin – The Great Day of His Wrath
Victória Farias

“Não se pode pactuar com Deus e o diabo ao mesmo tempo.”
– Remo Morán

Não existe razão para pânico. Não há gente gritando nas janelas. Nenhum sinal de fumaça no horizonte. Não existe motivo para o desespero. A calmaria é a única saída esperada. A apreciação do café preto durante a manhã é uma monotonia aguardada. Pede-se pela calma. O desânimo é só um efeito colateral da informação, como a dor de cabeça é do álcool. 

Não se sente o vento forte demais; ninguém se empurra nos ônibus. As conversas são triviais, e os assuntos, os mesmos. Ninguém sai do roteiro do esperado; todos os lampejos de transgressão são inundados por expectativas. 

Sabe-se a previsão do tempo da próxima semana, o elemento surpresa não mais nos é permitido. Sair sem carregar uma sombrinha por Belo Horizonte nos próximos dias é quase um ato de rebeldia. 

Os tragos são automáticos, sabe-se onde se encontrar tudo. As mãos tateiam no escuro o lugar onde os óculos repousam. Não há porque temer que eles não estejam lá. A poeira está exatamente onde estava na semana anterior. 

A comida no restaurante tem o mesmo gosto de ontem. Me preocupam os cheiros. Mesmo debaixo da máscara, faço questão de procurá-los e fico feliz quando estão lá, por pior que sejam. 

Posso imaginar quem estará me esperando na porta do trabalho amanhã, e, até mesmo, como irá me cumprimentar. Tento decifrar os silêncios dos meus amigos, mas é inútil. No lugar disso, me empenho, pela décima vez, na leitura de um poema do século XIII de um livro que nem sei o porquê comprei.

Até as novidades são as mesmas. Todas as cortinas de fumaça parecem ter a mesma cor. Não sei como ninguém se engasgou com elas ainda. Os apelos são iguais. Todo mundo parece ter recebido um script de como se portar, menos eu. 

E assim mais uma semana começa. Não posso te dizer o que teremos, mas baseada nas últimas 49 semanas, há uma forte possibilidade de recebermos várias informações desconexas do Governo, que são colocadas com a tarja de “urgente” nos site de notícias. No final das contas, são só sobre uma família unida que se prepara para o Natal. Por que isso deveria ser pauta da Agência Brasileira de Inteligência?

*

Divenire = Tornar-se.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.