Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A diferença

Taís Civitarese

Clotilde foi buscar sua saia na costureira. Tinha deixado lá para fazer bainha e costurar um zíper despregado. A entrega estava marcada para aquele dia. Quando chegou, Dona Carmela foi taxativa: ficou em quarenta reais.

Clotilde teve um sobressalto. “Quarenta? Ela tinha me dito que todo o serviço custaria vinte e cinco”, pensou. Na hora, porém, não emitiu palavra. Entregou-lhe duas amargas notas de vinte e não quis experimentar a saia para conferir o serviço.

Em casa, aquilo incomodou Clotilde. Eram quinze reais de diferença e ela não estava podendo brincar com as contas. “Por que não falei nada?”, perguntou-se, entristecida.

Ficou intimidada com o tom de voz seco e firme da costureira e, principalmente, com suas sobrancelhas pintadas de preto. Aqueles arcos bem aparados surtiram-lhe um efeito paralisante. Desafiavam qualquer cliente a tentar decifrar harmonia em tanta envergadura.

Clotilde resolveu deixar o assunto de lado e terminou o seu dia. Porém, à noite, foi dormir ainda um pouco entalada. Acordou pela manhã sentindo um incômodo na garganta. O tempo tinha esfriado e ela esqueceu uma greta da janela aberta.

À tarde, o mal estar piorou. Percebeu uma sudorese na testa, uma sensação estranha e suspeitou: devo estar com quarenta de febre. Telefonou para sua filha médica que lhe disse:

– Não saia! Estou indo praí!

Quando a filha chegou, examinou a garganta e os gânglios da mãe. Era apenas uma inflamação simples.

Mãe, vou te passar um remédio. São umas pastilhas para alívio. Devem custar uns quinze reais

Assim que a filha saiu, ainda baqueada, Clotilde não teve dúvidas. Catou a bolsa do jeito que estava e nem conferiu a porta. A loja de Dona Carmela ficava a alguns quarteirões, ali no bairro.

Respirou fundo e entrou. No balcão, estava uma moça, a sobrinha de sua conhecida costureira.

– Carmela não está?

Não senhora. Saiu para ir ao banco.

– Ontem estive aqui para buscar uma costura e ela me cobrou o valor errado. Tinha me passado 25, mas na hora, falou 40.

– Ah foi? Não se preocupe. Deixe seu nome e telefone aqui comigo que pedirei para ela te ligar quando voltar. Assim, poderá resolver tudo.

Clotilde assim fez. Saiu de lá para a farmácia e foi comprar suas pastilhas. Não era porque a médica era sua filha não, mas tinha certeza que iria melhorar.

*

Curta nossa página no Facebook, Blog Mirante.

One thought to “A diferença”

  1. Dona Clotilde é cada um de nós quando deixamos de exercer nossos direitos por termos nos deixado intimidar pela arrogância alheia. Amei dona Clotilde. Adorei a crônica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.