Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Verdade seja dita

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

A cidade não está cabendo mais dentro de casa. Suas artérias vão se entupindo de carros e os seus braços se alongando para acolher os transeuntes mascarados. Verdade seja dita, Belo Horizonte está saindo de fininho da casa, como uma criança teimosa engabelando o castigo.

Não é hora. O pico da doença nos impõe disciplina, e só um louco defenderia o contrário. Mas como diria o presidente, “e daí”? No domingo passado nós também enlouquecemos — mas com responsabilidade.

Eu e a Dani, minha namorada, rompemos as fronteiras do supermercado e nos arriscamos além da avenida do Contorno. Decidimos matar a saudade da minha irmã, Alessandra, e do seu marido, Ricardo, que estão isolados do outro lado da cidade. Fomos até eles distribuir abraços açucarados.

Calma lá! Eram dois abraços em forma de bombocados. A Dani teve a brilhante ideia de preparar esses quitutes deliciosos, e atravessamos a cidade de carro — armados até os dentes: álcool gel, máscaras e cloroquina (mentira, pegadinha do bolsomalandro!).

Ao chegar ao prédio deles, deixamos as forminhas cheias de afeto na portaria e demos no pé, como moleques travessos tocam a campainha e saem em disparada.

Travessuras de verdade foi o que vimos na volta pra casa. Pessoas que parecem ter aprendido a usar a máscara com o presidente. Até no supermercado, vimos gente que carrega o apetrecho dependurado numa orelha só, enquanto vai falando ao telefone e compartilhando patógenos com o coleguinha ao lado.

Outras preferem levar o acessório em volta do pescoço, como babadores de bebês-adultos. Verdade seja dita, as máscaras tornaram-se aquela folha de alface que colocamos no prato só para esfregarmos na cara do outro: oh!, aqui tem um verdinho.

Vimos também pelo caminho alguns botecos transvestidos de serviços essenciais. Como servem comida, precisaram recolher as mesas e cadeiras da calçada, mas seguem atendendo aos pedidos de entrega.

É a senha para um grupinho de vacilões se aglomerar na calçada. Verdade seja dita, a espera pelo pedido virou evento social, com direito a “long neck” e espetinho de corona. Vimos a cena na avenida Bandeirantes, e deu até vontade de mostrar para o pessoal do @vacilocovid19bh — perfil no Instagram que divulga denúncias de furadores de quarentena.

Soube ainda que no domingo teve buzinaço na frente do prédio do prefeito Alexandre Kalil. Era meia dúzia de gente protestando contra o fechamento do comércio determinado por ele na capital.

No dia seguinte, o prefeito respondeu com a habitual finesse: “quem tem medo de buzina é cachorro distraído”. E teve gente que não gostou. Pior seria se a verdade fosse dita no jargão popular: cachorro que buzina não morde.

Siga-nos os bons no Facebook.

Motoristas voltaram a circular nas ruas de Belo Horizonte (Imagem/Arquivo Pessoal).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.