Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O Mundo do Silêncio

O Mundo do Silêncio
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Os tempos são outros! Ano de 2020.

Mês de janeiro. Maria sai de sua casa no interior de Minas Gerais, a água tragou tudo.

Chega para trabalhar como sempre usando calça baixa e justa, de cores vibrantes, camiseta clara e também justa.

Os cabelos pintados de louro, a boca vermelha com um batom aderente. Assim chega e assim saí!

Foi-se oferecido para dormir na casa, não quis. Roupas usadas ou utensílios domésticos? Também não. Ela prefere ir para um abrigo organizado por instituições. Ela é firme. Sem lamento ou pesar, segue na sua arrumação.

Chega fevereiro. Maria já alugou outro apartamento, mas nesse ano as chuvas não ajudaram para grande parte da população mineira de moradias frágeis. Maria ficou sem teto novamente.

Mas, ainda assim, marca sua presença na casa com a mesma presteza e rotina. Nova recusa para ficar onde trabalha de faxineira. A resposta continua a mesma. Quer manter sua subjetividade!

Chega março. Coronavírus! O que fazer com Maria? Como explicar para Maria? Colocamos Maria em quarentena recebendo seus honorários sem trabalhar? Isso não era um dilema, poderia ser feito. Tarefas de cozinhar e higienização da casa  – incluindo os lugares onde resíduos humanos escoam pelo ralo – já estavam distribuídas . Mas Maria? 

Como fazer com Maria? 

Maria é surda, muda e analfabeta. 

A conclusão foi deixar Maria seguir seu ritmo. Não era justo aprisioná-la no seu silêncio. Não daria para medir o tamanho do monstro que sua  mente construiria e nem explicá-la que isso é temporárioQue iria passar e ela, sobrevivente de vários infortúnios da vida, teria mais esse a enfrentar.

Como explicar Maria?

Chegou Maria, naquele belo dia de março. Como sempre impecável – também com cabelos soltos e escovados. O batom continua vermelho. Nesse dia estava de calça pink.  Os primeiros passos de Maria na casa foram seguidos. 

Ela passa direto para seu banheiro que é amplo e onde faz seu procedimento de trocas de roupas. Reforçando a necessidade de lavar as mãos quando chega da rua, aqui em sua própria casa. E, surpresa!

Maria coloca sua roupa de chegada e saída no sol. Pronto! Já está informada de algo. Também, são passadas orientações sobre o usa da água sanitária e desinfetante. 

O próximo passo era como informá-la sobre a contaminação em lugares públicos. A solução foi um vídeo recebido no mesmo dia.

Nesse dia saiu também com álcool 70% para utilizar no transporte público e onde mais precisar. Será que entendeu a explicação gestual?

Assim, seguimos, nós e Maria, nesses tempos estranhos. Tempos onde as responsabilidades coletivas mostram que estamos todos juntos no mesmo barco.

Nós e Maria temos de confiar e acreditar que o Estado, o coletivo, o sujeito, que cada um faz e fará sua parte

Maria conta com você!!! 

Ela, no seu mundo silencioso. Esse que tem mais comunicação e percepção do que muitos que a vida contemplou com a dádiva da audição. Falar? Maria fala! Com sua sensibilidade ela conquista sua vida digna.

Não dá para pedir para Maria não vir! Ela aparece – esse é o verbo, mesmo não sendo seu dia de trabalho. Afetos, alento para sua vida ela deve encontrar por aqui.

Maria vem!!! Vamos nos cuidar e vai dar tudo certo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.