Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Medicina UFMG: Turma 147 – uma gigante

Turma 147 Medicina UFMG - Phocus 4
Turma 147 Medicina UFMG – Phocus 4
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

A turma 147 da Escola de Medicina da UFMG foi gigante em números de alunos e em experiências. São de encher os olhos de orgulho.

Desde seu início que os acompanho a distância. Minha sobrinha, Manuela, colou grau em janeiro 2020, junto com seus 179 colegas. Faz gosto ver as fotos. Os novos médicos ocuparam a Praça da Estação em Belo Horizonte.

“Somos muitos, somos múltiplos. Somos Cor”. Frase que sintetiza a turma e vem escrita no seu convite de formatura. Ela foi a primeira da medicina que recebeu na íntegra alunos pelo Sistema  de Seleção Unificado (SISU) que estabelece reserva de vagas étnico-raciais em curso de graduação.

E descrevem a sua trajetória:

“Logo à chegada a recepção nos coloria de novo. Tinta no corpo.”

 E de onde vem as cores deles?

“De Brasília a São Luís. Do Rio a Aracaju. Da acanhada Vazante à gigante São Paulo. Do ABC. De Londres. Sydney e Budapeste. Da capital e do interior.” E de Cabo Verde também.

Quis saber por que dessas cidades internacionais. Contam que a turma acolheu, retornando ao Brasil,  aqueles que fizeram o programa de intercâmbio Médicos Sem Fronteiras.

A internacionalização veio também com a possibilidade de estágio em Portugal, como no caso de Manuela, que ficou durante três meses num hospital em Lisboa.

A juventude e os desafios deles são encantadores.  São inclusão e aceitação. São múltiplos em cores, regionalidade e economias.  Foram ricos em humanização e fraternidade.

E as cores continuam seu desenrolar:

 “E, assim, amadurecemos: pouco a pouco mudaram nossas cores.”

Ampliamos nossas margens e, tom sobre tom, assumimos forma e expressão. Nossos emblemas estamparam rostos, cânticos, bandeiras, mentes e espíritos, confluindo juntos para formar um verdadeiro mar azul e amarelo.

No tortuoso rastro deixado pelas ondas habitam agora emoções de várias tonalidades: desde o entusiasmo pelos novos ventos até o comovido orgulho salpicado de água salgada.

A 147 foi – é admirável de se viver. É composição única, obra de arte que cria, vibra e pulsa no ritmo de suas tantas cores, que se redesenha nos ecos e traçados de suas diferentes vozes.

Somos ainda mais que a soma de nossas

(p)artes.

E segundo as palavras de Hipócrates: 

“Ars longa, vita brevis”. –  A arte é longa, vida é curta

O mascote da turma, o Fiat 147, que os acompanhou durante todo percurso, espera… 

FIAT 147 - Sandra Belchiolina
FIAT 147 – Sandra Belchiolina

Espera no dia do grand finale, ali no canto do salão do Expominas, para sair distribuindo chopp e alegrias. 

Nossa doce e determinada Manu merece todas as honras.

Sua vida fluiu. Desde criança nos enche de orgulho com sua delicadeza, coragem e inteligência. Essa que é, também, emocional. Qualidades que a levam longe.

É tanto orgulho na família que ele transbordou e o coloco em público agora.

Como ela, a turma de Medicina UFMG 147 merecem muita sorte, felicidade e sucessos vida afora. 

Foi turma piloto. Riam e choraram juntos. 

Tornaram o sonho coletivo de uma educação inclusiva e os sonhos particulares em uma realidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.