Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Perto dos 40

Foto: pixabay - 40 anos
Foto: pixabay – 40 anos
Tais Civitarese

Sempre ouvi falar sobre a “crise dos 40 anos”, e confesso: o assunto me trazia uma certa preguiça.

De crise, eu entendo, pois tive algumas delas no percurso de cada ano completado até hoje. Por que os 40 seriam diferentes, especiais

Recentemente, conversando com uma amiga, descobri uma coisa. A proximidade dos 40 anos não promove exatamente uma crise. Mas, sim, uma profunda transformação. Às vezes, maravilhosa.

Se anteriormente, na vida de adultos-jovens, éramos um reflexo das projeções paternas e de nossos primeiros sonhos, nessa idade, ocorre algo diferente. Um certo lufão de coragem

Uma torrente de desbravamento. Acontece uma espécie de “fase 3” da nossa vida. Até a personalidade muda um pouco.

Se antes sentia medo do que iriam pensar de mim, agora, sinceramente, estou rasgando. Se titubeava antes de pintar os cabelos de loiro, agora peço ao salão aquela dose dupla de água oxigenada. 

Se queria usar verde com pink sem parecer escola de samba, agora ainda ponho glitter por cima e, se tiver no armário, também algumas plumas. 

Porque a experiência anterior de “meia vida, meio que já nos ensinou um pequeno esboço do caminho. Meio que já tropeçamos, já engolimos caroço. 

A cara, quebrada tantas vezes, já aprendeu onde é melhor para fazer a lanternagem. Dentro de nós mesmos? Sim. Na intuição? Também. Nos valores, aqueles antigos, de família? Exatamente. E por aí, vai…

Se vivemos atentos até aqui, chegamos a essa idade com certa bagagem. E esses pequenos truques na mala realmente tornam o cotidiano mais fácil. Não temos mais aquele pique de antes, é verdade. 

Mas sinceramente, compensa. Engrenagens azeitadas, uma lição ou outra aprendida, aquele defeito conhecido e uma qualidade aceita, vamos tocando o barco.

Sim, 40 é diferente de 20 e de 30. É econômico não ter que cursar mais o ciclo básico da vida. Nessa idade, é hora das optativas!

Ainda não cheguei lá, mas já sinto os ventos dessa aventura nem tão inconsequente e nem tão limitada. Se a virtude está no meio (da vida?), é para lá que estou indo animada!

2 thoughts to “Perto dos 40”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.