Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Série: Psicologia descomplicada

Daniela Piroli Cabral
contato@dnaielapiroli.com.br

No mês de agosto, comemora-se o dia do Psicólogo. Puxando a sardinha para o meu lado, resolvi dedicar os artigos desse mês para desmistificar a Psicologia, esclarecendo dúvidas e refletindo sobre algumas questões corriqueiras sobre a prática psicológica.

A psicologia foi regulamentada no Brasil em 1962, com a publicação da Lei 4119/62. Em 2016, a Lei 13407/16 instituiu oficialmente o dia 27 de Agosto como data comemorativa do Dia Nacional do Psicólogo.

Foto: Divulgação | Internet

Psicólogo é coisa de louco? 

É motivo de desconfiança e de certa resistência quando um paciente é encaminhado ao psicólogo. Daí, pipocam as dúvidas: Será que eu sou louco? Será que não consigo resolver meus problemas sozinho? Será que o psicólogo vai colocar ideias loucas na minha cabeça? Será que vou deixar de ser que eu sou?

Na verdade, essa ideia de associar o psicólogo à loucura tem raízes históricas, sendo, com certa frequência, reforçada socialmente por leigos que nunca sequer estiveram numa consulta psicológica. Apesar de termos caminhado muito, ainda há certo preconceito e estigmas envolvendo a questão do tratamento psicológico.

Trocando em miúdos, o psicólogo é o profissional da área da saúde que pode atuar em diversos campos: gestão de pessoas, recursos humanos de organizações públicas e privadas, avaliação psicológica –  como forma de averiguar se o indivíduo está apto a conquistar a habilitação de motorista e para porte de arma ou até mesmo na avaliação hospitalar e clínica. O psicólogo também tem atuação focada para públicos distintos, de crianças a idosos.

No âmbito clínico e da saúde, a psicoterapia pode ser recomendada como principal indicação terapêutica ou como coadjuvante nas diversas intervenções: transtornos de humor, de personalidade, psicoses, emagrecimento, dor crônica e sintomas “psicossomáticos”, uso e dependência de álcool e fumo, entre outros.

Geralmente, o melhor momento para se iniciar a psicoterapia é quando a própria pessoa demonstra o interesse/demanda por si própria, pois raramente a terapia tem adesão e continuidade quando ela vem “obrigada”. O papel da família e da equipe multidisciplinar de saúde é fundamental tanto no reconhecimento e encaminhamento do paciente quanto no suporte ao tratamento.

2 thoughts to “Série: Psicologia descomplicada”

    1. Boa noite, caro leitor.
      Obrigada por seu comentário.
      não sei exatamente o que vc quis dizer com “mendicância de atenção” ao se referir à psicanálise, mas o objetivo do texto foi desmitificar a profissão da psicologia e quebrar resistências na busca de tratamento, quando ele se faz necessário.
      Estou à disposição pra te ouvir melhor.
      um abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.