Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Viagens

Viagens - Fonte: Pixabay
Viagens – Fonte: Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

De vez em quando ela gosta de fazer viagens para trás, de desbravar territórios ordinários. Aos doze anos conheceu o amor, aos dezenove, a angústia; aos vinte e sete o trauma. Ontem, conheceu o vácuo. O descobrirá amanhã?

Ela sabe que o passado não é morada. Onde foi que se perdeu de si? 

Quando viaja para frente, completa as lacunas. 

Desconhece normas e hierarquias, se refugia em lembranças que não aconteceram. Gosta dos desafios e de decifrar enigmas. Se admira com os encantamentos que cristalizam as pessoas que já se foram. Penetra calmamente nas suas múltiplas camadas. Fica ali por alguns instantes e por toda a eternidade.

Como é dual em si mesma, para frente ou para trás, presa nos mesmos calabouços. Realidades congeladas, na prisão do infinito especular. A criança continua ali, a espreitar. 

No futuro ou no passado, o azar e a sorte andam de mãos dadas na frequência de uma mesma temporalidade. O que vem de fora não importa, o que vem de dentro também não. O que importa mesmo é o como.

Entre tantas paisagens estéreis, a música não a destrói mais. Permanece intacta, dormente, anestesiada pela culpa e pela raiva. Ela envelheceu, aprendeu a não ter medo da fantasia. 

Como gostaria de caminhar sobre os traumas matriciais, de pode subverter a lógica sistêmica das compatibilidades. Mas não pode. Agora não. Está em overdose cognitiva e é nômade. Desloca-se na ilusão da bebida e no rastro dos algoritmos. 

Ela completou sua obra. Experimenta o êxtase da imortalidade.

Ela conheceu as sabedorias do corpo, mas a insônia vem à noite. 

Ela vacila. Quer calma para o coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.