Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Negação

Negação - Fonte: Pixabay
Negação – Fonte: Pixabay

Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Bom dia, dona Helena. É Heloísa da Sintra Logística. Tudo bem?

– Oi, minha filha. Há quanto tempo.

– Será que eu poderia dar uma palavrinha com o senhor Aníbal? É sobre as coisas dele que ficaram aqui na empresa.

– Uai, mas ele ainda não chegou aí? Ele saiu cedo para a reunião com o doutor Gerson, estava até preocupado.

– Ah… Entendo… Ah… Desculpe… Bem… É que… É que… Eu liguei lá no setor de compras agora há pouco e ele não estava… É….É… talvez ele já esteja na reunião. De qualquer forma, muito obrigada. Hum… Qualquer coisa eu volto a ligar… Um abraço.

Dona Helena percebeu a hesitação e o mal-estar que se instalou na conversa com Heloísa, mas nem de longe desconfiou que seu marido, o senhor Aníbal, havia sido demitido da Sintra Logística há mais de dois meses. 

Ele continuava mantendo a rotina de funcionário exemplar. Acordava cedo, às seis, saía por volta das sete com a pasta debaixo do braço e os sapatos impecavelmente engraxados. Pegava a condução e retornava ao lar por volta das seis da tarde. Às vezes falava algo sobre a empresa, às vezes ficava calado, assistindo às notícias na TV. – Esse trabalho é muito estressante mesmo, ele precisa se aposentar – pensava Helena.

Dona Helena também não havia reparado que Aníbal estava cada vez mais silencioso e irritado. Muito menos percebera o hálito etílico do marido no fim da tarde. Na verdade, ele descia no centro e não pegava mais a integração para empresa. Matava as horas ali mesmo.

Sentava na lanchonete, tomava um café, depois uma cerveja, conversava com outros trabalhadores apressados que paravam ali para o desejum. Tomava outra cerveja, comia um pastel de carne frito na gordura escura perto da hora do almoço.

Ia à loteria fazer uma “fezinha”. Vez ou outra entregava um cartão de visita onde se lia em vermelho: “Aníbal Ferreira Silva – Setor de Compras – Sintra Logística”. Esta era sua identidade, que ele tentava preservar a todo custo.

Por volta das cinco e pouco, pegava o transporte de volta para a casa, calculando o tempo certo de retorno para não dar bandeira para a família. Quando se adiantava mais que do esperado, passava na padaria e levava pães.

Heloísa desligou o telefone e, perplexa, entendeu a resignação de Aníbal na reunião de desligamento. Ela não compreendia como um senhor daquela idade, à beira da aposentadoria, recebera com tamanha sabedoria e tranquilidade a notícia da sua demissão. Nenhuma raiva ou revolta. Nada. 

Naquela noite, ao se deitar, Heloísa chorou. Estava triste, angustiada com a dor do coração de Aníbal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.