Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Lições

"Imagem
Taís Civitarese

Tenho um amigo que conversa tranquilamente no celular quando anda pela rua. Ele diz que a ideia de ser assaltado lhe assusta menos do que a sensação de privar-se de usar seu aparelho onde bem quiser.

Quando mais nova, meu pai dizia para nunca pagar adiantado por um serviço. Que eu sempre pagasse ao recebê-lo, ou que, no máximo, desse apenas uma entrada na contratação. 

Em um certo janeiro, ao me mudar de casa, recebi um rapaz para refazer as cortinas da sala.

Ele me deu um descontão à vista e aquilo me alegrou de uma maneira. Fiz o cheque. Quinze dias mais tarde, elas estavam aqui encharcando na chuva, pois tínhamos deixado a janela aberta.

O sol da confiança e da fé na honestidade alheia, no entanto, brilhava em minha autoestima. 

Naquela época, decidi que olharia a vida com outros olhos, reservando uma pequena poupança de ansiedades para serem dedicadas às crises familiares de saúde.

De resto, preferiria confiar nas pessoas e, especificamente, nos vendedores de bolsas e cortinas. 

Algum tempo mais tarde, um comerciante do Instagram me levou uma moto zerinho em calote.

Não foi nada agradável perceber que eu tinha sido enganada por meu ponto fraco em acessórios.

Ao puxar a ficha do sujeito, constatei que era um experiente vigarista. Já tinha roubado umas 30 pessoas, e essas, apenas dentre as que o Google conhecia. Por que não vi isso antes? 

Pensei em denunciá-lo à polícia, ao Procon e a todos os possíveis órgãos competentes.

Porém, resolvi que a amolação custaria lembrar desse desgosto por meses. E, infelizmente, eu não tinha provas.

Decidi fingir que paguei para aprender a lição que papai tantas vezes me dera de graça… 

A vida não tem manual, às vezes tem automático e sinto falta mesmo é de andar de patinete.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.