Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Em bom minerês “que trem bão sô!!!”, não é mesmo Durvalino?

Max Pereira
@pretono46871088
@MaxGuaramax2012

“E não é que o Galo ‘coisou’?”, não cansava de repetir para si mesmo e, para tantos quantos paravam para ouvi-lo, aquele velho mineirinho sentado no banco da velha pracinha.

Enquanto isso, outros dois personagens quase anônimos e, ao mesmo tempo, tão próximos de qualquer atleticano, se encontravam exatamente onde se haviam visto pela ultima vez. Durvalino e o velho amigo Juvenal mais uma vez se viam frente a frente e, sem precisar trocar uma palavra sequer, comungavam e experimentavam sentimentos absolutamente iguais e se prepararam para cumprir uma promessa feita ali mesmo, em uma manha de domingo.

ERA UMA MANHÃ DE DOMINGO para eles tão singular e tão especial quanto foi aquela manhã de um outro domingo. Um domingo já tão distante e tão importante quanto. Em suas cabeças e corações se misturavam as memorias daquele inesquecível e histórico 19 de dezembro de 1971 e um turbilhão de sentimentos e de emoções que os assaltava e chacoalhava em razão daquela virada histórica e apoteótica acontecida há algumas horas antes na Fonte Nova.

Da mesma forma que há quase 50 anos atrás o Galo cantou mais alto e reinou no futebol brasileiro sob as bênçãos do Cristo Redentor, quiseram os deuses do futebol que o Glorioso subisse mais uma vez ao mais alto degrau do pódio do esporte bretão nacional, dessa vez ungido pelo Senhor do Bonfim.

Só a magia do futebol e o mistério do ser atleticano explicam o que aqueles dois homens da terceira idade sentiam e o porquê de estarem ali, aparentemente solitários, às margens da Lagoa da Pampulha. Enquanto olhavam os céus entrecortados pelos milhares e milhares de fogos de artifícios que os rasgavam e permitiam ver ao longe os contornos imponentes do Mineirão, Durvalino e Juvenal se preparavam para repetir o ritual com que, há quase 50 anos, reverenciaram o Cristo protetor do Rio de Janeiro, banharam nas águas de Copacabana seus corpos já encharcados de lágrimas e de suor e comemoraram, com a alma lavada, a conquista do primeiro campeonato brasileiro da historia.

Mas, promessa é promessa. “1, 2, 3, Pé de Pato, Mangalô três vezes. Te esconjuro, coisa ruim. Arre égua!” Afinal, não dizem por aí que foi por causa de uma promessa não cumprida que o Galo amargou um jejum de quase 50 anos no campeonato nacional? E tem aquele “causo” da Santa pintada na sede. Não, não seria por causa dele que o Atlético amargaria outro jejum sabe-se lá de quantos anos? Durvalino estava determinado e o seu parceiro de fé, irmão camarada Juvenal estava ali, lado a lado. Não para testemunhar, mas, para, junto com ele cumprir a promessa e expurgar de vez os demônios que há décadas vêm atormentando a Massa e frustrando os seus sonhos.

Um filme passava diante de seus olhos marejados de lágrimas e ele via, ora Nathan lançando Dadá, ora Humberto Ramos cruzando para Keno, e os gols dos títulos de 1971 e 2021 se misturavam em seus devaneios e o faziam chorar convulsivamente.

Quem por ali passou naquele momento pode ter-se espantado ao ver dois senhores de cabelos brancos e faces marcadas por uma existência longeva e rica de experiências, de roupa e tudo, se banharem naquelas águas sujas da Lagoa. Pelo Atlético valia tudo. Qualquer risco. Assim como o Bomba Éder Aleixo, ao comemorar o título, gritou aos quatro ventos que agora poderia morrer porque havia conquistado tudo na vida, para Durvalino e seu fiel escudeiro Juvenal, eles tinham chegado ao gozo da realização suprema nesta vida.

Mais místico como nunca o fora na vida, Durvalino se despediu de Juvenal e cada um foi para o seu lado, unidos por um cordão invisível, porem inquebrantável: a paixão imorredoura, louca e imensurável pelo Atlético e a felicidade que transbordava de seus corações.

Aqueles seis minutos apoteóticos nos quais o Atlético transformou uma derrota que parecia inevitável em uma vitória histórica e emblemática e garantiu de vez a conquista do Brasileirão 2021, remeteram Durvalino à mística do “Eu Acredito” e às viradas e aos momentos sobrenaturais das campanhas do biênio 2013/2014. Se lá a magia de um Bruxo e os milagres de um Santo se conjugaram para fazer o atleticano gargalhar de alegria, hoje os poderes de um super-herói, o talento, a entrega e a capacidade de superação de um grupo incrível e determinado e a regência de um explosivo maestro à beira do campo, levaram a Massa a, finalmente, soltar o grito de É CAMPEAO!!!

É parece que é coisa de Atlético mesmo. Como bem lembrou ontem o Guru Eduardo de Ávila, a Massa também entoou esse grito nos idos de 2006 quando, depois de uma virada igualmente antológica sobre o Coritiba em Curitiba, o Galo garantiu, de forma triunfal e autoritária, a sua volta à Série A.

E “que trem “bão sô”, ver o Galo campeão, não é mesmo Durvalino? 

25 thoughts to “Em bom minerês “que trem bão sô!!!”, não é mesmo Durvalino?”

  1. Galo campeão da Libertadores de 2013, do Brasileirão de 2021, eventual campeão da Copa do Brasil de 2021, apesar do Cuca. Tomara que nosso treinador continue nos atrapalhando assim! (Se Deus quiser, ele vai nos “abandonar” em outro mundial)!

  2. Boa noite, amiGalos!
    Confesso que se o Galo tivesse sido campeão da libertadores esse ano e não fosse campeão brasileiro, eu seria a pessoa mais frustrada do mundo. Estou muito feliz! Obrigado João Leite, Luizinho, Osmar Guarneli, Cerezo, Paulo Isidoro, Marcelo, Reinaldo, Éder, Nelinho, Barbatana, Procópio, Telê, Cuca, Danival, Campos, Ortiz, Victor, Everson, Tardelli, Ronaldinho Gaúcho e a turma do Zaracho!!!

  3. Não gostaria que fosse alterado o escudo do GAlO, visto que nossa estrela significa ser o primeiro campeão Brasileiro, somos único. Seremos por muitas vezes campeões, pnao haverá espaço para tantas estrelas que vira, não existe nenhum escudo mais imponente que o do GALO. Torcedores de outros clubes pelo mundo sabem o que significa nossa estrela amarela.

  4. BOA TARDE.
    É ISSO AÍ , QUE BELO DEPOIMENTO DE MÁRIO MARRA.
    AINDA ESTOU E VOU CONTINUAR COMEMORANDO POR MUITO TEM ESSE BI , MAS , POR ORA , JÁ ESTOU COM AS BATERIAS VOLTADAS PARA A “COPA DO BRASIL” , QUEREMOS MAIS ESSE TÍTULO ESSE ANO , E MAIS AINDA EM 2022.
    AGORA É FOCO TOTAL :
    COPA DO BRASIL
    COPA DO BRASIL
    COPA DO BRASIL QUE VENHA ESSE BI TAMBÉM.

  5. Prezado Barata. Assisti ao jogo com meus dois filhos no bar Amarelinho na rua Francisco Sá no Prado. Depois fui acompanhar dois jovens( 28 e 19 anos) nas festas da sede e da Praça Sete. A festança tava boa e exagerei um pouco na Heineken. Esqueci que o tempo passa pra gente. A ressaca foi braba. Mas valeu a pena. Prezado Paulo Silva, respeito a turma do apoio incondicional, mas o futebol sem a resenha e a corneta fica uma chatura. Unanimidade, como dizia Lugalo é burra. A gente acaba se divertindo nesse debate. Só pra registrar foi muito bom essa conquista nao ter o DNA daquele Alexandre Matos. Parabéns para quem o dispensou e trouxe o chutador de porta de Var. Só por isto, o Rodrigo Caetano ganhou a minha admiração. Aquilo ali era necessário demais

  6. Notícia ruim para a mariada, que está se rasgando de ódio e inveja: papai Menin já declarou que o orçamento do Galo para o ano que vem será “um pouquinho maior “….
    Haja coração

  7. A linda taça do Brasileiro já está a caminho da sede de Lourdes.
    Que maravilha! Será guardada com muito carinho.
    E daqui 1 semana outro belo troféu pode estar se encaminhando pra lá.
    Vamos manter o foco, que a hora da colheita chegou. Somos CAMpeões e precisamos aproveitar essa onda perfeita do sucesso.

    Sobre o escudo, espero que não mudem nada, deixem como está. A estrela amarela não representa títulos, ela representa o maior patrimônio do Clube: a torcida.

  8. Bom dia, Massa e Guru

    Ao que percebo para o atleticano este título brasileiro valeu mais que um bi na libertadores. E a gente só tem dimensão do acontecido quando se depara com depoimento como os de Mario Marra e Mariana Spinelli deram em um programa da ESPN.
    Conclamo à todos aqui deste espaço a assistir e depois comentem

    https://m.youtube.com/watch?v=6I_lS6kI3IM

    UFA!

  9. (Ainda sem palavras sobre o título, ainda festejando…)
    Só vou dizer duas coisas:

    1) Parabéns à Rádio Super!!! Foi de longe a MELHOR COBERTURA que vi do jogo. Pedro Abílio é o melhor locutor desde o ano passado, na minha opinião. Todos sabem que essa rádio pertence ao Prefeito de Betim, cujo coração não é atleticano. E a cobertura foi ÍMPAR. Nenhuma palavra sobre o ex-rival, que joga agora na segunda divisão. Todo o tempo era só Galo. A festa é do,Galo e isso é muito respeitado naquela rádio. Fora a emoção no segundo e terceiro gols que foi superior a tudo o que vi depois. Aquele é um torcedor e verdade. Não apenas profissional. E ainda contar com a emoção do mestre Roberto Abras, do Lélio Gustavo, do Cadú Doné e da Dimara Oliveira (que todos sabem também tem o coração de outra cor, mas que estava muito animada) foi muito bom! Foi uma COBERTURA HISTÓRICA. Parabéns, Sr. Medioli. Esse tipo de dignidade é para poucos. Uma outra rádio, que costumava seguir, está mudando de perfil, mas ontem de manhã coloquei nela a tempo de ouvir uma figura pedir paciência à torcida de um certo time da segunda divisão por isso, aquilo e etc. Falou, falou, falou, e deve ter percebido que falou demais. Não tem que pedir paciência a time nenhum! A CONQUISTA É DO GALO. A FESTA É DO GALO. Dane-se quem não faz parte mais da história. E o América está se erguendo. Parabéns para ele também.
    2) Ontem me disseram que o moço que apresenta o programa de esportes da Band mineira (que não assisto) parabenizou protocolarmente o Galo dizendo que essa festa dure por mais 50 anos. (!) Confissão maior que essa, difícil ter outra. Pegou mal, meu amigo. Muito mal. Em um ano de fracassos, vocês foram até felizes durante dois gols… 5 minutos depois acordaram para a realidade de quem é o GIGANTE DE MINAS.

  10. Bom dia para todos!
    Ótimo texto Max,obrigado!
    Uma coisa me chamou atenção naquela TAÇA Menin ( como a chamam os flamerdistas), o número 50 fazendo alusão aos 50 campeonatos brasileiros, quando cbf coloca um número na taça ela está falando claramente que os campeonatos brasileiros só valem a partir de 1971,portanto os títulos via FAX tem seus valores,mas NÃO SÃO campeonatos brasileiros, foi a própria madrasta que chancelou isso.
    Saudações atleticanas!

    1. Disse tudo, Reinaldo. Time pequeno sem tradição precisa contabilizar número quando falta qualidade. Um clube se faz O GIGANTE DE MINAS (não importa que o outro goste de ser chamado de A Maior Maria de Minas) não por quantidade, mas pela qualidade das conquistas. A Maria de Minas NUNCA, JAMAIS, seria capaz de viradas épicas. “É só marcar 2 gols que a Maria não consegue mais reagir”. Por isso, fica nisso aí de obter título de gabinete. Prefiro dois, três, quatro troféus de ouro puro do que dez de lata banhada a ouro.

  11. Obrigado, MAX PEREIRA, por manter vivos e representando a atleticanidade de cada um de nós, o DURVALINO e o JUVENAL que tão bem mostram o que é ser atleticano. Que Deus prolongue em muitos anos a sua vida para que possamos conviver com esses dois atleticanos folclóricos.

  12. Bom dia, Eduardo, Max Pereira, atleticanas e atleticanos.

    Meus mais puros agradecimentos a todos os AMIGALOS que me ajudaram com seus comentários, críticas e elogios a aguentar as agruras que esse nosso Galo maravilhoso nos proporcionou, assim como estivemos e estamos juntos nas alegrias e comemorações. Já disse aqui várias vezes que esse blog é para minha saúde muito mais eficaz que qualquer dos muitos remédios que tomo todo dia. Estar diariamente com vocês é como estar no seio de minha família.

    Obrigado MARIO MARRA e ADRIANA SPINELLI que ontem, ao vivo derramaram e me fizeram derramar lágrimas sinceras da mais pura ATLETICANIDADE.

    Obrigado presidente SÉRGIO COELHO e demais dirigentes do CAM, obrigado aos 4Rs pelo seu apoio e desprendimento em favor do CAM.

    Ao CUCA, o maior e melhor treinador que o Galo já teve e graças a Deus ainda tem, sem detrimento a nenhum outro treinador que por aqui esteve, e ao espetacular TIME que ele soube, como nenhum outro, montar e comandar, eu nem posso agradecer por não conhecer palavras que possam expressar os meus sentimentos.

    OBRIGADO MEU DEUS POR ME MANTER VIVO PARA VER E COMEMORAR ESSE MOMENTO DE GLÁRIA DO MEU GALO.

    O GALO CONTINUA VIVO E ATIVO, ATIVANDO A ATLETICANIDADE DE TODOS NÓS E CONQUISTANDO MUITOS OUTROS CORAÇÕES PARA O NOSSO CONVÍVIO.

  13. Bom dia Max. Bom dia a todos. Feliz demais com o título. Mas uma coisa tem me preocupado: Natan Silva tem falhado demais e do mesmo jeito. Contra o Flamengo perdeu de cabeça para o Bruno Silva. Na Bahia repetiu a mesma falha. Antes do gol o Arana corrigiu com um carrinho milagroso outra falha dele. Teve a falha contra o Palmeiras e o gol contra do jogo do Cuiabá. Espero que seja só uma fase ruim e se recupere como o Keno, Mariano , Alan , e tantos outros que cornetei aqui. Agora as substituições do Cuca( Natan e Sacha) foram certeiras demais. Acho que até o Barata vai concordar( kkkk) . Por fim, ficou estranho o Diego Costa não ter comparecido junto com os demais jogadores nas comemorações do título. Mas viva o galo e agora subiremos o sarrafo nas cornetagens. Eu até penso que aqueles dois gols do Bahia foram para fazer a felicidade momentânea dos cornetas que já estavam preparados para entrar em campo quando , o time reagiu e virou o jogo, deixando os cornetas sem graça e comemorando no embalo da turma do Lugalo, Barros e tantos outros que apoiam incondicionalmente o Galo. Abraço a todos cornetas e autenticos. Vamos comemorar este título . Muitíssimo

    1. Caro Domingos Sávio, saudações. Só para mostrar que minha corneta continua afinada vou dizer que já não aguento mais ver o tal de Nacho dentro do campo, correndo como barata tonta, segurando a bola, errando passes seguidamente e impedindo a progressão do time. Sua saída de campo foi fundamental para a aceleração do jogo do Galo e chegar à vitória.

      Sei que ele joga muito mais que tem jogado, mas até isso acontecer, corneta nele. Se até o Hyoran eu já elogiei aqui várias vezes, ele também será quando merecer.

    2. DOMINGOS SÁVIO ,

      “… as substituições do Cuca foram certeiras demais …”

      Uma de minhas filhas SEMPRE pede o SASHA no jogo .
      Segundo ela , o jogador tem a capacidade para criar
      muita movimentação no ataque , dá muita opção aos
      companheiros , ABRE a defesa adversária .
      Ela , a minha filha , é CERTEIRA DEMAIS !

      A respeito do NATHAN , aqui chamado de Pescador ,
      é uma incógnita , SEMPRE .
      Se entrar LIGADO , tem categoria suficiente para nos
      trazer resultado .
      E na quinta foi assim : muita INSPIRAÇÃO do garoto !

      Então , ficamos assim :
      a ” substituição certeira ” é sempre uma constatação
      PÓS JOGO .
      Eu raramente vejo algum comentário sobre ACERTO
      em mudanças quando ELAS SÃO ANUNCIADAS .
      Só depois do que o cara tenha feito em campo .

      p.s. 1
      Por onde você andou , que não o vi aqui no
      post de ontem ?
      Você faz falta .

      p.s. 2
      Desculpe , DOMINGOS , mas não resisto debater o
      MANSO .
      O EVANDRO , muito corretamente , diz que sou um
      ranzinza inveterado .

      Mas , como não sê-lo , diante do que ouvimos por
      aí ?

      Depois do jogo , um comentarista sei lá de onde ,
      disse que o MANSO não só MUDOU corretamente
      como teve o ” timing ” para a alteração .

      Pois é !
      A saída do Nacho era pedida até pelos espíritos .

      Estamos juntos , SEMPRE , caro DOMINGOS !
      Adorei a provocação .

      1. Deixei de acrescentar , após relatar o que
        ouvi de um comentarista sobre o tal “timing” ;

        É PRACABÁ !!!!

    3. Bom dia amigos Atleticanos, concordo com vc Sávio,esse Nathan Silva tem costas largas, falha demais, não inspira confiança, a falha contra o Palmeiras ainda machuca minha memória.E o Keno,tem que fazer uma estátua pra ele na Cidade do Galo,o cara estava iluminado,todos os chutes dele foram no gol, graças a Deus com 2 golaços que nos deram o tão sonhado Título

    4. Faço minhas as suas palavras.. realmente o Natan Silva tem falhado muito para um zagueiro. O que dizer então do Vargas….acredito que ele não tenha futebol para estar nesse time do galo. E o Macho parece que está cheio de vermes….

      1. E o Galo eh campeão brasileiro, com o Nathan e o Nacho. E, claro, não podemos deixar de agradecer ao Gilberto Silva, responsável por virar o jogo contra o Olímpia na final da Libertadores, e tbm a filha do outro, que com sua sabedoria colocou o Sasha no jogo contra o bahia, e nos trouxe o bi brasileiro (sem esquecer o pai, responsável pelo Galo existir até hj, mesmo com as dificuldades enfrentadas ao longo dos anos). O Cuca, campeão da Libertadores e do Brasileiro após 50 anos (e eventual campeão da copa do brasil), é apenas um manso com sorte! E bom mesmo era o silvestre, o Réver, ah o Réver, nos deve explicação sobre aquele jogo de 2011. Abraço pra quem jogou junto, quem torceu contra o Galo e pra ter razão, perdeu! Nosso gabiru tem mais títulos que o gabiru do inter. Será mesmo sorte? Ou recalque? SAN

  14. hoje finalmente a adrenalina baixou,rsrs, mas como foi bom ver o galo ser campeão, 2013 foi legal mas 2021 foi mágico, contra tudo e contra todos, cbfla/tv, contra o mundo que não queria ver o galo campeão, o eixo vai ter que se render a nós, mineiros e atleticanos apaixonados e vitoriosos. obrigado aos R´s , cuca e ao presidente Sérgio Coelho, que mais uma vez fizeram o galão da massa ser o primeiro. estou certo de que e apenas o começo e anos de glórias virão para coroar essa virada do galooooooooooooooooo. Em tempo, 81 pontos, para um bom entendedor um pingo e letra, rs.

  15. Prezados Ávila, atleticanas e atleticanos!
    Obrigado Max por mais este texto que toca no fundo o coração de todos nós atleticanos. A junção de ideias entre o título de 1971 e 2021 no que respeita as assistências para os gols de Dario e Keno, é de uma preciosidade sem tamanho. Épocas diferentes, assistências diferentes, mas com o mesmo resultado: Galo Campeão.
    Obrigado e vamos curtir este momento único!
    Hoje e sempre, Galo!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.