Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

Em defesa do direito dos cornetas

Caríssimas e caros, que seria do futebol não fosse a nossa cornetagem? Pode ser ainda cornetear. Adicione-se a isso frase de Nelson Rodrigues que “toda unanimidade é burra”. Ele, um dos mais geniais cronistas brasileiros de todos os tempos, complementa: “quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”. Ao que nos interessa, sobre a nossa Atleticanidade, somos plurais e o que nos une – salvo melhor juízo – é a vontade de “vencer, vencer, vencer”.

Venho observando, muitas vezes até curtido esse nosso pensar diferente – embora em alguns momentos lamente determinadas reações ríspidas – afinal penso que “este é o nosso ideal”. Se o time está bem, merecendo o apoio do Torcedor, evidentemente, vamos chegar aos títulos tanto desejados pela Massa.

Dias atrás, ainda nessa semana, um entre nossos amiGalos – off e carinhosamente – contestou uma consideração que fiz numa live pós-jogo da quarta-feira. Disse a ele que “a corneta faz parte. Sem ela não haveria debate. Eu sou um corneteiro, com muito orgulho. Sigamos!!!”

Aproveito esse último sábado de julho, véspera de jogo pelo Brasileiro, para trazer essa reflexão aos amiGalos que frequentam esse espaço. Pontos de vista diferentes não podem, jamais e nunca, motivar e desviar o bom debate para agressões que só interessam aos eventuais adversários. Palmeirenses e flamenguistas, que junto do Galo estão disputando – palmo a palmo – o sonho do pódio em 2021 são os maiores interessados em nos colocar em confronto interno. Outros de menor expressão também investem nesse sentido.

Tenho o maior orgulho de nossa saga Atleticana, aliada ao fato de estar blogüeiro neste espaço, onde busco dar voz e vez aos que – civilizadamente – demonstram mesmo espírito. Já fui agredido, verbalmente apenas, pelas ruas e aqui – sistematicamente – por dois ou três que acreditam me trazer desconforto. Um deles, esporadicamente, depois que passei a exercer o sagrado direito de rejeitar aquilo que julgo contaminar o ambiente, deve imaginar que me ocupo e preocupo com ele. Engano do infeliz.

Outro, que usa diferentes fakes – tanto de nomes quanto de e-mails – me faz divertir. Só os leio ocasionalmente, uma vez que a inteligência artificial atira tudo na lixeira. São hilários. Se algum entre nossos amiGalos cruzar comigo pela rua, me peça para mostrar, tenho selecionado parte desse material para outra ação que farei no futuro. Sem a intenção de deixar rastro de curiosidade, é uma pesquisa sobre redes sociais e seus valentes bárbaros. Isso não se relaciona com a postagem. Esconder a verdadeira identidade seria, no mínimo, uma atitude covarde. Tenho nome, rosto, diferente desse tipo de gente. Sigamos!

Pois bem, feitas essas observações, quero deixar aqui registrado algumas considerações pessoais. Como disse acima, não sou blogüeiro – estou e já se passam mais de cinco anos – com a intenção e o coração Atleticano me impulsionando e me motivando a postar todos os dias.

Cheguei até mesmo a abandonar essa missão, mas senti falta e aliado a mensagens pedindo o retorno, reassumi o ofício. Foram apenas três semanas de ausência. Tem noites que durmo pouco para não atrasar nossa resenha diária. Minha paixão e devoção com o Galo independem dessa titularidade no “Canto do Galo”. Aliás, assinar este espaço decorre dessa condição.

Não sou candidato a nada, portanto não estou usando nossa paixão comum para buscar visibilidade. Já tive mandato eletivo, na minha cidade aos 25 anos de idade, tenho recebido convites para voltar a essa militância político partidária, mas – confesso – não tenho mais a ilusão dos anos 70 e 80. Portanto, no momento, é assunto totalmente fora dos meus planos. Acho improvável rever essa decisão.

Gosto muito de mencionar letras de música quando esses devaneios me permitem, sobretudo em dias que não tem Galo em campo e não faço textos de pré e pós-jogo. Recorro, portanto à Marisa Monte na canção intitulada “bem que se quis”, quando menciona “o teu desejo é meu melhor prazer”.

Nosso desejo e prazer comum, isso sim que nos aproxima, evidente, é ver o Galo conquistando títulos e levantando troféus. Sejamos ou não portadores de GNV e cadeira cativa, somos igualmente Atleticanos. Não existe esse ou aquele, mais ou menos, nossa paixão pelo time é a mesma. Essa é a diferença para outros times menores que circulam ao nosso entorno.

Eu confio nos profissionais que lá estão desde presidente e seus diretores, comissão técnica, jogadores e de diversas áreas – mesmo fazendo uma ou outra consideração pessoal – pois o sucesso deles é que vai me levar ao êxtase e comemorações. Não quero com isso, dar aos mesmos a imunidade de eventuais críticas. Esse espaço, insisto, existe para agregar e nunca trazer e/ou promover cizânia entre Atleticanos. Respeitemo-nos, afinal – insisto – nosso propósito sempre será que “honramos o nome de Minas no cenário esportivo mundial”.  E o Galo, acreditem, está conquistando o mundo. Cornetear sim, agredir não!

*imagens: redes sociais

23 thoughts to “Em defesa do direito dos cornetas”

  1. Antes um corneta fora de campo que um perneta dentro (se for do meu time). O athletico paraguaiense nem xará é mais. Galão amanhã tem que começar agosto soprando esse vento chato de volta pro sul.

  2. Boa noite, Eduardo de Ávila e AmiGalos.

    Atlético MG x Athletico PR, neste domingo, às 16h, será transmitido somente pela TV aberta –  Globo (MG e PR).

    Alguém sabe informar, por gentileza, em qual canal online alternativo o Atleticano residente fora de MG e PR poderá assistir ao jogo?

    Muito obrigado pela informação.

  3. Texto muito equilibrado, como sempre. Cada pessoa possui suas próprias opiniões e pensamentos, mas é importante manter o respeito nas divergências. Percebo que alguns torcedores possuem certa resistência ao Cuca pelo fato do Galo não ter tido um bom desempenho no mundial em 2013. Particularmente não compartilho desta opinião e acho o Cuca um ótimo técnico e sou grato por ter comandado o Galo no título da Libertadores de 2013. No momento está com o melhor aproveitamento da carreira acima de 70%. Apesar do excelente resultado concordo que o time pode progredir ainda mais e acho que o Cuca também sabe disto. Acho que a diretoria poderia ter trago Roger Guedes ou algum reforço do mesmo nível para o ataque. Roger no pouco tempo que jogou no Galo se saiu bem melhor que Marony.

  4. Boa tarde a todos!
    Cornetar é salutar!
    Na crônica de ontem o Max infelizmente citou corneta até do Nathan pescador inglês. Até ele que veio do futebol inglês e trouxe toda aquela gana,disposição, raça, aplicação tática e que disputa cada palmo do campo como se fosse um prato de comida,até o Nathan pescador inglês que divide cada bola como se fosse a última. Até ele com todos esses predicados corneta, imagine eu e milhões de atleticanos que amamos o Galo e queremos ver nosso time ganhar?
    Abraços!

  5. Boa tarde Ávila e demais irmãos na fé Atleticana!
    A resenha popular é muito saudável na minha opinião. O que eu acho um saco são os cornetas que mudam de opinião de uma rodada para outra. No domingo, o jogador é craque, na quarta vira perna de pau.
    No mais, aguardando pelos 3 pontos amanhã, o xará do Sul é uma pedrinha no sapato do Galo. Bora chutar essa pedrinha pra longe amanhã!
    Um forte abraço e um ótimo final de semana a todos!
    Galoooo!!!

  6. boa tarde Eduardo e massa. grande texto Eduardo. a cornetagem faz minha parte. vou cornetar e elogiar sempre. queira ou não os verdadeiros atleticanos que aparecem aqui quando o galo ganha. para mim estamos indo muito bem mas não ganhamos nada ainda porque nos últimos anos somos flanelinhas e chacota do Brasil. aliás até hoje não engolir a perda do brasileirão mas fácil de todos tempos do ano passado simplesmente o maior culpado pardal sampaoli e seus afilhados. então cuca e jogadores pés no chão e raça e pela amor de deus cuca tira seus afilhados no time ninguém merece isto. aff.o flamerda esta vendendo um jogador sub 20 npor mais de 50 milhões de reais enquanto o galo tenta doar marrony por 4 milhões de euros acorda diretoria aprende valorizar os jogadores do galo. depois de doar Léo sena e therans. aff.otimo final de semana a todos amigalos. a galo nos deixa sonhar. vá galooo.

  7. Boa tarde, amiGalo Eduardo.
    Algo de muito novo, e bom, está acontecendo com nosso Galo.
    Até que enfim o Galo está melhorando a defesa. Me parece que só “tomou’ 3 gols em julho.
    Sempre desconfiei da capacidade do Galo em ganhar um segundo título importante sem arrumar a defesa. Aliás, sempre disse que jamais ganharia com defesa fraca.
    Por mais de uma vez citei aqui uma frase atribuída a Paul “bear” Bryant. Lendário técnico da NFL.
    A frase em questão é offense wins games, defense wins championships. Ou seja, ataque ganha jogos, defesa ganha campeonatos.
    Entrou uma peça nova na defesa, Nathan Silva, e o Cuca posicionou melhor os jogadores.
    Citando uma frase atribuída ao filósofo hispano-americano, George Santayana que diz: “aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenado a repeti-lo”, podemos dizer que houve uma correção de rumo. Talvez, agora, o Galo irá se lembrar do passado e irá fazer correções no presente para parar de repetir esse passado de “quase ganhamos”.
    Mas, como todo atleticano é um chato, kalil que o diga, ainda não estou de todo satisfeito. Acho que seria importante ter um bom atacante ao lado do Hulk. Sacha e Varga são bons para compor o elenco. Keno é um ególotra que prefere perder um gol a dar passe para um jogador melhor posicionado. Marrony já vai tarde, se é que vai. Aliás, nem deveria ter vindo, etc. E também ter mais um lateral direito. Mas, como isso não vai acontecer, vamos continuar torcendo para que o passado não se repita.
    Saudações alvinegras.

  8. A corneta, nome generico dado pelos avessos do debate do futebol sempre existiu , sempre existirá. O que aumentou foi o patrulhamento de opiniões doite, os donos da verdade. Cornetar, zuar , sem isto não existe futebol. Ontem , num texto aqui , por exemplo , achei o texto do Max , uma corneta sombria e que nada acrescenta. Como dizer isto sem ser grosso e mal educado? E partindo de um dos nossos, atleticano , que tem direito de exibir seu pensar. E temos o sagrado direito de não concordar, divergir. Um texto, pesado, como disse, sombrio e carregado de pinceladas de pessimismo , tentando explicar as não tão boas atuações do time com uma analise psicologica. Aí, à oite, pra me refazer , fui assistir a serie b, fonte inesgotável de alegria e prazer. E me pus a pensar . Se estivessemos naquela situação do ex rival , o que escreveria Max?

  9. Bom día Avila. Bom día todos. Leio e posto aquí no blog. Minhas ideias, em geral, convergem com os argumentos do Barata, do Leonardo e de outros que gostam de futebol bem jogado ( escola do Telê). Quando vejo o Bragantino jogar percebo ali a essencia deste futebol. Quando vejo o Galo do Cuca, fico me questionando sobre esse futebol de nao tomar gol e ” jogar na area”. Os resultados tem Aparecido. SIM. Mas, para quem gosta de um futebol bem jogado, o nosso Galo é uma decepcao. Jogadores como Nascho, Zaracho poderiam produzir muito mais futebol…Triangulacoes no Galo sao raras…Aquí no Blog temos notado a ausencia do AlbertoMTC, Luci, Barros que cada um ao seu estilo defendíam suas opinioes. O Lugalo tambem sumiu. Mas o Thiago Lucio o substituiu com o mesmo pensamento: Só de existir o Galo já o faz feliz. Viva a liberdade de pensamento e de manifestacao das opinioes. Que voltem Alberto MTC, Lucy e Barros, este trío de atleticanos que estao fazendo falta na nossa desenha diaria

    1. Prezado Domingos Sávio e amigalos,

      Fazendo coro com o Domingos pela volta do trio Lucy, Alberto e Barros.
      Finalizando, exigir um futebol bem jogado sempre.

    2. Não vejo essa dicotomia entre futebol arte versus 3 pontos, mas a verdade é que o Atleticano quer os títulos. Futebol bem jogado como 1977, 1980/81, 1987, 1999, 2012 que não renderam titulos, ficam na memória afetiva, não na galeria de troféus. E tem os videos das Copas de 70 e 82 no YouTube para quem quer ver espetáculo…

    3. DOMINGOS SÁVIO ,

      não perco um jogo do Red Bull Bragantino ,
      o Massa Bruta .

      Apesar da derrota para o Fortaleza , que lhe
      tirou a invencibilidade , foi um jogo mais do
      que agradável , para quem gosta de futebol
      pelo futebol .

      Impressionante como o time mantém uma
      mesma postura durante 90 minutos .

      E está sem o Claudinho , pra mim o jogador
      espetáculo , nessa carência que vivemos de
      grandes artistas no futebol brasileiro .

      E no Atlético seguimos com nossas aflições
      no esquema vai-quem -quer , uma criação
      daquele que é considerado um PROFESSOR
      à beira do campo .

      Crendeuspai !!!

  10. Muito bom , senhor ÁVILA !

    Ontem , e em outras oportunidades também ,
    pudemos constatar quanto o futebol deixou o
    campo de jogo e foi para o divã .

    Eu sou radical no combate que travo quando
    me deparo com teses ACADÊMICAS em textos
    e debates sobre a bola rolando .

    Ficaria aqui horas a relacionar o que tem sido
    servido à torcida como um “NOVO OLHAR”
    sobre o futebol , como se estivéssemos diante
    do suprassumo do saber sobre bola rolando .

    E isso é extremamente chato , pedante, serve,
    talvez, para trabalhos escolares .

    Fico com Kafunga .
    Fico com Romário .
    Fico com ÁVILA .
    Fico com Rica Perrone .
    Fico com Reinaldo e seus casos em campo .

    Vou me estender só mais um pouquinho, pois
    me veio à lembrança uma atuação apagada do
    Lôla num primeiro tempo de jogo e , ao sair de
    campo veio o repórter e perguntou :
    – E aí , Lôla , o que acontece ?
    – Tô preocupado com meu CACHORRO .
    Deixei ele doente em casa .

    Ou seja , os analistas de desempenho jamais
    levariam em conta como a doença do animal
    poeria afetar a atuação de seu dono .

    Outro :
    numa bola lançada no melê , outro dia, eis que
    o narrador diz que o lateral jogou no ” ponto
    futuro ” .

    Ele , antes de falar asneira , deveria perguntar
    ao Cerezo e ao Reinaldo o que essa expressão
    realmente significa .

    Citei essas duas passagens apenas para dizer
    que os caras estão criando um linguajar e um
    novo conceito para chamar de seus .

    É PRACABÁ !!!
    Crendeuspai !!!

    1. Boa tarde Massa atleticana!
      Prezado Sr. Barata vou resumir:
      – resguardando as disposições em contrário, pelo sim e pelo não, concordo dou fé e assino embaixo.
      O futebol atual está ficando um pé no saco.
      Saudações alvinegras e que venha o genérico.

  11. Bom dia!!!

    Sábias palavras, Eduardo, ó “Alvinegríssemo” Guru!!!

    Há dias na vida que os acontecimentos nos sacodem com alta tensão, por essa ou por aquela razão.

    E há dias no Atlético, e aqui no Blog, também nessa vibração maluca que nos coloca a todos numa espécie de colisão.

    Será o efeito corneta?

    Decerto que sim!!!

    Tenho cá comigo que isso decorre pelo fato de que a priori não existe um atleticano sequer que concorde um com o outro e graças a Deus que seja assim!!!

    Como você lembrou, Eduardo, citando o genial Nelson Rodrigues, “toda unanimidade é burra”.

    E é por isso que o Atleticano, que pegou essa visão “nelsonrodriguiana”, é uma singularidade e o Atlético singular diante do Universo.

    Nada há no Universo igual ao Atlético. E daí o porquê sejamos tão diferentes de tudo e de todos.

    Não estou dizendo que sejamos os melhores ou que sejamos os piores e tampouco que sejamos iguais.

    Somos apenas diferentes!!!

    E nada melhor na vida do que ser diferente, senão estaríamos, pela igualdade, na vala burra da “unanimidade”.

    A única coisa que nos iguala, pois, como você bem pontuou, Eduardo, é o Atlético e o “vencer, vencer, vencer” o espírito que nos une.

    Aqui a igualdade, proporcionada pelo Atlético, é bem-vinda e uma benção. Igualdade no sentido de que ninguém é melhor que ninguém.

    E como você bem disse, Eduardo, o Canto do Galo “existe para agregar e nunca trazer e/ou promover cizânia entre Atleticanos” e o “respeito” é o caminho para manter o Canto do Galo e o Atlético vivos.

    Que possamos, cada um na sua reflexão, se esforçar para que essa “visão” e “missão” do Blog seja sempre observada por todos.

    É o que farei para abafar o efeito corneta que tende a transformar o atleticano em chato.

    Não somos a torcida mais chata do mundo, segundo o Paradoxo de Kalil?

    E viva o Canto do Galo!!!

    Vida longa ao Canto do Galo!!!

    Parabéns a todos os escribas do Canto do Galo, o Eduardo, o Gallupo, o Max, o Peixoto, o Paulo Silva!!!

    E parabéns a todos os AmiGalos!!!

    Seremos Campeões!!!

    Eu Acredito!!!

  12. Bom dia, Eduardo, atleticanas e atleticanos. Cornetear sim, agredir, não.

    Muito bem posto, meu caro e prezado Guru. mas, o que é cornetear e o que é agredir? Para mim cornetar é o que fazemos diuturnamente com enorme prazer, sem estar ferindo os sentimentos dos demais corneteiros ou entendedores-mor aqui do blog. São apenas dizeres que vagamente remetem às nossas opiniões, que sabemos de antemão não influenciarão e nem ofenderão quem as vir e ler. Cornetar e ficar calado é quase a mesma coisa.

    Agredir é, no meu entendimento, desprezar a inteligência alheia e tentar de forma inescrupulosa impor ideias e pensamentos literalmente afastados da realidade e até mesmo despidos de lógica que possa ser debatida com o uso da razão e algum de sentimento. Não é necessários ofender ou xingar para agredir, basta julgar que escreve para idiotas lerem.

    Acredito que o nobre Guru esteja hoje, mesmo sem uma referência direta se referindo ao artigo e comentários expostos ontem aqui no blog. Pois bem, assim sendo, permito-me dizer que o artigo publicado e oferecido ao debate, desprezou a inteligência dos comentaristas expondo-os a uma série de ilações absurdas, afastadas dos fatos e razões que poderiam sustentá-lo. No dizer de corneteiro, o cara forçou a barra e tentou descaradamente nos impor ideias ridículas. A reação não poderia ser outra. Repúdio quase unânime, não de burros, mas de pessoas afeitas à realidade e importância dos fatos, principalmente os que se referem à atualidade do nosso Atlético, suas divisões, times, dirigentes e treinadores e por extensão, torcedores.

    Sou um simples corneteiro. Entendo pouco de quase nada, mas não omito a minha opinião e nem meus aborrecimentos. Como eu tenho certeza que não ofendi e nem agredi outrem com minhas palavras de repulsa, não preciso me desculpar pelo que escrevi. Mas, se por acaso eu estiver enganado sobre o mote do artigo de hoje, que seja, como sempre é, tornado irrelevante este meu comentário.

    1. Não faço e jamais teria a pretensão. Digo de maneira generalizada. Nosso senso comum é Galo. Isso me basta!
      Num próximo café vou lhe mostrar o arquivo que estou colecionando. Quase todos do mesmo ID. Sujeito que oscila, postou como Atleticano e também como não Atleticano. Isso não é bipolaridade. Tem outro nome.
      Sigamos!!!

    2. Bom dia xará e amigalos!
      A cornetagem não irá acabar nunca! O Galo será o campeão do Brasileirão e teremos cornetagem assim mesmo!
      Excelente abordagem aí do Gurú! Onde é que eu assino????

  13. Boa tarde, Massa e Guru

    Onde há parcialidade há cornetagem e torcer pelo Galo é conviver com a bipolaridade, simples assim. Há tempos atrás, havia aqui neste espaço um frequentador que tinha um medidor de atleticaniedade e sempre sabia quando um atleticano era mais torcedor do que o outro. O problema é que às vezes nos deparamos com os cornetas dos cornetas, aí os exageros acontecem. Mas como vc mesmo diz, somos plurais e assim continuaremos a ser, porém com uma exceção: somos todos Galo!

    # Fica Mozart!!!!!

  14. Prezados Ávila, atleticanas e atleticanos!
    Muito boa a prosa de hoje. Cada qual com a sua razão, respeitando as divergências de opinião. Afinal, somos todos atleticanos e queremos o melhor para o Atlético. A cornetagem faz parte do jogo. Às vezes comentários ácidos provocam animosidade e isto deve ser evitado.
    Vamos nos posicionar sempre com a devida cautela.
    Amanhã haverá jogo e se o resultado ou mesmo o desempenho não nos convencer, vamos criticar.
    Hoje e Sempre, galo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.