Skip to main content
 -
Eduardo de Ávila
Defender, comentar e resenhar sobre a paixão do Atleticano é o desafio proposto. Seria difícil explicar, fosse outro o time de coração do blogueiro. Falar sobre o Clube Atlético Mineiro, sua saga e conquistas, torna-se leve e divertido para quem acompanha o Galo tem mais de meio século. Quem viveu e não se entregou diante de raros momentos de entressafra, tem razões de sobra para comentar sobre a rica e invejável história de mais de cem anos, com o mesmo nome e as mesmas cores. Afinal, Belo Horizonte é Galo! Minas Gerais é Galo! O Brasil, as três Américas e o mundo também se rendem ao Galo.

A eterna gangorra Atleticana

Max Pereira
@pretono46871088
@MaxGuaramax2012

Que se dane o jogo reativo, o que eu quero são os três pontos. Até o melancólico empate diante da Chapecoense essa frase vinha sendo repetida aqui e ali, inclusive em suas postagens por membros da Confraria do Canto do Galo. É que, diante da inegável evolução do time comandado por Cuca e dos últimos resultados positivos, muitos atleticanos, entendiam que o que importa é pontuar, ainda que as atuações não sejam lá muito convincentes.

Também não é pequeno o numero de atleticanos que, não obstante, o time vir ganhando corpo com Cuca e pontuando, ainda se mantinham céticos em relação ao futuro e extremamente críticos em relação à postura que o time vinha adotando a partir do momento em que fazia um gol e assumia a dianteira no placar. Um terceiro grupo de torcedores, talvez não tão numeroso quanto os dois primeiros, entre os quais me coloco, satisfeitos com a inescondível evolução do time e do trabalho de Cuca, não escondiam a sua preocupação em investigar e em dissecar as razões da controversa e preocupante mudança de postura.

A unanimidade é burra, sacou alguém em um passado que já vai distante. E é mesmo. Mas, a diversidade, se conduzida irracional e passionalmente, é mais que burra, é destrutiva. Mas, enfim, o que estava e ainda está por trás dessa mudança de postura que levava o time atleticano a adotar o jogo reativo tão logo fazia um gol e passava a comandar o placar? E o que mudou, se é que mudou, após o irritante e decepcionante empate diante da chapecoense?

Muitos esperam que um time, sabida e reconhecidamente superior ao seu adversário, seja técnica, seja estruturalmente, seja financeiramente, ou que tenha a camisa mais pesada, vá envolver, dominar e vencer fácil e naturalmente o jogo ente ambos. Não, não vai. E, tampouco, não vai conseguir atacar o tempo todo com eficiência e nem fazer o jogo refletir a sua superioridade técnica individual, a sua tradição ou o peso de sua camisa, se não estiver focado, se os seus jogadores estiverem com a cabeça dançada, se o ambiente interno estivar tumultuado, se os desequilíbrios físicos forem significativos, se tática e coletivamente a equipe não funcionar, se mental e emocionalmente o grupo não estiver preparado e bem cuidado, se dentro e fora do campo prevalecerem as escolhas erradas e se o comando for frágil e não conseguir transmitir ao grupo o orgulho de vestir o manto e o ideal de vencer, vencer e vencer.

Jogo após jogo, o Atlético, ganhando, empatando ou perdendo, vem mostrando imensa dificuldade de impor o seu futebol e de fazer um jogo minimamente regular e que inspire confiança em seus torcedores. E por que isso vem acontecendo recorrentemente?

Jogo após jogo o Atlético vem confirmando algumas teses que venho defendo ao longo dos tempos. O empate amargo contra o time do Índio Condá, a derrota doída diante do Leão da praia de Iracema, os erros recorrentes e nada surpreendentes da arbitragem e do VAR quase sempre a desfavor do Galo, a violência crescente dos adversários, em particular em relação ao atacante Hulk, diante da omissão de quem conduz os jogos e deveria coibir, não deixam duvida, até para os mais incrédulos, de que a bola pune, tanto os erros cometidos dentro das quatro linhas, quanto as omissões havidas fora de campo.

Alguém ainda duvida que tudo o que acontece dentro de campo é consequência direta ou reflexo do que ocorre fora dele? Alguém ainda não percebeu que para ganhar um campeonato é preciso vencer o jogo dos bastidores, no qual o Atlético tem sido historicamente goleado? Se algo vai mal dentro de campo, é sinal que fora das quatro linhas não é melhor, é talvez pior.

Ah! Mas os desfalques em razão das convocações, das contusões e agora do novo surto de Covid estão afetando negativamente o desempenho do time e dificultando os ajustes táticos. Verdade verdadeira. E, há bem da justiça, não há como não reconhecer esse fato. Mas, o que muitos não sabem é que se o Atlético não podia contar com 13 de seus jogadores, 4 titulares absolutos, a Chapecoense não tinha à sua disposição 12 de seus atletas, entre os quais cinco titulares. E, ainda assim, foi melhor que o Glorioso durante os 90 minutos em todos os quesitos, disputou um jogo com se fosse uma final de Copa do Mundo, se manteve focada o tempo todo e, ao contrário do Atlético, não deixou transparecer dentro de campo nenhum problema externo.

O mesmo pode se dizer da atuação diante do Fortaleza, quando o time atleticano, sem tantos desfalques assim, literalmente parou de jogar e tomou uma virada inquestionável sob todos os aspectos. É claro que Chapecoense e Fortaleza vieram a Belo horizonte sem obrigação sequer de pontuar, eram francos atiradores e quem tinha a obrigação de fazer os três pontos era o Atlético. Isso conta mas, não era e não é decisivo. Enfim, os desfalques pesam, mas não justificam tudo.

Ah!, diriam outros. Cuca ainda não teve tempo de solidificar sua maneira de jogar e as oscilações são naturais. Um dia o time vai jogar bem, noutro mal. Vai ganhar aqui, empatar lá e perder acolá. Outra verdade verdadeira que, porém, não elimina as preocupações e nem responde a todas as questões que o futebol bipolar do Atlético vem sugerindo.

Ah! O Atlético soube sofrer na vitória contra o Internacional em Porto Alegre, como Cuca e Hulk defenderam em suas coletivas após o jogo e isso é bom, não só porque torna o time mais cascudo e amadurecido, como ressalta o discurso alinhado entre o técnico e os atletas, o que significaria paz no vestiário. Que o time atleticano está ficando mais cascudo é inegável. Que reina paz absoluta no vestiário atleticano infelizmente não é coisa na qual posso apostar todas as minhas fichas. Aliás, em outros escritos já defendi a tese de que Cuca e o Atlético estão sentados em um barril de pólvora. Recentemente, Hulk cortou o pavio e evitou uma explosão que, naquele momento, era eminente e parecia quase inevitável.

Ah! Mas no Atlético tudo tem que ser sofrido. Se não houver sofrimento não é Atlético? Embora seja uma verdade internalizada no sei de grande parte da massa, esse é um sentimento perfidamente internalizado na alma e nos coração atleticanos. E, se isso não for combatido e extirpado definitivamente da vida do clube, o Atlético não vai ganhar nada.

Mas será que esse carma induzido é a raiz desse futebol de toques excessivos para trás e para os lados? Não, claro que não. Aliás, o Atlético não é o único time no mundo que vem jogando assim. O jogo reativo, aliás, está cada vez mais sendo utilizado e é subproduto da evolução do futebol e da vitória do feio sobre o bonito. Cada vez mais tático, físico e mental, o futebol tem sufocado a técnica e a criatividade.

Assim, quando o atleticano evoca esse maldito mantra do sofrimento ele apenas e porcamente justifica a impotência do futebol do time, sem oferecer soluções para potencializa-lo e fazê-lo forte e pujante. Ou seja, oferece uma muleta para quem se torna deficiente por impotência. Se continuar prevalecendo a máxima de que só a existência do Galo é motivo de felicidade não precisamos ganhar nada mesmo. As cobranças inexistirão e não há como com nem ficar incomodado com uma má atuação e, nem tampouco, se indignar com as arbitragens facciosas.

A reação de Keno ao ser substituído, que não só justificou as escolhas erradas que fez enquanto estava em campo e os sinais de destempero que pontilharam a sua atuação, é um forte indicador que o vestiário atleticano continua merecendo muitos cuidados e que o ambiente pode se azedar perigosamente mais uma vez. Aquele Keno visto no banco de reservas após deixar o campo profundamente irritado, conversando consigo mesmo e tentando exorcizar os seus demônios e que após a partida permaneceu ali sentado sozinho, desolado e perdido, é o símbolo vivo do Atlético do sofrimento.

É muito bom ver um futebol bonito, plástico e bem jogado. Mas, se esse jogar gostoso de ver não se traduzir em resultados, ele também se torna uma armadilha e um mal. O pulo do gato é mesclar a beleza com a competitividade. É buscar o equilíbrio e maximizar a regularidade. E buscar sedimentar em campo uma postura que reflita e faça prevalecer um futebol lúcido, coeso e harmônico em torno do objetivo comum a todos que é a conquista dos títulos disputados.

Falei acima e volto a reafirmar que vi evolução no trabalho de Cuca, que vi o time, sob o comando do técnico campeão da Libertadores de 2013 voltar a jogar leve, sorrindo, fluido, vertical e rápido na transição, atacar com volúpia, a defender com robustez e consistência. Mas, diante da Chapecoense, voltei a ver um time amarrado, angustiado, atormentado, impotente para impor o seu jogo e inferior tática e coletivamente ao seu adversário durante toda a partida. Voltei a ver um meio de campo confuso, uma linha de zagueiros batendo cabeça e um ataque sem inspiração e dominado por uma defesa que esbanjou vigor e vontade.

E quais seriam as soluções para que o Atlético saia desse círculo vicioso no qual a irregularidade é a tônica? Como romper esses grilhões e libertar o Atlético dessa gangorra infernal. A resposta é simples: identificar, mensurar e atacar os problemas.

O time atleticano vem se mostrando bastante desgastado e absolutamente desequilibrado física e mentalmente e, em consequência, perigosamente cansado. Contusões, viagens longas e de difícil logística, calendário extremamente ajustado e pesado e as dificuldades naturais da implementação de um novo modelo tático estão na raiz deste desgaste. Embora não tenha nenhuma duvida de que a mudança recorrente de postura, tão logo o time obtém uma vantagem, ainda que mínima no placar, tem muito a ver com esse desgaste, entendo que outros fatores se somam a isso.

As arbitragens ruins, a violência, a recorrência episódica de surtos da Covid e, claro, os sistemas de jogo dos adversários que, ora priorizam a marcação e fecham as suas linhas congestionando a entrada de suas grandes áreas, ora fazem uma marcação alta dificultando a saída de bola do Atlético, se somam aos fatores já mencionados e também são determinantes para potencializar esse desgaste. Para um time claramente debilitado física e mentalmente e irregular como o Atlético se mostra, qualquer problema, por mínimo que seja, pode se agigantar e se transformar em um monstro imbatível.

Para colocar o Atlético no caminho certo dentro de campo é preciso colocá-lo também nos trilhos fora das quatro linhas e forte na guerra dos bastidores.

36 thoughts to “A eterna gangorra Atleticana”

  1. Boa noite amigos do Galo. O elenco do NOSSO GALO é muito bom, a opinião não é só minha, a mídia esportiva vem tecendo elogios aos elenco do NOSSO GALO. Poderia ser melhor? Poderia, sem sombra de dúvidas. Precisamos de um zagueiro de bom nível técnico e de liberar o Allan para procurar outro time. O Cuca tem que se explicar, afinal de contas, o time que jogou contra a Chapé tinha tudo para ganhar o jogo, é muito superior, o empate por si só foi uma vergonha.

  2. Boa tarde a todos!
    Grande MAX!
    Excelente texto!
    Agora ocê parô com a passação de pano sô! Agora ocê tá um bão escrevedor.

    1. Caro Reinaldo, boa noite.

      Você também não precisa passar pano em mim. (Rs, rs, rs)

      E muitíssimo obrigado.

      Saudações atleticanas.

  3. ANDRÉ ,

    seus vastos conhecimentos de futebol devem explicar , com fatos , a inoperância do DENOREX , o Keno, que a última vez que jogou um bom jogo Cabral estava indo de volta pra Portugal .

    O cara foi , sempre , um coadjuvante, com alguns lampejos de bom jogador.

    E sobre o Hulk não houve conversa alguma sobre a posição de 9 que ele ocupa hoje .

    Isto aconteceu de maneira fortuita, por conta da lambança da Comissão na escalação do Vargas/Sasha .

    Como não pode haver a mudança, chamaram o Hulk e ele foi lá cumprir a tarefa .

    Deu certo , peitou o Cuca publicamente , e para o bem do time ninguém teve coragem de mexer com ele .

    Coisa que o Keno não fez por não ter a grandeza do Hulk e não acreditar em seu próprio futebol .

    Esta é a minha opinião em um espaço aberto à diversidade de pensamentos .

  4. Bom dia,

    Realmente na segunda feira vimos uma equipe mexida, mais mentalmente do que fisicamente.
    Uma equipe forma um elenco numeroso exatamente para aguentar o ritmo do calendário, mas o que estamos vendo neste momento é uma equipe que possui uns 14 jogadores em condições de representar, alguns da condição de meramente reservas sendo utilizados como titulares e ainda maratonando jogos quarta e domingo.
    Somos obrigados a ouvir justificativas de que o super Rever foi mal porque jogou no sacrifício, isso é quase o fundo do poço, o Bueno não serve nem neste momento, será que conseguiria ser pior.
    E o Micael que fase hein, na hora que ter oportunidade também fica com covid-19.
    Preferia um sub 20, motivado e 100%.
    Essa forma de jogar, marcar e recuar, pode deixar nossos atacantes preguiçosos e com o objetivo de mais defender e enrolar o tempo do que marcar gols, que é sua função.
    Temos que buscar pontos fora de casa para compensar as perdas em casa, isso demonstra a falta que a presença da torcida esta fazendo.
    Boa quarta feira a todos!

    1. Wellington, ótimo dia

      Eu acho que a frase correta em relação ao Rever é: “ele jogou no sacrifício” a frase correta é um sacrifício ver o Rever jogar.

  5. Olá amigos da bola!

    Um dos grandes problemas que existem no Galo, é nosso presidente e companhia: não entendem de futebol. Pelo menos é o que parece!

    Formam baita elenco e trazem um treineiro ridículo.

    Maior parte da torcida também não conhece do riscado! Ora, ora. Vejamos: quando Hulk tava atuando na posição errada, de ponta direita, não rendendo, parte da torcida, mais treineiro ridículo, queriam desfazer do cara!

    Eu disse neste espaço que Hulk é craque e tava atuando na posição errada!
    O cara joga no meio, solto, vindo de trás, foi assim que se destacou por onde passou, inclusive na Seleção.

    Depois de toda confusão, por causa desse treineiro ridículo que deixava o cara na reserva, após conversas, decidiram colocar o craque no lugar certo, e taí matando a pau.

    Agora fazem a mesma coisa com Keno. Outro craque, um dos melhores atacantes do Brasil.
    O cara é velocista, habilidoso, se destacou por onde passou.
    Joga muita bola…. Mas, fixo, aberto na ponta esquerda. Foi assim que jogou muito por onde passou, inclusive no Galo ano passado com Sampaoli.
    O cara tá jogando mal, por culpa exclusiva do péssimo treineiro que colocou nosso ponta, para ser assistente de lateral. Faz de tudo! Joga na zaga, meio, menos na dele. Ora amigos… Vai render mesmo não.

    Tô vendo torcedores descendo o sarrafo no craque, pedindo sua saída, como fazem com vários bons jogadores mal aproveitados pelos treineiros perebas que passam pelo Galo. Vargas é outro injustiçado.

    Santa inabilidade….. como diria o Robin da dupla Batman e Robin

  6. SASHA – ESSE PSEUDO JOGADOR DEVERIA SER PROIBIDO DE VESTIR A CAMISA DO GALO.
    QUANDO ESSE SUJEITO ENTRA EM CAMPO , O GALO FICA COM UM JOGADOR A MENOS .
    SASHA , NADA PRODUZ , É UM JOGADOR APÁTICO , NULO EM CAMPO , E PARA PIORAR ELE ATRAPALHA OS OUTROS JOGADORES.
    ECHAPORÃ , CALEBE , SAVINHO , OU QUALQUER OUTRO JOGADOR DA BASE , TAMBÉM NADA ACRESCENTA.
    BASE HORROROSA ESSA DO GALO , DEVE SER A PIOR DO BRASIL.
    QUANTO A EVERSON , TUDO JÁ FOI DITO , É UM GOLEIRO FRAQUÍSSIMO.
    COM TODOS ESSES PROBLEMAS , ACHO QUE TEMOS UM TIME FORTE E EM CONDIÇÕES DE DISPUTAR TÍTULOS.
    TEMOS OS DOIS MELHORES JOGADORES EM ATIVIDADE NO BRASIL : NACHO E HULK.
    PARA VOLANTES , TEMOS CINCO NOMES E DAÍ SE TIRA DOIS PARA TITULARES , NA MINHA OPINIÃO , ALLAN E JAIR OU ZARACHO.
    ENTÃO A ESPINHA DORSAL ESTÁ MONTADA.
    PARA O ATAQUE AINDA TEMOS SAVARINO E KENO PRECISA RECUPERAR O SEU FUTEBOL E PARAR DE RECLAMAR.
    NA ZAGA , ALONSO E ARANA SÃO TITULARES ABSOLUTOS.
    É POR AÍ , COM CERTEZA DÁ PARA GANHAR TÍTULOS.
    NÃO É HORA DE DESANIMAR.

    1. CONCORDO PLENAMENTE COM OS JOGADORES MEDIOCRES QUE VEM VESTINDO A CAMISA DO GALO….SASHA…SAVINHO…REVER….GUGA…ZARACHO….ALLAN FRANCO… OS OUTROS TAMBEM MEDIANOS NOS DEIXAM A IMPRESSÃO QUE TEMOS SÓ MEIO TIME CONFIAVEL: NACHO+HULK+SAVARINO+KENO+JAIR+ARANA…E É SÓ …POIS JUNIOR ALONSO…ALLAN…TCHE TCHE…NÃO SÃO DE CONFIANÇA. MAS POR OUTRO LADO TEM MARIANO QUE TEM OS PASSES BEM AFINADOS…MAS É ETERNO RESERVA. O IGOR RABELO É RAZOAVEL. VARGAS NÃO ENQUANDRA….E OUTROS QUE CUSTARAM CARO E NÃO VÃO SE PAGAR.

  7. Bom dia! Acredito que todos nós estamos superdimensionando os bons resultados obtidos e também os ruins. As vitórias não fazem do time Atleticano um “esquadradão imbatível” , por outro lado, as derrotas e os empates em casa, também não implicam em considerar desprezível todo o trabalho efetuado dentro e fora de campo até aqui. De fato os erros devem ser detectados e corrigidos, por quem de direito (dentro e fora de campo (nos bastidores, inclusive.)), porém, eles devem ser considerados em sua verdadeira dimensão, sob pena de pressões injustas e prejudiciais, conforme já testemunhamos ao longo do tempo. As cobranças devem existir e são salutares, pois evitam o conformismo do time e dos seus gestores, porém, com racionalidade, proporcionalidade e imparcialidade, sob pena de se tornarem fomentadoras do caos.

    1. Parabéns Gualter

      Em 10 linhas vc foi muito mais certeiro e coeso, do que tudo que li no texto de hoje. E prova do que vc expôs é a dimensão que tomou a má fase do Keno. Pergunta a qualquer torcedor dos outros 19 times da série A se não o queriam no seu time?
      Precisamos dar apoio porque futebol ele tem, falta-lhe no momento um melhor condicionamento físico e confiança.

  8. BOM DIA EDUARDO , MAX , ATLETICANOS E ATLETICANAS.
    ESSA HISTÓRIA DE KENO SAIR CHUTANDO COPOS E FICAR NO BANCO FAZENDO CENA , REALMENTE NÃO FICA BEM.
    KENO NÃO ESTÁ JOGANDO NADA , CAIU ASSUSTADORAMENTE DE PRODUÇÃO E SE FICOU IRRITADO SÓ PODE SER COM ELE MESMO.
    VAI JOGAR BOLA KENO , PARA DE FICAR FAZENDO CENA , RAPAZ.
    ALLAN É UM JOGADOR MUITO CRITICADO AQUI , MAS A VERDADE É QUE ALLAN TEM QUE SE VIRAR PRATICAMENTE SOZINHO NA MARCAÇÃO DO MEIO CAMPO .
    O TCHÊ TCHÊ PERNINHA , PROTEGIDO DE CUCA , NÃO MARCA NINGUÉM , NÃO ROUBA UMA BOLA E SOBRECARREGA O ALLAN , QUE TEM QUE SE VIRAR , COM A AJUDA DE JAIR.
    INCLUSIVE O TCHÊ TCHÊ PERNINHA PRECISA SER BARRADO E FICAR , ALLAN , JAIR E NACHO NO MEIO CAMPO.
    SAVARINO ESTÁ FAZENDO MUITA FALTA TAMBÉM.
    O FLAMENGO JÁ ADIOU DOIS JOGOS SEUS , PORQUÊ O GALO NÃO FAZ O MESMO???
    ORA , ISSO FAZ PARTE DA GUERRA DOS BASTIDORES.

  9. O mal do Galo se chama: Cuquinha, Rever, Gabriel, Bueno, Allan, Guga, Sasha, Vargas, Mariano. Todos ocupando vagas importantes de profissionais competentes, ao contrário desses citados. Talvez colocar aí o preparador físico, que sabe gritar antes do jogo, mas será que sabe treinar jogador de futebol?

  10. Amigo Max, gosto muito de ler seus textos , e usando de minha franqueza, elogiar e /ou detonar seus escritos. Hoje, ao ler seu texto , vou fazer os dois. Aplaudir quando voce fala da historica e recorrente omissão desta inerte diretoria , que aceita submissa, o rodizio de faltas violentas no nosso principal jogador, Hulk e a atuação desastrosa e tambem recorrente desta maldita arbitragem , sempre a nosso desfavor, sempre nos prejudicando.Brigas após jogos, capitaneadas por este pessimo diretor e pelo nosso idolo EDER ALEIXO , lembram peladas de varzea, é necessario mais que isto. O vagabundo fdp vem aqui, rouba , apronta, não consulta o var, é justificado pela arbitragem de video da emissora maldita, sai relatando em sumula, somos prejudicados e fica tudo por isto mesmo, ou seja, o clube levando ferro. E a diretoria, inerte , assistindo sem se manifestar. Agora, amigo Max, a parte do seu texto que fala em vestiario , vou passar. Tudo pode ser resumido numa frase : futebol mequetrefe , ridiculo , este keno tá de brincadeira , isto é o que vemos, isto é palpavel , perdoe, o resto são abobrinhas , o time recuar, abrir mão de jogar, levar sufoco de chape da vida, de fortaleza da vida, perdoe , não tampe o sol com a peneira, ele vai atravessar. Abraço

    1. Caro Evandro, bom dia.

      Inicialmente, muito obrigado pelas palavras. Da mesma forma que vc e milhões de atleticanos fiquei p. da vida com o time, com o Cuca e com o comando em razão da pífia atuação diante da Chape. Durante o jogo xinguei, esbravejei e desejei que mandassem todo mundo embora.

      Mas, tenho que ser racional. Tapar o sol com a peneira seria tentar desprezar todas as variáveis envolvidas, em particular as questões de vestiário, ao formular as minhas cobranças e minhas críticas.

      Quem já foi piolho de vestiário e conviveu com vários e vários grupos de jogadores sabe da importância de um vestiário sadio e conhece os diversos fatores que o levam a se azedar.

      Um grande abraço e saudações alvinegras.

      1. Amigo Max , concordo sobre o vestiario sadio , sem rachas, sem disputas de egos inflados , etc. Mas, amigo, o que nos passam diariamente,a toda hora, é que o grupo está fechado ,descontraído , focado na busca por titulos , passam a imprensão de um grupo unido. Tanto na tv oficial do clube , como nos outros canais . Volto a perguntar : o pifio futebol é vestiario?

        1. Evandro,

          A sorte do Atlético é que, de fato, o ambiente entre os jogadores é muito bom. Senão a coisa já teria descambado de vez. O vestiário pode se azedar, mesmo tendo um ambiente bom entre os atletas, se houver problemas entre os jogadores e os dirigentes ou se houver problemas entre o treinador ou membros da comissão técnica e os atletas.

          Abraços.

  11. Salve Massa e Guru!

    E aí vem o escriba com uma longa história, conjecturando os problemas internos (vestiário e administração) como se soubesse dos meandros do clube. Depois solta a pérola para a solução dos problemas a“ resposta é simples: identificar, mensurar e atacar os problemas.” Eureka!
    E para terminar a célebre frase do movimento RENOVA GALO “ Para colocar o Atlético no caminho certo dentro de campo é preciso colocá-lo também nos trilhos fora das quatro linhas e forte na guerra dos bastidores. ” Eureka de novo!
    Se a opinião é livre, pra mim o time jogou mal e ponto final. E detalhe teremos outros jogos assim, porque a gangorra não é só do Atlético e sim do futebol atual e desafio a me apontarem um time do Brasil que não vive esta gangorra e pior, há times que não estão tendo os mesmos problemas que estamos vivendo, como o nobre escriba mesmo colocou.
    Então meus caros, fato é que acho que nós torcedores também participamos desta gangorra, pois nosso humor varia de acordo com os resultados das partidas. Simples assim, porque assim sempre foi.

  12. WELLINGTON SOUZA , 22/06 , 20:17

    Sobre o Gigante Réver , o que foi aquilo ?

    Uma sequência de vergonha alheia , que
    começou logo cedo , e me fez lembrar de
    outro momento triste :
    aquele gol do moleque do Flamengo em
    cima do Leonardo Silva .

    Mas é aquela história :
    a grana que recebem faz com que eles se
    lixem para suas próprias imagens .

    E o torcedor que se lasque !

  13. Ah! , “mecenas” , compra lá “no mercado” umas três
    ou quatro peças e entrega pro Mágico de Oz tentar ,
    eu disse tentar , fazer o time jogar .

    Ronaldinho só teve um , não existe outro como ele ,
    então …

    A minha torcida é para que o Hulk pressione cada
    vez mais o MANSO e consiga levar para dentro de
    campo os mais dedicados e comprometidos atletas
    pra levar essa bagaça até o fim , na RAÇA .

    Ou isso , ou já era !
    O resto é discurso , passatempo , narrativa , ensaio
    e delírio .

  14. Bom dia.
    Eis aminha opinião, com o respectivo respeito a pensamentos diferentes:
    1-Cuca não é treinador para o Galo, não tem inteligência tática para sair das situações. O técnico do fortaleza deu um nó no cuca. A única coisa que ele sabe fazer é roer as unhas e beijar a imagem da santa.
    2- Com um goleiro igual a esse everson, não tem time que ganhe nada, ele não oferece a MÍNIMA segurança no gol. Não sabe sair, não sabe repor a bola, não tem reflexo na única coisa que ele engana é no tal “jogo com os pés” mas deixa muito a desejar no jogo com as mãos. O ridículo ritual dele beijando o rosário no início de cada partida também é muito pedante.
    3- Há muito tempo digo que o Keno é um jogador “brucutu” só sabe correr, não tem domínio de bola e principalmente não tem visão de jogo.
    4-Sasha é um imprestável, quando ele entra no jogo o adversário fica automaticamente em superioridade numérica, não dá para entender o motivo de contratar uma tranqueira dessas.
    5-Borrero já deveria ter ido embora, nem que seja preciso pagar rescisão contratual. Com esse cara prejuízo pouco é lucro.
    PS- Esta é a última vez que tento opinar neste blog se desta vez também não for publicada a minha opinião, jamais tentarei novamente.
    Saudações atleticanas.

    1. Sugiro conferir se as mensagens anteriores, a exemplo dessa, tenham sido – de maneira eficaz – encaminhadas. Nenhuma sua, que tenha chegado, caiu no spam. Lá, diariamente, chegam hilárias mensagens de um idiota da série B que têm me divertido.
      Suas, nenhuma.

  15. Dado a eterna discussão sobre a “cornetagem” ,
    sobre o corneta dos cornetas , que não admitem
    que se critique o time quando de pífias atuações,
    deixo o recado do folclórico Túlio Maravilha :
    “ao perdedor , as justificativas :
    ao vencedor , a comemoração “

  16. Bom dia a todos atleticanos ,
    No meu ponto de vista , estamos culpando penaltis que nao foi marcado.
    Gente , precisava do Alan ter feito aquele penalti infantil , para mim ele nao vingou no galo e outros .Então tem que pedir para o CUCA explicar para os jogadores que na area nao e lugar de dar carrinho .
    E vamos galo , to com medo de repetir o passado e querer brigar para disputar libertadores .
    Abraço a todos

  17. Eduardo,

    O jogo me deixou muito desanimado com o Galo.
    Simplesmente, o time não consegue ter uma consistência que nos permita acreditar que irá ganhar jogos, de times de todos os níveis.
    Vamos falar a verdade: o galo perdeu diversos titulos nos pontos corridos por não fazer o dever de casa contra times do Z4.
    Parece que a concentração não é a mesma, ou que a postura do time não é adequada nestes jogos.
    E infelizmente, este ano está na mesma. Por isso, acredito mais na copa libertadores do que em outro titulo este ano.

    A pergunta é: o que falta para o time ser consistente contra todos os adversários, dentro e fora de casa?

    Att.

  18. Bom dia Max, Eduardo e Canto do Galo!!!

    “Dez Problemas Atuais” do Time Atleticano:

    1′ – Efeito Via Expressa: há um buraco na direita defensiva do time. Guga dá muito espaço para a chegada dos adversários de seu lado e o Réver está muito lento nas coberturas, botes, desarmes e corridas. Por isso há um buraco existente naquele setor defensivo direito, justamente na interseção da avenida Guga com o anel viário Réver;

    2′ – Efeito Calça Jeans Molhada: Guga, no apoio na armação pelo meio e/ou apoio ofensivo ao ataque, ajuda muito pouco ou mais atrapalha do que colabora; no apoio pelo meio, volta excessivamente a bola para a defesa ou para o goleiro; se tenta ir a linha de fundo no ponto futuro, nunca consegue um overlapping; se vai cruzar a bola na área do adversário, costuma nascer daí um contra-ataque perigoso em desfavor do Galo; se precisa voltar para recompor, não consegue fazê-lo com agilidade. Guga parece jogar de calça jeans molhada;

    3′ – Efeito Embriaguez ao Volante: a dupla de volantes está sempre uns três segundos atrasada em relação aos adversários que sempre chegam antes na intermediária defensiva atleticana para armar, contra-atacar, chutar, passar, driblar, disparar a gol e se infiltrar na área atleticana sem que a dupla de volantes consiga maior efetividade na contenção. A dupla Allan e Jair, na volância no Atlético, está cambaleante, desnorteada e perdida;

    4′ – Efeito Menino Maluquinho : Allan não tem inteligência emocional e técnica de jogo, seja por ser nervosinho demais e estar sempre na condição de amarelado, seja por ser faltoso em demasia, o que acaba criando perigos ao sistema defensivo do próprio Atlético; nunca, no futebol ou em qualquer esporte, inclusive lutas, um atleta conseguirá desenvolver seu potencial se tiver temperamento esquentado, eis que, ao ser facilmente provocado pelos adversários, tende a perder o foco competitivo por preferir o embate no campo pessoal à disputa desportiva no campo de jogo;

    5′ – Efeito Miséria: a criação ofensiva no Atlético está sofrível e muito intermitente. Não há criação de jogadas ofensivas que foram sumindo depois da saída de Sampaoli. Tanto é que o Hulk, para jogar, precisa voltar constantemente no meio campo para buscar a bola e arrancar de trás rumo ao gol adversário; Hulk está jogando muito mais de ponta de lança do que como centroavante, tudo consequência da miséria do repertório ofensivo do time atleticano que pouco ajuda o Super Herói;

    6′ – Efeito Caranguejo: a estratégia tática equivocada do treinador, de jogar com as linhas baixas, tem criado muito espaço aos adversários para jogar e a gostar do jogo. E basta ao adversário avançar suas linhas para “encaixotar” o Atlético no seu próprio campo defensivo. Isso leva ao time a perder a sua capacidade de sair para frente e produz um efeito contrário, o de levar a equipe a jogar para trás e voltar constantemente a bola no Everson, num jogo muito chato e típico de um caranguejo de chuteiras;

    7′ – Efeito Masoquista: Cuca está muito satisfeito pela equipe que aprendeu a sofrer e pasmem, os jogadores estão adorando essa sofrência; o time acreditou que essa estratégia de “joguinho de 1 a 0” é suficiente para segurar as vitórias e por isso não há mais a necessidade de matar o jogo;

    8′ – Efeito Copinho – as substituições ao longo das partidas nada acrescentam ao jogo atleticano. Nenhuma substituição que o Cuca faz dá certo. Vejam o Sascha, o Marrony, o Nathan, o Calebe, o Savinho, o Borrero e segue relação. A única coisa que tem acontecido nas substituições é o substituído se emputecer, deixar cair o semblante e sair chutando copinhos d’água na beira do gramado. É muito mimimi para tão pouco futebol. Sair chutando o copinho após ser substituído virou mania no Atlético. Ô LÔCO!!!;

    9′ – Efeito Sem Raça: há muita falta de vontade de jogar nesse time. Os caras estão jogando sem vontade, sem alma, sem espírito e sem coração que não está na ponta da chuteira nesse Atlético 2021. Sem raça nenhum time funcionou no Atlético;

    10 – Efeito Conga: como escorregam em campo, no próprio Mineirão, os jogadores mimizentos do Atlético. Essa de molhar em demasia o gramado do Mineirão está numa burrice de dar dó. E para que molhar tanto o gramado do Mineirão? Para deixar a bola mais viva e mais rápida? E precisa disso para jogar futebol reativo, de linhas baixas, para trás? Se for para continuar a molhar o gramado do Mineirão, o melhor será trocar as congas dos caras por chuteiras ou Kichute…

    E para finalizar, duas perguntas:

    Esse time será campeão de alguma coisa no restante da temporada?

    Esse time ao menos passará pelo Bahia na Copa do Brasil?

    EU NÃO ACREDITO!!!

    1. Gostei da lista dos efeitos. Realmente esses efeitos estão sendo grandes defeitos para o CAM. Esse time atual com o pardal cuca não passa confiança de jeito nenhum. Como disse o Barata, se não for na raça e na pujança do Hulk em inflamar os come-e-dorme acho que o Galo não ganha mais nada esse ano.
      Esse time será campeão de alguma coisa no restante da temporada?
      Só se for na base da raça, com Hulk de ‘tecnico’ também.
      Esse time ao menos passará pelo Bahia na Copa do Brasil?
      Não será fácil, mas acho que o Galo tende a ir melhor nos mata-matas do que nos pontos corridos.
      EU NÃO ACREDITO!!!

  19. Bom dia Eduardo, Ricardo e Atleticanos! Perfeito a resenha de hoje, retrata bem as preocupações do torcedor e suas indagações pelo nível de futebol que o Atlético vem apresentando desde o início do brasileirão.
    São muitas as hipóteses para explicar o nível de futebol ruim que o time vem apresentando:
    a) será por deficiência de preparo físico;
    b) será por clima e ambiente ruim entre jogadores e comissão técnica;
    c) será por empáfia;
    d) será por esquemas táticos não produtivos impostos pelo treinador;
    e) será por fatores extra campo.
    Realmente está difícil encontrar uma explicação plausível; mas se o Atlético tem por objetivo conquistar alguma coisa este ano algo precisa ser feito urgentemente para identificar os problemas, as causas do péssimo futebol que vem jogando.
    Ademais, a diretoria do Atlético tem que mostrar que não é uma gestão de bananas e tem que se impor e criticar com veemência a diferença de critérios que esse bando de sopradores de apito que vem adotando nos jogos do time. Como já dizia Hiering: “quem não defende seus direitos, não merece prosperar” (da Obra – A Luta pelo Direito). Saudações Atleticanas.

    1. Afrânio, ótima tarde

      Se fosse uma prova múltipla escolha eu iria inserir a Letra F, todas as opções acima estão corretas.

  20. Não vejo o Atlético com dificuldade de impor o seu jogo. Vejo o Atlético perdendo a maior parte das oportunidades criadas, em momentos de “matar o jogo” e geralmente quando está à frente do placar, por pura incompetência de seus atacantes; Keno, Vargas e Marrony com maior intensidade. E só! Abraços!

    1. Teobaldo, ótima tarde

      Esse realmente é um dos problemas, um outro é a proteção de dois jogadores inúteis com titulares absolutos, Allan e Tche2, que são incapazes de acertar uma passe e fazer a ligação do meio campo ao ataque com a devida qualidade técnica, mas o roedor de unhas quer morrer abraçado neles.

  21. Bom dia Canto do Galo!
    Em relação ao Keno, após algumas boas partidas no campeonato passado, ele passou a ser anulado pelos adversários, que dobravam a marcação nele. Mesmo antes de se lesionar , ele já vinha sendo anulado pelos adversários e até hoje não conseguiu a fórmula para superar essa marcação. Além disso mantém deficiências na finalização e o individualismo, que também é um dos problemas do Galo- chutam de qualquer jeito para o gol e não privilegiam o companheiro melhor posicionado. O Keno já é rodado e deveria estar sendo exemplo para os mais novos, mas parece não ter atingido a maturidade para ser referência, como vem sendo o Nacho e o Hulk. Os erros que ele comete, de finalização e não dar a bola para o companheiro melhor posicionado, não tem nada a ver com esquema do treinador e sim com a sua capacidade técnica e de escolhas individuais a pretérito do time.

    1. Com todo respeito ao MAX e brincadeiras a parte, a eterna gangorra não…

      O nosso CAM é uma eterna montanha russa e daquelas gigantes!!!!!

      Obs.1: CUCA é o nosso treinador do momento, muito bem pago e com um plantel que é um dos 5 melhores do Brasil, portanto, têm que fazer o time dele (reserva ou não) jogar muito mais que isso aí que estamos vendo, fato

      Obs. 2: KENO fazendo birra pós substituição foi ridículo… desde que eu escuto falar de futebol, atacante vive de gols e nisso aí, ele tá devendo e muito!!!!!

  22. Bom dia, Eduardo, Max Pereira, atleticanas e atleticanos. Hoje, MAX PEREIRA, você usou muitas letras para dizer pouca coisa. O certo é que se o Galo continuar jogando essa bolinha mixuruca, eu terei que trocar o meu coração porque com esse aqui eu não vou aguentar.

    Amanhã, lá em Fortaleza será outra parada indigesta e certamente outro mau resultado e nem preciso ficar antecipando o que acontecerá na Vila Belmiro.

    O GALO AINDA ESTÁ VIVO E ATIVO. ATÉ QUANDO, MEU DEUS!

  23. bom dia Eduardo e massa e Max pereira. mas uma vez quando começo acreditar neste peladeiros comandado por cuca pardal não é que nos só decepcione. uma equipe que perde para fortaleza e empata com chapecoense no sufoco não merece ser campeão. Hulk sosinho não resolve o nacho esta com covid é os 2 que carrega o time nas costas. aliás ok está acontecendo com o keno bichado não está jogando nada e quando sai faz cara feia eita jogador barbantinho. até quando vamos ter um time de vencedores de 2013 e 2014 vai esperar mais 100 anos. aff.sobre a cbflixo o galo esta pagando o preço de puxar saco desta corja. repito diretoria levanta da cadeira e traz reforços para ser titulares porque depender de Allan. . Everson. Guga.rever.Gabriel. jair.tchê tchê. sascha. marrony estamos fritos. aliás o galo ja sabe quem vá jogar na copa do Brasil o poderoso Bahia aja sofrimentos .a galo como sempre nos iludindo. aff.vai galooo.

  24. Precisamos de pelo menos um zagueiro, urgente!!! Senão, vai perder tudo q foi feito em relação às contratações! SAN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.