Miserê de 24 pilas por mês: o que estão fazendo com o procurador é sacanagem

Ai, ai… Lá vou eu meter a mão em uma enorme caixa de marimbondos. Mas fazer o quê, né? É da minha natureza

Me dá um aumentinho aí (Foto: Google Images)

O blog chama-se Opinião Sem Medo! não é à toda. Não fujo de polêmica, não rezo pela cartilha da maioria e não dou a mínima para o que vem de baixo — pois como reza o ditado: não me atinge (obviamente que falo das grosserias, e não das críticas construtivas e respeitosas).

O que a imprensa e o grosso da sociedade brasileira têm feito com o tal procurador que reclamou do salário de 24 mil reais é uma baita covardia. Não que o sujeito não mereça, mas há que se relativizar o corrido e, principalmente, a situação. Explico.

Imagine, leitor amigo, você e colegas de trabalho discutindo reajuste de salário, bônus, benefícios etc com seu chefe imediato, antes que o mesmo siga para a negociação final com a diretoria da empresa. O papo é aberto, franco e às claras. Todos dizem o que querem, pois estão entre pares.

Pois bem. Esse é o contexto da fala amalucada do tal procurador. Pior. O sujeito estava visivelmente alterado. A fala rápida, por vezes desconexa, cheia de idas e vindas. Ele próprio confessou que estava sob efeito de dois ansiolíticos, e sabe-se lá por que até o Ronaldinho — o bruxo, do Galo, ou o fenômeno, do Cruzeiro — entrou na dança.

A fortuna que esses caras ganham, entre salários e penduricalhos (que chamou de criatividade!!), é obscena em um país como o Brasil. Não faço juízo de valor sobre merecimento, qualidade e carga de trabalho, pois não sou do ramo para conseguir opinar com propriedade. Me atenho apenas à comparação com o setor privado e pronto.

Reivindicar melhores ganhos não só é legítimo como inerente a qualquer trabalhador do mundo. Mais ainda quando este trabalhador vive no mundo da lua, numa ilha da fantasia como 100% da elite do funcionalismo público nacional. O que o rapaz fazia, de forma tosca e atabalhoada, eu diria, inclusive, extremamente arrogante e de mau gosto, era o que qualquer um de nós estaría fazendo naquela situação, com melhores ou piores modos.

Ele não ofendeu os brasileiros em geral, muito menos os mais pobres, pois sua fala foi para um grupo de iguais. Mas é lógico que divulgar tal diálogo a um país com 12 milhões desempregados, 25 milhões de trabalhadores informais, 65% da população com o nome negativado soa, sim, e bastante, como uma cusparada na fuça. Eis aí a grande sacanagem desta história toda.

De qualquer forma, ainda que eu lamente pelo moço e sua família, tal episódio foi ótimo. É mais uma oportunidade para os bocós, que adoram um Estado gigante e patrimonialista, entenderem que a maior transferência de renda, dos pobres para os ricos, acontece justamente no setor estatal da economia.

Lutem por um Estado mínimo, sem privilégios e com metas rígidas de produtividade, e jamais passarão raiva com servidor público reclamando de 24 pilas por mês (aliás, não são 24 mil reais; são 35 mil reais; 24 mil reais são o salário líquido!!). Até porque, se reclamar, será gentilmente convidado a procurar outro trampo.

Leia mais.

23 comentários em “Miserê de 24 pilas por mês: o que estão fazendo com o procurador é sacanagem

  1. O cara que ganha 24 mil por mês numa empresa privada normalmente é considerado uma pessoa bem sucedida. O cara que ganha 24 por mês no estado é considerado um “marajá” (eita Collor) porque temos em nossa cabeça que o funcionário público não trabalha. Não conheço o cara, mas não vi ninguém perguntando ou esclarecendo se ele é bom de serviço ou não (talvez tenha colocado alguns corruptos na cadeia e mereça realmente o salário).
    Mas o que me tira qualquer esperança é que ninguém parece querer um estado mínimo, antes pelo contrário, a maioria quer é entrar lá e ser um marajá também.
    Como bem diz o carioca.. primeiro eu, depois o samba.

    1. Paulo, concordo contigo principalmente sobre a maioria querer ‘estar lá’ e complemento: (já escrevi o mesmo no blog)
      Pobre quer bolsa família, classe média quer passar em concurso e ricos querem empréstimo do bnds onde nenhum deles quer realmente ser produtivo, querem só estabilidade financeira mas todos descem o pau em funcionários públicos, no governo e fala mal até da condição financeira do ‘cargo’ que gostaria de ter…têm ‘inveja’ e chamam todos de ladrões mas queriam ‘estar lá’.
      Brasileiro é tão pobre que tem certeza que quem ganha 24 mil é rico, a miserê é a mentalidade.
      ps: dados não atualizados do salário mínimo na Suíça: ~20 francos suíços (17,38 euros) por hora ou R$77,86, cerca de 3.480 francos (3.096 euros) por mês ou R$13.870,08 onde 1 euro corresponde a 4,48 reais(em 11-09-19 com queda de 0.63%) ~= salário mínimo suíço corresponde a mais da metade da ‘merreca’ miserê de 24 mil reais!
      Aos nossos olhos (eu me incluo), quem ganha salário mínimo na Suíça é rico! ( é? ) 😕

      1. É isto: maldito o país cuja suposta elite intelectual e social almeja mamar nas tetas do estado, desfrutando de sombra e água fresca.
        É bem verdade que o ambiente macro é hostil, mas ninguém quer verdadeiramente produzir e se realizar, mas apenas encostar e aguardar pela aposentadoria.

        Infelizmente nunca seremos.

      2. Pobre quer bolsa família, classe média quer passar em concurso e ricos querem empréstimo do bnds onde nenhum deles quer realmente ser produtivo… sintetizou perfeitamente o Brasil de hoje. Muitas reclamações e pouquíssimas ações. Uma pena ver o país assim.

  2. Ricardo, discordo do seu post. O procurador em questão não é nem um funcionário público comum. É um brâmane entre as castas, “blindado” por uma interpretação da Constituição que proíbe o governo de cortar o repasse de verba para o seu salário, não importa se para isso outros milhares de funcionários públicos do mesmo estado hipertrofiado tenham que receber seu salário a conta-gotas e se virar para lidar com os credores e as dificuldades, garantido contra perder os penduricalhos do cargo (que nos últimos doze meses mais do que dobraram o seu salário bruto) enquanto os outros sofrem com a falta de dinheiro fechando leitos nos hospitais e vagas nas escolas, e infinitamente distante do fantasma do desemprego e do subemprego que torturam vinte e cinco milhões, pelo menos, dos seus compatriotas. O contexto da sua discussão nada, mas nada tem a ver com o de um de nós “e colegas de trabalho discutindo reajuste de salário, bônus, benefícios etc com seu chefe imediato, antes que o mesmo siga para a negociação final com a diretoria da empresa”. O salário dele não é pago por clientes de uma empresa, o sucesso da qual depende do trabalho dele, é pago por todos nós brasileiros incluindo esses vinte e cinco milhões de desempregados ou mal empregados e os sessenta e tanto milhões que não recebem mais de um salário mínimo e meio por mês. Cada colher de macarrão, de arroz ou, para os mais felizes, de feijão que alimenta uma dessas bocas famintas pagou um pouco (ou muito) de imposto que vai para pagar o salário deste procurador. Então não nos diga que estamos fazendo sacanagem com o coitado. Ele é que está fazendo conosco.

    1. Complementando …… Que ele faça mesmo como na iniciativa privada: não está satisfeito, saia e vá procurar outro emprego. Também lembrando que se eu disser para o meu diretor que meu salário é um “miserê”, nem preciso tomar decisão, ele toma por mim e me enfia um “pé na bunda” porque terão muitos outros lutando por esse “miserê”.

  3. Ah esse estado minimo e uma beleza. Voce chega no Detran as 8 da manha e sai as 4 da tarde porque nao tem funcionario trabalhando, uma beleza, alias essa direita esta uma maravilha com o bozo miliciano, o ricardo salles do partido novo, a damares, o carluxo nossa voces acertaram em cheio

  4. Se há 10 anos atrás, R$ 20 mil de propina foi chamada de merreca pelo Lula, é natural esse tipo de reclamação do servidor público ingrato.
    Deve ter ficado chateado com o valor da propina recebida ser uma merrequinha da merreca do Lula e o preço do prato de lagosta ter subido de R$ 430,00 para mais de R$ 500,00, coitado!

  5. Por que não larga esse emprego miserável e não vai para a iniciativa privada? Certamente, competente como certamente é, sairá desta deplorável situação de penúria!

  6. O Brasil é o 2º país do mundo que paga melhores salários a juizes e promotores. Em países como a Suécia ministros moram em kitnet e andam de bicicleta. Lá teve um caso famoso de um primeira ministra que teve que pedir demissão, pois comprou com o dinheiro público um toblerone! Exatamente isso.

  7. Olá Distinto, chegou o dia. Até que emfim hoje leio um texto no qual aparece a vontade de DIALOGAR e a disposição para o confronto, principalmente de obviedades. Um dia iria acontecer, então depois de alguns anos vejo um texto que se salva. Ufa! Já não era sem tempo.
    Parece que o blogueiro vai mesmo dar o giro no eixo. Avante! (Num é a agremiação política não, viu)

  8. Na verdade, conforme pesquisa do EM, o “miserê” desse senhor nos últimos meses girou em torno de “míseros” R$ 68,000,00. Nos últimos 5 anos, ainda segundo o EM, o burocrata recebeu a “miséria” de R$ 4 milhões.
    O chilique desse senhor reflete bem a distorcida visão que uma minoria de privilegiados tem do papel do Estado, de um estado que cumpre um papel de concentrador de renda: que tira 40% do que todos produzem ( pobres e e ricos) para servir mais a uma minoria abastada. Uma minoria abastada que vive numa bolha paradisíaca envolta num mar de verdeira miséria.
    E essa situação não é de hoje, vem de longe desde as capitanias, desde o Império. Mas foi muito agravada, principalmente nos últimos 15 anos, quando o clePTo-populismo estatista quebrou o País. E quebrou com força, de tal modo que o Estado, mesmo sugando o sangue dos contribuintes, não tem recursos suficientes nem para fazer frente às despesas correntes na manutenção da paquidérmica máquina estatal.
    O desastre clePTo-populista deixou o País num situação em que o que arrecada por ano é 150 bilhões menos do que gasta. E ainda com um dívida pública que beira os 5 trilhões ( e que aumenta em 150 bi só com o déficit anual, sem contar os juros!!!)! Não há recursos para educação, saúde, transporte, saneamento, infraestrutura etc., mas não PARA UMA CLASSE DE PRIVILEGIADOS, QUE POR CONTA DE UMA ABUSIVA AUTONOMIA EM SEUS ORÇAMENTOS, PODEM CONTINUAR A GOZAR DE MILIONÁRIOS SALÁRIOS E APOSENTADORIAS, PENDURICALHOS, MOTORISTAS, CARROS DO ANO, AUXÍLIOS MORADIA/CRECHE/PALETÓ ETC
    PRIVILÉGIOS TÃO ABUSIVOS DE QUE NEM OS SEUS PARES NOS PAÍSES RICOS GOZAM!
    E ele e os demais marajás do Legislativo, do Judiciário, das estatais, do serviço público etc., ACHAM TUDO ISSO UM MISERÊ!!!

  9. Pelo jeito, o Rei do Gogó já montou palanque em frente ao Le Monde.
    Tomara que mande seus comandados do quadrilhão irem para lá armar barracas na calçada em frente da Catedral de Notre-Dame e protestem nas ruas contra o incêndio “irresponsável e criminoso” da gente da elite francesa contra a casa religiosa, botem fogo nos pneus e nos ônibus e ocupem a Torre Eiffel e exijam donativos para suas ongs. Assim, o Macron verá o que é bom para a tosse.

  10. Estava lendo e concordando com várias coisas até quando cheguei aqui “…entenderem que a maior transferência de renda, dos pobres para os ricos, acontece justamente no setor estatal da economia.”.

    Estava indo bem mas tinha que ter dado aquela cagadinha no final!!! aff…..

    Saudações atleticanas!!!!

  11. Ricardo! Isso acontece nas fuças de todos porque a maioria do povo ainda endeusa os políticos, atrás de um favorzinho. Não sabem eles que tudo que acontece na área pública é sustentada pelos calos das mãos dessa massa de povo sofredor. Pagam o luxo e recebem em troca o favor lixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.