Skip to main content
 -
Ricardo Kertzman nasceu em 1967. Um homem inquieto, irrequieto e inundado de sentimentos.

Do the right thing. Do it all the time. Faça a coisa certa. Faça o tempo todo

Do the right thing, do the right thing. Do it all the time, do it all the time (Faça a coisa certa, faça a coisa certa. Faça isso o tempo todo, faça isso o tempo todo). Trecho da canção Divisionary, do grupo americano de rock Ages and Ages

Clipart (Google Images)

Os cinquenta anos trazem muitas coisas boas. Maturidade e equilíbrio, por exemplo. E uma certa sabedoria.

Mas trazem dias tristes também. Além do envelhecimento do próprio corpo, começamos a perder pais e avós numa velocidade difícil de suportar.

Amigos queridos têm experimentado más notícias com frequência estonteante. Nestes momentos, por sofrer ao lado deles, fico mais reflexivo que o normal.

Recentemente — em curtíssimo espaço de tempo — , me deparei com alguns velórios e enterros. Sempre que compareço não deixo de prestar atenção no que ocorre.

Os enlutados, na solidão das próprias dores. Os amigos íntimos, solidários. E uma turba ruidosa, esquecida da liturgia que o momento exige, fofoca, ri e combina almoços.

Anda me chamando especial atenção o número de participantes e a feição geral da turma. É impressionante, mas dá para conhecer o falecido e a vida que levou apenas por estas ocasiões.

Eu não conheci o pai da Laura, mas pela romaria que se formou em torno do seu falecimento, faço ideia do que perdi. Ayrton Senna ganhou um rival em homenagens.

Conheci muito pouco, e socialmente, o pai da Paula. Assim como o do Carlinhos. Menos ainda o do Maurício e do Marcelo. Mas que vida tiveram! Como eu sei? Fui ao enterro deles, ora.

E a mãe do Felippe? Caramba! Quem passasse em frente ao velório imaginaria uma distribuição de vale-presentes. Um “entra e sai” interminável e um clima de amor e gratitude, por quem ela foi, inenarrável. Mal a conheci também. Que idiota eu fui.

Espero viver muito ainda. Não estou fazendo planos de velório ou enterro, toc toc toc. Mas espero, sinceramente, ser tão homenageado como estes que citei. Será sinal de que minha vida fez alguma diferença. De que valeu a pena. Façamos valer!!

Leia também.

Postagens relacionadas

Lula não descansa nem no Natal, e enche o saco da ... Caramba! Nem no dia do Natal essa peste dá sossego? Credo (Foto/reprodução: Google) Os portais de internet noticiam que o meliante Lula, o maior ...
Acidente de helicóptero mata Ricardo Boechat e des... Esposa e seis filhos, dentre os quais duas pobres crianças, conhecerão a mais profunda dor da humanidade Imagem: Google/TV Bandeirantes Não chego...
Um defunto pra chamar de seu Bom, já que é para politizar a morte de alguém, façamos então o jogo sujo e impiedoso da canalhada petista. Lula, Dilma e companhia disputam a morte...
E você? Vai mudar ou vai arriscar? Desconstruir a idealização do final feliz pode ser interessante, já que na realidade da vida, o final feliz é apenas uma exceção. Essa desconstrução, ...

8 comentários em “Do the right thing. Do it all the time. Faça a coisa certa. Faça o tempo todo

  1. Ricardo Kertzman,
    Em poucas palavras você mostrou a importância do momento da despedida, não pelo protagonista principal (naquele momento já esta em outra dimensão), mas pelos seus amigos e familiares. O conforto dos amigos na hora do último adeus de um ente querido, faz valer, diante da morte, como a vida deve ser vivida. Na despedida de meu saudoso Pai (com letra maiúscula mesmo), cada abraço, cada cumprimento, cada piada, faziam mais doces as minhas lagrimas, e, por incrível que pareça, conseguia as vezes até mesmo sorrir. Um grande abraço e espero que o momento de nossas despedidas estejam longes, mas que aprendemos, a cada dia, a viver melhor e construir e solidificar as amizades. Um grande abraço.

  2. Ricardo,
    É o fim de todos nós, cedo ou tarde.
    Tem quem acredite em purgatório.
    Purgatório para mim é aqui na Terra: é aqui que ficará decidido
    se é boa pessoa ou não. É em vida que os erros são acertados
    e os plntios, bons ou ruins, são devidamente colhidos.
    Cada segundo “é precioso.
    Lembrei-me aqui do general Villas Bôas chorando na
    despedida do cargo do exército e abraçado por Bolsonaro.

    Niiso, aprende-se que o que somos homenageados em vida,
    contribui  a deduzir o que seremos na morte.

    Deficientes, por vezes, experimentam o que os cadáveres passam: vê seus entes chorando por eles,
    muito tristes por suas cegueiras, surdez, paralisia e etc.

    Há, infelizmente, alguns que jogam  a vida e a saúde pela janela.
    Exemplo, no caso de Michael Jackson, doze pessoas se
    suicidaram com sua morte.
    Schumacher, achando-se o senhor das leis da física, faz uma
    bobagem
    daquela quando anda de sky.

    A vida precisa continuar sempre seguindo o rumo da sabedoria.
    Usar sabedoria “é amar. asi mesmo e a vida.
    Sem o cérebro vida para, tanto corporal quanto socialmente, tanto com homens, quanto com animais, natureza e, enfim, com Deus.
    Abraços, amigo.

  3. Olá Distinto, neste tema lembrei-me do que dizia Fernando Sabino. Seu ideal de vida era nascer homem e morrer menino. E outro pensamento. Vive bem quem chega ao mundo chorando e cercado por muitos que ri e ao partir saia rindo e deixe muitos chorando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.