A jabuticaba começa a apodrecer no pé

Mais uma das invenções populistas e eleitoreiras do lulopetismo começa a produzir efeitos danosos à sociedade brasileira

Rhuanna Laurent Silva Ribeiro, aluna do primeiro período de medicina na UFMG, na companhia dos pais, Gilberto José da Silva e Silvana Maria Silva Ribeiro (foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press)

Essa linda moça é preta? Definitivamente, não. Ela é “parda” (essa cor de pele inventada pelo Brasil)? Definitivamente, sim. Há diferença entre um preto e um pardo? Para mim, não. Assim como não há para um branco ou um asiático. Humanos são humanos e cor de pele é apenas uma característica física, como altura, cor dos olhos, peso ou ausência de cabelo. Mas, para aqueles que gostam de separar o homem em “raças”, como se fôssemos cachorros ou gatos, há muita diferença. Para os racistas essa moça não é preta e, portanto, não merece estudar numa faculdade pública. Ou melhor, pode até estudar, desde que não se meta na reserva de mercado criada por eles, os racistas.

Rhuanna Laurent Silva Ribeiro é estudante de medicina na UFMG. Foi classificada dentro do famigerado sistema de cotas raciais, algo hediondo a meu ver. Não admito qualquer tipo de preconceito, e isso inclui desprestigiar brancos em desfavor de índios, pretos, pardos ou o escambau. O lulopetismo, como não poderia ser diferente, conseguiu piorar o que já era ruim. Inventou um sistema de cotas de cunho populista, eleitoreiro e produziu uma distorção inédita no mundo e no país. Só faltaram criar um tribunal nazista para arbitrar quem é branco e quem é preto. Como isso não foi possível, deixaram a decisão nas mãos de cada um. O estudante autodeclara-se o que quiser e como bem entender. Uma maravilha, não? Pois é. Rhuanna se declarou parda e entrou na universidade como cotista. Leiam a matéria completa no site do Estado de Minas. Vale a pena.

A UFMG, pressionada por denúncias de abusos, tenta evitar uma “caça às bruxas”, no que faz muito bem. Há relatos de que brancos, loiros e com os olhos azuis se autodeclararam pretos ou pardos. Fizeram mal, eticamente falando, agindo assim? Não há dúvida. Mas tão somente estão exercendo o direito que a lei lhes facultou, qual seja, autodeclararem-se. O Estado brasileiro, perverso em tantas coisas, é também incompetente em querer fazer o bem. A fim de corrigir uma distorção social, meteram os pés pelas mãos e criaram mais uma aberração. Não há pretos, de menos, nas universidades. Há, sim, pobres, de menos. Não importa a cor! E há ricos demais. Sejam brancos ou não. Não se combate desigualdade social diferenciando-se pobre preto de pobre branco. O correto seria reservar vagas para quem não possui condições de bancar os estudos. Daí não haveria polêmica. Uma simples verificação patrimonial dos pais resolveria a questão em segundos e não promoveria este tipo de distorção.

O Brasil é um país predominantemente preto ou pardo. E com nossa miscigenação não poderia ser diferente. O Brasil é igualmente desigual, sócio-economicamente falando. A renda concentra-se nas mãos de poucos, de absoluta maioria branca. Isso deve-se há anos de concentração de poder restrita a uma elite estatal ou estatizante, que vive ou serve-se do Estado. É nessa elite que encontram-se os nossos males, não na divisão da parte pobre da sociedade entre pretos e brancos. Elimine-se os privilégios desta elite estatal e de seus apaniguados e repasse o dinheiro economizado aos mais pobres — a todos eles — independentemente da cor da pele. Isso, sim, seria justiça social.

Reservar espaço em escola pública ou no mercado de trabalho a quem é preto não corrige distorção nenhuma, tampouco combate o preconceito. Ao contrário, estimula a divisão entre os brasileiros, algo que jamais tivemos no país. Há que se destinar — repito! — recursos públicos a quem precisa, não importam a etnia ou a cor da pele. Qualquer sistema que não contemple a todos igualmente, aí, sim, é segregacionista e preconceituoso.

Rhuanna, você é parda, sim, senhora. E tem todo direito a estudar como cotista enquanto esta lei sem pé nem cabeça estiver em vigor. Boa sorte, garota!

Obs 1: Antes que me venham com o eterno blá blá blá sobre eu escrever “preto” em vez de “negro”, recomendo que pesquisem a etimologia da palavra negro, bem como a paleta de cores. Talvez entendam. Ou não. Mas tanto faz.

Obs 2: Pela lógica dos racistas, os pretos não têm acesso às universidades públicas porque pretos. Daí eu pergunto: após formados terão acesso ao mercado de trabalho, já que a cor permanece a mesma, ou só há preconceito na vida acadêmica?

Obs 3: Universidade gratuita deve ser exclusiva para pobres! Esqueçam esta idiotice de cor de pele, pelo amor de Deus!!

Leiam também.

73 comentários em “A jabuticaba começa a apodrecer no pé

    1. Concordo plenamente. Só que esses esquerdopatas que criaram as chamadas cotas não avaliaram que privilegiam, além da cor da pele, as pessoas presumivelmente menos preparadas, o que não me parece justo. Por outro lado, se sua base escolar é insuficiente para concorrer com os mais preparados, naturalmente sairão da universidade também menos capacitados. Assim a reserva fica sendo só mesmo no “mercado” (“universo”) universitário. Na vida prática não terão as mesmas chances e tudo continua como dantes. O que importa mesmo e que os governos não fizeram e não fazem, é oferecer ensino fundamental e secundário de qualidade, como antigamente. No meu tempo a escola pública (ginasial/secundário) era disputadíssima.

    2. Concordo plenamente, sempre falo que todos são seres humanos e não é a tonalidade da pele que define diferenças. O problema é ser pobre, não importa a tonalidade da pele. Investir na educação básica (fundamental principalmente) ninguém quer. Toda vez que se fala em reforma do ensino se fala sempre em ensino médio e superior, não acho possível que ninguém veja isto, pelo menos alguns professores deveriam enxergar este “pequeno” detalhe, mas grande parte destes ditos “professores” que defendem a divisão do povo em classes, cores, etc, está nas universidade, daí o interesse pessoal naquele regimezinho fracassado, o tal de socialismo / “comunismo”. Tenho dó de um carinha que nasce loiro, é bonito, tem grana e é heterossexual, este é o maior bandido da história, mas pelo menos é um bandido com grana. Se ele for pobre então, tá “lascado”.

      1. Não importa a tonalidade da pele? Era só o que faltava… que mundo vc vive? Vá nas cadeias..nas favelas etc… e vamos ver se a cor da pele nao importa.. que a divisao ta sendo criada..e que ela não existe.. kkk

  1. Ricardo, você está ficando hilário, assim como perdeu o foco na questão dos funcionários públicos, parece-me, quando digo parece-me, refiro única e exclusividade à minha percepção do todo. Entregar gestão de Estado a pobre é simplesmente ridículo, o pt assumiu o país e o quebrou, não eram os pobres, os salvadores dos párias, os ideólogos dos direitos, os construtores das cotas? Pois é Ricardo, miséria e pobreza sempre fizeram parte da história, crime só surge quando há dinheiro. Veja o Sudão do Sul, veja os países da África quando conquistaram a independência. Ricardo você tem conhecimento e perder-se no discurso é refutar quem te admira. Declarar-se preto, concordo com você: a cor é preta, não é previlégio de oriundos da África. Em relação aos povos do norte, a quase totalidade da população brasileira é preta. Cota é a proteção da incapacidade concorrencial por parte do Estado, vestibular é uma forma de licitação e como tal tem que ser universal. Boa tarde.

    1. Putz, gostei de 2 frases:
      ““Cota é uma reserva de mercado criada por racistas”
      e
      “Cota é a proteção da incapacidade concorrencial por parte do Estado, vestibular é uma forma de licitação e como tal tem que ser universal”

      acrescento algumas definições de ‘cota’ :
      1-Medida de capacidade para cereais. (petista vegeta, cabe a definição)
      2-distância entre um ponto do espaço e o plano horizontal de projeção(pro infinito e além igual a labirintite da mentalidade petista movida a pinga 51)
      3-remate a jeito de cabeça, grosso e rombo de um instrumento ou utensílio longo(instrumento usado pelo pt que fez buracos deixados por governos petistas)
      4-Parte que toca a cada uma das pessoas que devem pagar ou receber uma quantia(eu sei, pagamos para que alguns tenham cotas e também pagamos faculdades particulares para nossos filhos branquelos)
      5-(Geometria) diferença de nível entre qualquer ponto e aquele que se toma para referência. (preocupados com questões de forma, branco é referência para pardos e há diferença de nível? )
      6- parcela com que cada pessoa contribui para determinado fim(sim, o pt contribuiu pra esta merda e nossa parte é mostrar que cota está errado para por um fim nesta burrice)
      7- Quantidade(é mesmo, o lulopetismo gerou um monte de porcarias, inclusive essas cotas)

  2. Existe diferença entre preto(oops…tem que escrever negro, né? ) e branco sim,
    o lulopetismo ‘inventou’ mais essa:

    O branco não tem cotas !!!

    Minha neta loura e branquela entrou na faculdade(paga) por competência!
    Tenho um filho mais novo que a neta e é branquelo igual porcelana e vai entrar ano que vem na faculdade por competência também!

    vich,…será que escrever ‘banquela’ e ‘igual a porcelana’ dá ‘pobrema’?
    É racismo ou vou ter que chama-los de ‘pardos europeus desbotados’?

    1. Nem sempre competência se compara a oportunidade. Conheço pessoas que estudam dia e noite e sonham em cursar medicina. Mas tem que ser em faculdade publica porque não tem condições de pagar uma faculdade particular. São brancos, mas pobres, estudaram a vida toda em escola publica. Escola que não capacita ninguém pra nada. Estudam por conta própria, sozinhos, e vão concorrer com ricos que estudaram nas melhores escolas particulares. E vão concorrer igualmente, isso é justo? Ou o pobre não pode sonhar é ser médico?

  3. Dizer que na sociedade brasileira nunca houve divisão, francamente senhor blogueiro.
    A sociedade brasileira passou por quase quatrocentos anos de escravidão, tendo de um lado uma maioria de escravos e de outra uma elite que os tinha como coisa, patrimônio.
    Depois, mais de cem anos forte divisão de classe com uma elite corrupta e patrimonialista de um lado e do outro uma maioria de negros, brancos, pardos, todos pobres comendo o pão que o diabo amassou. E, não temos divisão.
    Ah. Então tá, foi o Lula que criou a divisão.

    1. vc é burro ou oque ein? 400 anos de escravidão, em que livro de história vc viu isso? e vc é tão burro que não sabe ler o que o jornalista escreveu, pois é isso mesmo que ele diz, que a divisão é entre uma elite dominante e os pobres, independente da cor. vá aprender a ler, seu petista enrrustido!!!

  4. Essa lei é discriminatória. Todos deveríamos ter acesso igualitário porém, em nosso país isso é utopia. É mais fácil criar uma lei assim que garantir esse direito a todos. Certa vez, trabalhei com um rapaz angolano que era louro de olhos azuis e quando saiu essa lei ele brincou: então bastará eu dizer que sou afro descendente para ter acesso a quotas em faculdade!!

  5. Independente de esquerda ou direita – de pobre ou rico – baixo ou alto – magro ou gordo. Todos ai que são contra a divisão de cotas – estudaram em escola pública. São filhos e é negro. Se você é assim – você me entende – o governo custa a tentar equilibrar essa balança… e agora essa menina diz que é parda… Espera ai.. depois nós dizemos que corrupção é só na politica…

  6. Muito bom esse texto. Cota é solução pra quem tem preguiça de pensar, pra quem não tem competência para dar soluções mais inteligentes para a tal desigualdade. Ao meu ver é necessário dar direito e igualdade a todos no início da vida estudantil e não, na faculdade. Se tivermos boas escolas primárias para todos, daí pra frente o sucesso virá pra quem tiver dedicação e esforço, independentemente de raça, cor, religião, cidade em que nasceu …. Cota é estimular a guerra do eles contra o nós.

  7. Antes de escrever um texto para o público ( a maioria ignorante…), você deveria ser mais aplicado e estudar com mais profundidade o tema para não falar besteira.

    O sistema de cotas raciais foi criado inicialmente nos Estados Unidos, nos anos 1960, com o intuito de diminuir e amenizar as desigualdades sociais e econômicas entre negros e brancos. Hoje em dia, a reserva de vagas é considerada ilegal nesse país, mas, ainda assim, há universidades americanas que utilizam amplamente as ações afirmativas na seleção de seus estudantes.

    No Brasil, uma primeira experiência de cotas, foi através da “Lei do Boi” (Lei nº 5.465, de 3 de Julho de 1968), onde os estabelecimentos de ensino médio agrícola e as escolas superiores de agricultura e veterinária, mantidos pela União, reservavam 50% (cinquenta por cento) de suas vagas a candidatos agricultores ou filhos destes, proprietários ou não de terras, e que residissem na zona rural e 30% (trinta por cento) a agricultores ou filhos destes, proprietários ou não de terras, que residissem em cidades ou vilas que não possuam estabelecimentos de ensino médio. Esta lei foi revogada em 1985, portanto, 17 anos após a sua criação, por que atendia apenas aos filhos da elite rural (fazendeiros).

    Em um pais que todos queremos acabar com a CORRUPÇÃO, a questão primordial é não apenas discutir a importância da inclusão social (as cotas servem um pouco para isso), porém, o “jeitinho brasileiro” de burlar o Sistema. As políticas públicas tem de serem corrigidas e aprimoradas!!!

    Leiam a folha de São Paulo e vejam a farra que está acontecendo na UFMG (http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/09/1921835-aluno-branco-que-usava-cota-para-negros-na-ufmg-vai-desistir-de-curso.shtml)

    1. Os ignorantes, aqui, perguntam ao sábio, aí: você leu o post? Se leu, entendeu alguma coisa? O link da FSP está comentado no texto, mas acho que é muita informação para uma cabeça tão iluminada assim

  8. Como o Diário dos Associados concede espaço para uma pessoal tão ignorante assim falar?! Cheia de certezas, mas pouca informação e conhecimento…
    Usar um termo como “Tribunal Nazista” quando quer dizer “segregacionista” é um dos exemplos.

    Você falou que só falta criar um “tribunal nazista para arbitrar quem é branco e quem é preto”, mas você no início do texto começa fazendo o que condena: arbitrando se a estudante é branca, negra ou parda.
     
    “Não há pretos, de menos, nas universidades.”

    De acordo com dados do MEC, em 1997 o percentual de jovens pretos, entre 18 e 24 anos, que cursavam ou haviam concluído o ensino superior era de 1,8%; o de pardos, 2,2%. 

    Em 2015, 11 anos após implantação das políticas de cotas nas universidades públicas, 12,8% dos negros na mesma faixa etária estão matriculados no ensino superior. A pesquisa foi feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Comparado com os brancos, no entanto, o número equivale a menos da metade dos jovens brancos com a mesma oportunidade, que eram 26,5% em 2015 e 17,8% em 2005.

    “Há, sim, pobres, de menos. Não importa a cor! E há ricos demais. Sejam brancos ou não.”

    Em 2015, o número de negros entre os mais ricos do país eram de 17,8%. A população branca ainda era/é maioria : oito em cada dez eram brancos  (entre o 1% mais rico da população). Sendo que segundo pesquisa do IBGE no mesmo ano revela que 54% da população brasileira era negra, ou seja, a maioria.
    Entre os mais pobres, por outro lado, três em cada quatro são pessoas negras, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Você fala de como se fosse injustiça social as cotas para negros que vêm de ensino médio em escola pública como se não houvesse a mesma ferramenta para brancos pobres, mas há na faculdade 4 modalidades de cotas:

    1: Ensino Médio em escola pública não declarados pretos, pardos e indígenas com renda familiar bruta per capita acima de 1,5 salário mínimo
    2: Ensino Médio em escola pública  declarados pretos, pardos e indígenas com renda familiar bruta per capita acima de 1,5 salário mínimo
    3: Ensino Médio em escola pública não declarados pretos, pardos e indígenas com renda familiar bruta per capita abaixo de 1,5 salário mínimo
    4: Ensino Médio em escola pública  declarados pretos, pardos e indígenas com renda familiar bruta per capita abaixo de 1,5 salário mínimo

    Não há como olhar para os nossos problemas sociais e econômicos sem olhar para as questões e discrepâncias raciais em evidência como você pontuou.

    Quanto à sua observação de número 2, você precisa estudar mais das razões reais da criação de política de cotas se o que você pensa é o que você escreveu. Coloco aqui na postagem um link de uma matéria produzida pelo Laboratório de Políticas Públicas da UERJ com “10 mitos sobre as cotas”.

    Coloco-me à disposição para debater mais sobre tais assuntos caso ainda tenha mais pontuações e críticas à temática. Sou formado em Relações Econômicas Internacionais, mas faço mestrado em Ciências Políticas, então tenho uma vasta bibliografia para indicar caso seja de seu interesse.

    Segue abaixo links onde você pode confirmar os números aqui citados:

     https://www.ufmg.br/inclusaosocial/?p=53

     https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/12/04/negros-representam-54-da-populacao-do-pais-mas-sao-so-17-dos-mais-ricos.amp.htm

     http://agenciabrasil.ebc.com.br/amphtml/geral/noticia/2016-12/ibge-negros-sao-17-dos-mais-ricos-e-tres-quartos-da-populacao-mais-pobre

     https://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/percentual-de-negros-nas-universidades-dobra-em-10-anos/

     http://www.brasil.gov.br/educacao/2015/11/cotas-elevam-presenca-de-negros-nas-universidades-federais

    1. Mais um que se acha superior ao ignorante aqui. Pegue sua formação acadêmica, seu mestrado e seus dados sem pé nem cabeça e volte para o banco escolar ginasial. Tá te faltando de tudo um pouco; sobretudo lógicas elementar.

      E eu sou o ignorante aqui…. Putz!

      1. Pior ignorante é aquele que não quer se informar, ao que parece o sr Ronaldo só quer debater o assunto com o blogueiro, que para variar só vomita infotmação sem dar espaço ao debate e para variar é grosso e mal educado. Mais conteúdo senhor blogueiro, esse seu discurso de Boteco está cada vez mais sem dados e arreigados de preconceito.

        1. então procure outro blog que esteja à sua altura e se mande daqui. Do contrário, coma meu vômito com o devido prazer que lhe causa. Que tal?

      2. vc não suportou os argumentos dele, dai a melhor e única opção é tentar desqualificá-los. reação típica de quem se acha dono da verdade. Sua análise simplória, egoísta e inconsistente vai de encontro a alguns leitores rasos que se tem aos montes por aqui.

  9. Prezados,
    Eu trabalho na UFMG. Quando eu cursei a pós-graduação, já havíamos debatido este tema. Eu concordo plenamente com a sua opinião. No Brasil, não há como diferenciar negros, pardos, brancos etc.. Pois a maioria tem origens mestiças ou seja um percentual muito pequeno tem a raça pura. Quanto a cor da pele, cada um tem e isto não significa nada, apenas serve para discursos eleitoreiros. Aliás, depois que o Governo inventou este sistema de separação, percebemos um aumento de casos racistas no país. O correto é justamente não separar ninguém, pela cor da pele e tratar todos igualmente. Quem não viu o filme ” Invictus” que se baseia na História do Presidente Mandela com a seleção de rúgbi é sensacional e aborda justamente essa igualdade das pessoas, seja elas brancas ou negras, vale a pena assistir. O que temos no Brasil é justamente a disparidade entre as condições econômicas e sociais e uma Universidade Pública deveria priorizar ter alunos que não tem condições financeiras. Você Ricardo falou tudo e mais um pouco. Parabéns!!!!!

  10. E o Antônio Palocci, hein?
    Começou a questionar o homem mais honesto do mundo.
    Será que alguém vai desmenti-lo?
    Vamos ver os próximos capítulos.

  11. Cara, você não percebe o quanto de racismo tem no seu discurso. Por trás desse pretenso ideologismo igualitário, há um “que se danem os que não tiverem a pele clara; que se danem se perdem a vaga no emprego porque não são brancos (pior ainda: de ‘boa aparência’); que se danem porque foram e são excluídos das vagas escolares e dos melhores cursos universitários”. Esse tipo de pensamento e que faz perpetuar esse racismo dissimulado. Bah!

    1. Primeiro, “cara” são os da sua turma! Segundo, se burrice matasse, você já estaria na 12a encarnação. Aprenda a ler, a interpretar um texto e depois pense 200 vezes antes de acusar alguém de racismo

      1. Taí. Acertado em cheio. O nervosismo implícito na resposta, a raiva klukluxklaniana irascível presente no seu subconsciente e, não é culpa sua, reflete o seu racismo interior enraizado pela sociedade e que pouco a pouco sem que se dê conta aparece num comentário, e resposta a ele, qualquer.

  12. Muito legal o texto,a verdade é isso aí.Ricardo,gostei muito do texto passado a respeito dos
    governantes virarem o rosto para não enxergar o problema quando começa.É uma puta irresponsabilidade e descaso dessas caricaturas amadoras de governantes deste país.Sei que todos gostariam de ver o Brasil no primeiro mundo,mas isto é impossível enquanto existir favelas.Mesmo que a economia melhore muito ,simplesmente não será aceito no mundo evoluido.Se possível,gostaria que vc insistisse nesse assunto,keep up the good and noble work going strong.

  13. Companheiros! A culpa é toda da Marisa e do Paloffi. Tenho como prova, um recibo de pagamento de aluguel de 31 de fevereiro de 2014, que foi um ano Tri-sexto.

  14. Se houvesse uma boa base escolar para pobre,branco,azul ,amarelo,rico não precisaria de cotas e seria por mérito. Não concordo quando fala da desigualdade social que sempre haverá pois pessoas escolhem o querem ser.O que faz a diferença em uma sociedade democrática é a mesma chance de vencer por seus méritos e estes só acontecem com uma educação de qualidade que agora no Brasil ficou no lixo

  15. Estimula a divisão entre os brasileiros, algo que jamais tivemos no país? lulofobia!!
    Atualmente é que as leis estão conscientizando os brasileiros acerca de não discriminar negros, não prender animais em cativeiros, não domar cavalos, cães com chicotes muito menos humanos… Porém após a invenção da internet onde os espectadores assistirem profissionais do sx em vídeos e aprenderam todas as tipos de orgias e não só os homens que sempre tiveram a liberdade total mas também as mulheres incluindo adolescentes e até crianças desestabilizaram as leis da família. Isso está parecendo normal e os pais perderam as rédeas da educação dos filhos e foram atrás das ninfetas. A família caiu em pedaços e toda estrutura da sociedade, a honestidade, as virtudes foram deixadas de lado e essa bomba H explodiu e expandiu-se sobre toda a moral e ética.

  16. O PT inventou as cotas para que os burros, jumentos, cavalos e antas, que são pardos possam entrar na universidade e tudo isso porque o Lula e a Dilma nunca puderam entrar.

  17. Transcrição da Revista Veja de 23/08/2017, cuja matéria se intitulou Cotas? Melhor tê-las. “Pois, passados quinze anos do em­purrão inicial e cinco da obrigatoriedade por lei, as previsões catastróficas não se confirmaram, e o balanço é mais positivo do que se imaginava — a ponto de a Universidade de São Paulo, a mais prestigiada do país, que nem federal é, ter anunciado há pouco que implantará as cotas. O vestibular deste ano da USP, cujas inscrições começam agora no dia 21 de agosto, já será baseado no sistema de cotas. Na carência sistemática de ­dados do Brasil, não há estudo de abrangência nacional sobre o resultado das cotas, mas há pesquisas sobre algumas questões cruciais. VEJA examinou uma dezena delas — e as conclusões são animadoras. ” De novo, extraído da Revista Veja. Estou deveras preocupado com a cizânia que este este sentimento anti-PT, míope vem despertando nas pessoas.

  18. Muito bom texto.Racimo puro.Deveria ter cotas p/ oriundos de escolas públicas carente,pois,escolas particulares desde o primeiro ano os alunos são preparados exclusivamente p/ o enem,enqto escola pública não,antes matricula ter questionário socio economico,independente da cor da pele,seria mais justo.Um dos meus filhos estudou UFMG(moc),ele é pardo,apesar de se declarar pardo nao optou por cotas,estudou em escola pública,mas teve frequentar um cursinho (01 mes)p/ a segunda etapa que era questões abertas,formou sem precisar fazer uma prova final e sem precisar cotas,e não somos ricos,sou dona de casa meu marido comerciário aposentado,basta ter vontade e incentivo da familia,esse negocio de cotas,sei não,acho que só atrapalha,os outros 2 filhos tambem são formados sem reserva de cotas exercem a profissão,por competencia e determinação.

  19. Concordo com o sistema de cotas, de outra maneira os negros não entrariam numa faculdade federal. Mas o que eu não entendo é que há outros requisitos, ou seja, tem que ter estudado em escola pública e baixíssima renda…será que uma filha de advogado e funcionária pública preenche essas condições?????

  20. Brasil era um dos poucos países do mundo que mandava diplomata branco pra África…mesmo sendo o país com mais pessoas negras fora da África.. EXPLIQUE ISSO PRA MIM…sem justificar que a questão racial define.oportunidades…

  21. Melhorar a educação e dar oportunidade iguais para todos dá muito trabalho e o resultado demora a aparecer. Governo populista quer saber é de voto na próxima eleição. É preferível dar o peixe do que ensinar as pessoas a pescar. Se aprenderem elas ficam independentes.

  22. Pode não ser o mais justo este tipo de cotas. Mas aqui no nosso Brasil, o preconceito limita e sempre limitou as classes menos favorecidas. Os negros já nascem estigmatizados. Têm sempre muitas barreiras a mais para conseguir as mesmas coisas que os brancos. Quem negar isso é doido.
    A pessoa negra já nasce em uma família que sofreu por várias gerações, as dificuldades que a vida preconceituosa lhe impõe. O sistema de cotas devolve uma insignificante parte de tudo aquilo que lhes é tirado. Para as pessoas que conseguem e entram pelo sistema de cotas, é de grande ajuda. Fico feliz em vê-los conseguir ter algum tipo de cota, pois todas as outras cotas e preferências de ascensão na vida, são inatas dos brancos. De uma forma calada, sutil e também violenta, as cotas sociais são para os brancos. Pelo menos cotas para estudar, eles conseguiram. Repetindo que não acho que vai resolver-lhes a situação. Mas pelo menos ajuda um pouco, e abre o olho da sociedade para um diálogo sobre as cotas dos brancos, e dos pretos.

  23. Passaram uma procuração para você? Outra, a raça é negra, não existe raça preta. Não é cor. Está sendo burlado sim, o sistema de cotas. Um dos que burlaram já se desmatriculou. Os outros, antes de criticarem os políticos corruptos, deveriam fazer o mesmo. Quanto o resto que escreveu, como sempre bobagens. Os governantes no Brasil tem o hábito de tapar buracos para “resolver” problemas eternos. Não é PT não. Ainda não enxergou que são todos. E que todos são brasileiros. Não são marcianos!

  24. Nossa. Que texto escrito de maneira agressiva, até as respostas do blogueiro para quem não concorda com ele são agressivas. Que é isso, keep calm, pelo que li o nome é opinião sem medo, não sem respeito.

  25. ” so faltaram criar um tribunal nazista para arbitrar quem é branco e quem é preto.”

    isso eh o que o governo vai fazer impondo o controle sobre a autodeclaracao!

  26. A imbecilidade humana não tem limite. Essa famigerada cota pra negros em universidades, concursos e outros certames que possam existir, nada mais é do que oficialização do racismo, como quem diz: “coitado ele é preto, não consegue passar em nada, vamos da uma ajudinha ao coitado”, essa é a idéia dessas cotas, agora o queridissimo salve, salve deputado Jean Wyllis, quer criar cotas pros homossexuais. Acredito eu que em muito pouco tempo, se vc não for, negro, viado, deficiente ou seja lá o que for, vc não poderá sequer ser chamado de ser humano, a separação está tão exacerbada, que já existem pessoas se agredindo nas ruas de Brasília por causa do tipo de cabelo que o outro usa, a outra imbecilidade chamada apoderamento. Hoje vc tem dia de tudo que se possa imagina, dia do indio, dia da consciência negra, dia do gay etc..
    Será que algum dia teremos o dia da CONSCIÊNCIA HUMANA?

  27. ” so faltaram criar um tribunal nazista para arbitrar quem é branco e quem é preto.”

    isso eh o que o governo imoral que temos hoje no planalto vai fazer impondo o controle sobre a autodeclaracao!

  28. Há sim muitos problemas nesta história de cotas para negros. O ideal é que não existisse discriminação alguma e nem defasagem no ensino que afetou muito os negros historicamente falando (aquele assunto que já ficou cansativo mas que não deve ser esquecido). Gestões anteriores do governo, ao criarem esta “casta” nas universidades promoveram o racismo, mas ao mesmo tempo tentaram amenizar a defasagem histórica imposta a pessoas tidas como de cor. Não há impedimento na lei para que pessoas brancas se alto declarem pardas ou negras, o que vale neste caso é a honestidade do cidadão, que só aparece para corrigir o erro cometido “por engano” depois de descoberto, como foi o caso do aluno branco entrevistado por outro jornal que informou a cor negra sei lá por qual motivo. Espero que as distorções no ensino sejam corrigidas de alguma forma, ainda mais em um país em que infelizmente saúde e educação são usadas para dar lucro.

  29. Negro conhecido e bem sucedido: Joaquim Barbosa. Será que os filhos/netos do mesmo têm direito às quotas? E o loirinho de olhos verdes, filho de pai desconhecido, de mãe alcoólatra, pobrinho e subnutrido da favela, tem ou não direito? Acho que as quotas deveriam existir sim e terem por base a condição sócio-econômica da família. Pobre tem o direito à quota e depois que se formar (os ricos também) vão pagar a faculdade que o estado ofertou, pois nenhum deles dará uma receitinha ou uma consultoria de graça.
    Minha filha estudou a vida toda em escola particular, enfrentou um vestibular na federal e não passou (o percentual de aprovação destinado à ela pesou muito), hoje pago seu curso.

  30. É revoltante ver pessoas tomarem certas posturas. Que pais são estes , que exemplos estão passando para esta filha. Minha filha tentou Medicina na Federal quatro vezes, nunca me passou pela cabeça comprar uma vaga ou mudar a cor, porque os valores para mim sempre foram mais importantes: índole, integridade e ética. E como sofremos, minha filha praticamente fechava as provas e não passava. Sempre fui contra as cotas, são revoltantes. Investimos nos nossos quatro filhos, praticamente os nossos salários, deixamos de fazer varias coisas, lazer, reformas na casa. Todos estudaram em escola particular , outro agravante para ter acesso a faculdade. Eu Pedagoga e o meu marido eletrotécnico. Como os outros passaram em Federais: um Engenheiro da Computação, hoje numa Multi Nacional e outro Ciências da Computação no momento fazendo Doutorado na UFMG e a mais nova se preparando para o vestibular. Com a aposentadoria do meu marido e nossos salários e na esperança de conseguir o FIES, que demorou a vir, fomos pagando Medicina para minha filha, que formou este ano. Nas quatro Faculdades Particulares, que ela fez, passou nos primeiros lugares. Fiz a inscrição sem ela saber, pq ela não queria , pq sabia das nossas condições e o valor altíssimo do curso de Medicina. Mas vencemos, não passamos por cima de ninguém e sempre achei que em Federais tem este jeitinho e vendas de vagas, pq minha filha estava bem preparada e fechava praticamente as provas e não passava. Me revolta ver uma postura dessa, porque vivi esta situação, sei o qto um aluno tem que estudar , dedicação total aos estudos e vem outros querendo uma vaga por meios ilícitos .Não sei como alguém que faz isto, possa dormir tranquilo, nada melhor que a consciência tranquila e vencer pelos próprios méritos.

  31. É revoltante ver pessoas tomarem certas posturas. Que pais são estes , que exemplos estão passando para esta filha. Minha filha tentou Medicina na Federal quatro vezes, nunca me passou pela cabeça comprar uma vaga ou mudar a cor, porque os valores para mim sempre foram mais importantes: índole, integridade e ética. E como sofremos, minha filha praticamente fechava as provas e não passava. Sempre fui contra as cotas, são revoltantes. Investimos nos nossos quatro filhos, praticamente os nossos salários, deixamos de fazer varias coisas, lazer, reformas na casa. Todos estudaram em escola particular , outro agravante para ter acesso a faculdade. Eu Pedagoga e o meu marido eletrotécnico. Como os outros passaram em Federais: um Engenheiro da Computação, hoje numa Multi Nacional e outro Ciências da Computação no momento fazendo Doutorado na UFMG e a mais nova se preparando para o vestibular. Com a aposentadoria do meu marido e nossos salários e na esperança de conseguir o FIES, que demorou a vir, fomos pagando Medicina para minha filha, que formou este ano. Nas quatro Faculdades Particulares, que ela fez, passou nos primeiros lugares. Fiz a inscrição sem ela saber, pq ela não queria , pq sabia das nossas condições e o valor altíssimo do curso de Medicina. Mas vencemos, não passamos por cima de ninguém e sempre achei que em Federais tem este jeitinho e vendas de vagas, pq minha filha estava bem preparada e fechava praticamente as provas e não passava. Me revolta ver uma postura dessa, porque vivi esta situação, sei o qto um aluno tem que estudar , dedicação total aos estudos e vem outros querendo uma vaga por meios ilícitos .Não sei como alguém que faz isto, possa dormir tranquilo, nada melhor que a consciência tranquila e vencer pelos próprios méritos.

  32. Tem uma coisa que me deixa encabulado:
    Todos falam que as cotas deveriam ser “sociais” para pessoas de baixa renda, considerando a renda familiar. Acontece que quem controla a renda familiar é a FAMÍLIA da pessoa, não ela própria. Portanto, existem pessoas de família “rica” (na comparação com a média brasileira) que por descaso da família, estudam em escolas públicas de péssima qualidade. Essas pessoas seriam prejudicadas no caso de cotas sociais, tal qual os brancos pobres são hoje em dia.
    Existem, também, diversas escolas públicas de excelente qualidade no país e escolas particulares medíocres. Cito como exemplo os CEFETs, COLTECs e colégios militares. Por isso, não vejo uma forma JUSTA de instituir cotas. Vejo a forma mais JUSTA e CORRETA de seleção através de concurso de ampla concorrência onde vai ser selecionado o mais competente.
    Digo mais, já estudei tanto em escolas públicas quanto particulares, escolas com vestibular (Cefet e UFMG) e escolas de bairro. Digo qual a diferença principal entre elas: Comprometimento dos alunos. Escolas públicas sem processo seletivo são uma zona porque os alunos não tem educação ou comprometimento. As escolas funcionam na verdade como uma creche. Digo mais, menos de 30% do necessário para se passar no vestibular da UFMG será aprendido na escola. O restante será em casa através de livros que qualquer um pode conseguir nas bibliotecas. É necessário muito mais empenho por conta própria.
    Em resumo, vou ser bem direto: cota é mimimi de preguiçoso.

    Concordo que o sistema de cotas é uma aberração deixada pelo governo petista. Mas apesar dessa e de outras várias falhas, continua sendo o governo brasileiro menos pior que eu presenciei. Durante 10 anos o país progrediu de forma sustentável. Não ouviamos mais falar de superávit primário, dívida externa, desemprego (consequentemente houve uma forte redução da violência no período), todos que queriam podiam fazer uma faculdade (mesmo que fosse uma UNI da vida), até começar o golpe e destruírem tudo para tirar a presidente.

  33. Para a piada ficar pronta
    , só faltou dizer que você e a favor da meritocracia de ter nascido com país que podem pagar uma faculdade…

    Kkkk agora somos todos negros, eu sou negro….e vice e negro. E se for no villa mix , vice também será barado.

  34. Seguindo esse raciocinio imbecil, quem inventou a metralhadora tb é um verme, pois os efeitos estão aí: chacinas atrás de chacinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.