PEC 241 ou morte!

Se há uma coisa que estes tempos sombrios estão a nos mostrar, é a falência do Brasil como um todo.

Que o lulopetismo destruiu completamente a nação todos sabemos. Mas agora, com a votação da PEC 241 que limita os gastos públicos por 20 anos, está ficando também muito claro o grau de corporativismo que impera no país. Partidos de esquerda, PGR e STJ juntam-se numa cruzada de morte contra a nação. Não querem perder os privilégios. Quem paga? Adivinhem…

O Brasil sempre foi cartorial. Desde o descobrimento, passando pela Independência e República até os dias de hoje, jamais escapamos das mãos de um Estado forte, centralizador, corrupto e fisiologista. Governos civis, militares, ditadores e embusteiros, todos estiveram alinhados ao compadrio entre si mesmos e os apaniguados privados, os amigos do Rei. O Estado não serve aos cidadãos, mas serve-se deles. É assim desde 22 de abril de 1500.

As empreiteiras históricas, as montadoras de automóveis, as cada vez maiores e mais centralizadas bancas, os latifúndios agropecuários seculares… O Brasil é a capital mundial do privilégio e do compadrio. Não à toa deter uma das maiores desigualdades sociais do planeta. Junte-se à turma acima a casta do funcionalismo público e dos Três Poderes e assuste-se com o tamanho do número de privilegiados sustentados, e cada vez mais ricos, pela produção, mão-de-obra e empreendedorismo de milhões de brasileiros trabalhadores e de micros, pequenos e médios empresários, os verdadeiros heróis do país.

Sim, amigos, o Brasil precisa de muitas reformas. Em verdade, o país precisaria mesmo é ser refundado. Mas nada é mais imperioso que uma reforma política ampla e radical, elaborada não por esta turma que do Estado se alimenta há séculos, mas, sim, por uma comissão ampla de membros notórios da sociedade civil, gente técnica, prepara e entendida do assunto “Administração Pública”, para que produza um efeito devastador neste sistema corporativo e cartorial brasileiro, onde Estado e meia-dúzia de Barões locupletam-se de toda uma nação. Feito isto, que venha as demais: Fiscal, trabalhista, etc.

Mas esta maldita hidra estatal tem de ter as suas cabeças decepadas. Ontem!

Leia também

22 thoughts to “PEC 241 ou morte!”

  1. Mas deixar os gastos públicos sem limites como há 13 anos também já não dá mais.
    A solução é desinchar a máquina pública e baixar a taxa Selic gerando bilhões oriundos do que os bancos deixariam de ganhar!
    Mas eles nunca vão cortar da própria carne e dos banqueiros.

  2. Quando votei no Lula em 2002, pensei que ele iria entregar o país para os brasileiros, lutando contra os poderosos, defendendo os pobres e oprimidos. Sei que os mesmos estão no poder desde 1500. Então pensei, é agora. Mas deu no que deu. Além de não combater o status quo, Lula se uniu a eles e os fortaleceu. O país nunca foi do povo. A independência foi urdida entre quatro paredes, com o auxílio dos maçons e da nobreza luso/brasileira, a República foi um golpe de militares para tomar o poder, com ajuda de fazendeiros insatisfeitos com o fim da escravidão, a revolução de 1930 foi tramada para tirar o poder do eixo São Paulo-Minas Gerais, e implantar uma nova ditadura. A revolução de 1964 foi decidida pela alta burguesia que contou com a ajuda do alto comando militar, para impedir o avanço do comunismo. As diretas já, esta sim, feita pelo povo, foi reprovada pelo congresso. Somente os impeachments de Collor de Mello e Dilma Rousseff tiveram apelo popular, mas com manobras no congresso. Ou seja, o povo mesmo não decide nada neste país. Não há salvação enquanto existirem estas ilhas da fantasia.

  3. “Que o lulopetismo destruiu completamente a nação todos sabemos.” Fale por si.
    Não, não sou “petralha” como parece ser o único argumento contra alguém que não compartilha da mesma opinião. Apenas sou conhecedor da Constituição, do Direito e crítico à opiniões tidas como unânimes.

  4. Nem vou me dá ao trabalho de fazer uma contra prova, pois ela já está feita e esclarecida no blog da Tath Meneses, sua colega. É do mesmo teor. Vá lá e aprenda!

  5. Engraçado, outro dia assisti um vídeo do Sílvio Santos contando que um parante longínquo foi contratado para corrigir as finanças de Portugal. Por que o Brasil não faz isso? Deixemos o orgulho de lado e procuremos trabalhar com quem tem coisas úteis para nos ensinar. Provamos que não temos competência para administrar as nossas vidas. Os politicos são incompetentes, mas fomos nós que os colocamos lá. Erramos, todos nós.

  6. Concordo plenamente com o texto.
    Porém, tenho uma dúvida.
    Tenho ouvido muitas pessoas dizerem que, após a implementação dessa PEC, o funcionalismo ficará sem aumento, ou teria no máximo uma correção igual ao teto da inflação do ano anterior.
    Pois bem, será que não é uma pegadinha e a coisa continuaria imoral da mesma forma?
    Ou seja, se o limite for sobre o percentual da inflação aplicado ao montante de gastos do ano anterior, então seria totalmente possível manter os privilégios de alguns setores do funcionalismo.
    Por exemplo:
    Supondo que no ano passado os gastos públicos atingiram um total de um bilhão de reais e a inflação do período tenha sido dez por cento. Então, neste ano, o governo poderia gastar um bilhão e cem milhões de reais. Pois bem, se uma determinada categoria receber um aumento salarial de cem por cento e os gastos ainda não atingissem o valor de um bilhão e cem milhões de reais, esse aumento estaria dentro da lei.
    É isso?

    1. Sim e não! Os privilégios irão continuar, sim. Não há como retirá-los, pois são os tais direitos assegurados. Aumentos reais, acabaram; o que já é um grande avanço. De resto, orçamento é orçamento…

  7. acho seu comentário reacionários…fruto desse jornal comprado…sempre a favor do governador, desde que não seja propenso à esquerda…afff!!!!

  8. “comissão ampla de membros notórios da sociedade civil, gente técnica, prepara e entendida do assunto “Administração Pública”, em pouco tempo essa turma estaria toda na cadeia e precisaria contratar uma nova..depois outra..depois outra. Ou como diziam na antiga união sovietica “que acontece se URSS invadir e ocupar o Saara?? nos primeiros anos não acontece nada..depois começa faltar areia”

  9. Se este blogueiro acordar com uma unha cravada o culpado é o LULA, ou lulopetismo assim como ele escreve. PMDB é o único partido que nunca ganhou uma presidência da republica e assumiu a presidência duas ou três vezes, se o PSDB ganhar ai a vaca vai para o brejo olhe o estado de MG. A FIAT uma empresa que emprega multidões de gente abril uma filial no nordeste por falta de competência do governador de MG ,alias é meu vizinho na cidade de Claudio mas nunca vai ver meu voto. o Brasil é um celeiro de larápios corruptos fazedores de leis, é ladrão julgando ladrão, é corrupto tirando a teta da boca de corrupto este pais nunca terá jeito.

    1. “A FIAT uma empresa que emprega multidões de gente abril uma filial no nordeste por falta de competência do governador de MG”. Vou te responder o que, Zé?

      1. Você não tem o que responder paspalho, esta pec 241 é um afronto ao trabalhador. este governo golpista tem que cortar é nos alto salários do congresso os deputado custa R$ 1 bilhão por ano ao contribuinte ,e nos sonegadores de impostos e classe empresarial que sonega impostos, frauda licitações e usa caixa dois deveria arcar com este custo não é de baixo que começa a cortar gastos sacrificando a classe trabalhadora.

        1. Vou tentar fazer uma boa ação: ensinar algo a um quadrúpede semiletrado. Vamos lá: A PEC 241, dentre outras qualidades, engessa os aumentos dos salários do Congresso, como você quer. Os tais sonegadores e fraudadores de licitações são da mesma quadrilha a que pertence o tipo de gente que você defende, se é que não faz parte também, pois você pensa e se expressa da mesma forma; mas a PEC 241 não trata disto. Sobre sacrifício da classe trabalhadora, seu asno, é justamente para ela que esta emenda é tão importante. Faça assim: vá estudar, vá aprender a ler e a escrever (principalmente), a interpretar um texto qualquer, e depois sim você volta aqui e me chama de paspalho, ok?

  10. Eu vi um deputado da REDE dizendo que apoiaria o >>>>>corte<<<<< de salários e benefícios dos políticos, mas não atacar a verba que vai para a educação e a saúde. O seu post ataca uma minoria representada na Câmara dos Deputados. Por acaso você aprova a maioria dos deputados que nós temos e seus interesses?

    1. O dia em que eu “aprovar” um político, mande me matar! Eu vigio os políticos e aprovo — ou desaprovo — suas atitudes parlamentares. Se forem boas, elogio;ruins, critico. Nada mais.

  11. PEC 241. Também sou contra. Por que limitar os gastos com a Educação, Saúde e Segurança Pública? O governo enlouqueceu? E por que limitar o gasto em infraestrutura, turismo, programas sociais? Não vejo motivo. O GOVERNO TEM A MÁQUINA DE FAZER DINHEIRO. Basta imprimir notas de R$1.000,00, R$10.000,00 e até de R$100.000,00 (para economizar papel) e pagar os gastos. Já vi isto e funcionou. A inflação era alta, mas a gente recebia aumento todo mês (tinha um gatilho), e, além disso, a poupança nunca rendeu tanto. De tempos em tempos tinha de dividir o dinheiro por 1000 para evitar que fosse impossível rodar os balanços das empresas, que estavam na casa dos trilhões. Mas era só um fim de semana e tudo estava novinho na segunda. E aproveitava e mudava o nome da moeda para não confundir. Você precisava ver. Teve uma época que até se cantava o Hino Nacional na frente de supermercado fechado. Tinha um emprego, que não pagava nada, mas todo mundo queria ser: Fiscal do Sarney. Era muito legal. O quê? Que que você disse? O que acontecia com os pobres e desempregados? A isto eu não sei não, mas a vida devia ser difícil para eles…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.