A estupidez é a maior das bombas.

Esquerda e direita, democratas e republicanos, Hillary e Trump. Todos disputam a tragédia, mas ninguém se importa com as vítimas.

Explosão em Nova Iorque! Os democratas correm para afastar motivações terroristas islâmicas. Por que? Porque daria combustível à xenofobia tresloucada do doidão Donald Trump. E a gravidade do ocorrido, e as vítimas feridas? Bem, deixe-os em segundo plano. O importante, agora, é o calendário eleitoral.

Hoje é preso o autor do atentado; um afegão naturalizado americano. E, sim, é islâmico. Logo Trump surgirá — se é que ainda não surgiu — a gritar: expulsemo-los todos! De novo: Vítimas e o fato em si? Pouco importam. A exploração eleitoral é que falará mais alto.

Sou um sujeito de “direita”. Não de acordo com os princípios de “direita e esquerda” advindos lá da França (acho que) napoleônica. Muito menos no sentido religioso ou cultural dos termos, já que, aí, sou mais canhoto que Éder Aleixo ou Maradona. Sou fã das religiões (todas!), aceito de muitíssimo bom grado quaisquer tribos sociais, não tenho a menor restrição a gays de quaisquer gêneros, sou — de certa forma — favorável à legalização do aborto, etc. Eu, visto assim, sou mais vermelho que Jean Wyllys. Só que, por outro lado, sou contra a descriminalização da maconha, contra a união civil de mesmo sexo (sou a favor que mude-se a lei), contra baderneiros disfarçados de manifestantes e contra qualquer forma de intervenção estatal. Olhando-me assim , me torno Ricardo Bolsonaro. Mas como odeio o PT e suas franjas e linhas auxiliares, aceito de bom grado a alcunha de direita. Não vejo qualquer problema nisto. Ao contrário: Sinto-me do lado certo da coisa.

Ainda assim, amigos, consigo separar o joio do trigo e abominar claramente o que estes grupos, de um lado e de outro, fazem em situações graves como esta. Já li gente dizendo: “pena que quem morreu não foi a Camila Pitanga.” Putz! Tem de ser muito ordinário para pensar algo assim. E o que falar das dezenas de comentários raivosos que me chegam todos os dias: “Tomara que morra de câncer, seu coxinha.” São extremistas idiotas, sim, mas intuo e chego a pensar que estes são a maioria nos dois lados desta moeda. Uma triste realidade mundial, diga-se. Fazer o que, né?

De minha parte, abomino os dois. Imbecil, para mim, não tem lado.

(Leia também)

9 thoughts to “A estupidez é a maior das bombas.”

  1. O que existe de pior no mundo é radicalismo,extremismo,fanatismo.Seja onde for,por que motivo for; Religião,política,futebol. Deve haver um equilíbrio de pensamento,de opinião,de respeito.Onde há extremismo,fanatismo e radicalismo,acontecem os crimes,violação de direitos,atentados e todo tipo de desrespeito ao ser humano.

  2. Ricardo, o pensamento xenofóbico WASP, seja inglês ou americano é o mesmo, assenta-se na construção do pensamento econômico luterano-calvinista-anglicano, nada tem a ver com o exercício da opção religiosa, falo aqui da religião política e não da religião fé. Tanto as ideias contemporâneas da Inglaterra como dos EUA passam por barreiras físicas, Trump com o seu muro para coibir a imigração na fronteira com o México e Brexit com o seu muro para coibir a imigração a partir de Calais – o maior acampamento de refugiados europeu há tempos. Num como no outro o argumento é proteger a economia e o emprego do nativo, num como no outro o que interessa são os fluxos de capitais nas bolsas de valores e num como noutro se julgam capazes sem o conjunto de seus parceiros. A Inglaterra sem a UE e os EUA sem o México, são duas potências econômicas sem o limpador de fossa, assim como os EUA precisam do trabalhador latino para o trabalho sujo, a Inglaterra precisa do imigrante para as mesmas tarefas. Desconsiderar a humanidade, num período em que a população tende ao envelhecimento é desconsiderar o homem, é não se consternar com o sofrimento, é desconsiderar a natureza e sobretudo não se comover com a miséria humana.

  3. Sim…a estupidez humana está no ápice! No texto….vê-se o desejo de morte pela raiva, ciúme doentio…sei la, caos, ausência de Deus no coração, outros a conclamar espíritos de mortos que nada sabem..equivale dizer para aquele pobre coitado querendo se suicidar, pulando da ponte, do alto do edifício… a torcida aqui embaixo…ávida…será que ele pula? E um coro interior….Pula! Pula! Pula! E o doido pulou…e sangue pela calçada e a festra cabada! Simplesmente…mórbido perante a fragilidade e miséria humana! E a NASDAQ que teima em não descer o morro das bolsas…nos painéis de última geração.

  4. Estava demorando em mostrar as garras, hein?
    Você é liberal! Sabia que o liberalismo é “pai” do comunismo? As bandeiras defendidas por ambos são quase as mesmas.
    Como todas as religiões são iguais, Ricardo? Então a verdade não existe ou é relativa? Os maometanos são da “paz”?
    Os muçulmanos querem a implementação da Sharia (lei islâmica) onde quer que eles vivam, e é dever de todos eles lutarem por isso. Em que mundo você está vivendo, Ricardo?
    O liberal também defende a legalização do assassinato de inocentes.
    Ora, meu prezado, a verdadeira Ciência (não falo daqueles falsos cientistas que afirmam existir vida em Marte quando fazem referência à bactéria e, ao mesmo tempo, alegam que o feto não é nada) já comprovou que a vida começa a partir da concepção.
    Você, como gado necessário para a Nova Ordem Mundial, está confundindo militância gayzista (ideologia nefasta) com comportamento homossexual, assim como conservadorismo (conservar o que é bom) com fundamentalismo islâmico.

    1. José, defenda seus pontos de vistas sem interferir nos meus, que tal? Ou você, como — aí, sim — um verdadeiro comunista, não admite pensamentos diversos?

  5. Eu sou comunista?
    O comunismo matou mais de 150 milhões de pessoas pelo mundo. Sem comentários!
    Voltando ao seu artigo, quando o Estado Islâmico invadir o Brasil, grande é a possibilidade, o pessoal que fala de “discurso de ódio”, como você, vai oferecer um jantar de boas vindas. Afinal, não podemos matar quem vem nos matar. Aliás, na Europa, já fizeram isso: enquanto o ISIS metia bombas em Paris alguém tocava piano como protesto. E tocou “Imagine”, música com letra diabólica travestida de pacifista. Aliás, o pacifismo é um engano satânico, uma macaqueação da caridade.
    Opa, eles fizeram mais, os “homens” fizeram uma passeata de minissaias em sinal de protesto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.