O sono dos justos e a insônia dos inquietos.

Observar o sono de quem amamos é um dos momentos mais intensos que podemos experimentar ao longo da vida.

Irresistível

Os traços suaves ou marcantes, bonitos ou curiosos, simples ou diferentes na face tranquila, no sono daqueles que amamos, nos causam profundas sensações e emoções: Sorrisos, algumas lágrimas, memórias boas, momentos ruins, lembranças de um tempo longínquo ou do dia anterior, da infância perdida, da vida que passou.

Não importa se a esposa ou o marido, a mãe ou o pai, a filha ou o filho, ou mesmo o bichinho de estimação. Velar o sono – e o sonho – de um querido é um minuto infinito, sublime, que deve ser vivenciado e repetido tantas vezes quanto possível. É uma oportunidade de percebermos as fragilidades do corpo, advindas com o tempo, e também as feridas d’alma, infelizmente, muitas delas, causadas por nós mesmos enquanto despertos e alertas.

Torço para que cada um de vocês tenha a quem o sono velar e rogo aos que ainda não têm que encontrem rápido o alvo da adoração necessária e imprescindível na sua vida, nem que seja através de uma lembrança ou de uma foto antiga, pois não há alma viva neste mundo que não tenha ainda experimentado um verdadeiro amor.

Ao seu lado ou distante, dentro ou fora do quarto, na casa ou em outra cidade, na parede ou no porta-retrato, aos seus pés ou no chão sob a cama, não deixem de, vez em quando, vê-los dormir. Acreditem: É sublime.

Though you’re miles and miles away  

(Ainda que você esteja milhas e milhas distante)

I see you everyday  

(Eu te vejo todos os dias)

I don’t have to try       

(Eu não tenho que me esforçar)

I just close my eyes

(Eu apenas fecho meus olhos)

Giorgio Moroder

(texto originalmente publicado na minha página do FB, em Abril deste ano)

Leia também

3 thoughts to “O sono dos justos e a insônia dos inquietos.”

  1. Engraçado o quanto é bom velar o sono de quem a gente ama. A gente desperta para ver se a outra pessoa dorme, ficamos ali, minutos infindos, observando o movimento de entrada e saída de ar das narinas, os suspiros…, Aí, a gente também fica suspirando e pensando, nos acertos, nos erros, como reparar esses erros, se há como repará-los, e concluindo por fim, que o melhor é ter a quem amamos do nosso lado, isso sim não tem preço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.