Colossal brinca com o Cinema de monstros

por Marcelo Seabra

Gloria é uma jovem escritora que pode estar desempregada por beber demais ou pode estar bebendo demais por estar desempregada. A bagunça que ela faz de sua vida acaba afastando o namorado e ela se vê sem dinheiro e onde morar, não tendo outra opção a não ser voltar para a casa vazia onde cresceu. Lá, reencontra um amigo de infância, vai trabalhar no bar dele, e ainda se interessa por um local. Por essa premissa, Colossal (2016) pareceria mais um filme independente bonitinho, mas é aí que aparece um monstro gigante.

Com um conceito estapafúrdio, que mais parece uma ideia errada de um programa de comédia, o diretor e roteirista Nacho Vigalondo (do elogiado Crimes Temporais, 2007) criou seu próprio Godzilla – comparação que já deu até processo na justiça. E o mais surpreendente: o projeto deu certo e foi bem recebido nos dois festivais por onde passou, Toronto e Sundance. Traz à mente outros vários filmes, como O Nevoeiro (2007), Poder Sem Limites (2012) e Hora de Voltar (2004), mas consegue ter personalidade.

No papel principal, Anne Hathaway (de Interestelar, 2014) torna crível a situação de Gloria, com uma expressão perdida e um cabelo armado, despida de vaidade. É interessante reparar nos tiques da personagem, como pegar o cabelo pelo meio, o que denota uma composição detalhada. Como sua inesperada dupla, temos Jason Sudeikis (dos dois Quero Matar Meu Chefe), figura habitual em comédias bobas, mas que volta e meia prova ser capaz de mais. Juntos, eles convencem como amigos de longa data, e essa química vai permitir que o roteiro avance.

Vigalongo consegue conduzir as coisas de modo que, sem o público perceber uma ruptura, o filme parece mudar de gênero. O roteiro não pira tanto quanto poderia, ou prometia, mas dá umas voltas loucas que prendem a atenção do público. Uma criatura enorme começa a atacar Seul, a capital da Coreia do Sul, e Gloria fica devastada, mesmo a catástrofe estando do outro lado do mundo. Ela logo descobre uma ligação com o monstro e começa a entender o que está acontecendo.

A satisfação com a conclusão de Colossal vai do entendimento de cada um quanto às regras daquele universo. Uma vez criada, a regra deve ser seguida, o que permite ao espectador comprar a ideia. Ter personagens que lembram seres humanos reais, com qualidades e falhas, ajuda muito. Além dos principais, há o namorado, vivido por Dan Stevens (de Legion), e dois amigos, na pele de Tim Blake Nelson (de Quarteto Fantástico, 2015) e de Austin Stowell (de Ponte dos Espiões, 2015). Com todas essas peças bem encaixadas, nem percebemos quase duas horas passarem.

Vigalondo lançou o filme em Toronto com seu elenco

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*