Grandes poderes fazem personagens bem interessantes

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

por Marcelo Seabra

Filmes sobre pessoas com poderes sobrehumanos costumam tratar temas semelhantes, como exclusão social, solidão, inadequação em geral. As franquias dos X-Men e do Quarteto Fantástico são bons exemplos. Agora, imagine cruzar esse filão com a interminável moda dos “filmes compostos por filmagens perdidas (e achadas)”. Pode-se dizer que Homem Aranha mais A Bruxa de Blair é igual a Poder Sem Limites (Chronicle, 2012). E a soma, assim como as parcelas, é positiva.

O inconveniente desse tipo de filme permanece, apesar de não incomodar o tempo todo: a necessidade de se ter sempre uma pessoa filmando acaba ficando irritante, para não dizer inverossímil. Por que alguém simplesmente decide começar a filmar sua própria vida? Por que alguém dentro de um carro despencando continuaria a filmar? O diretor estreante Josh Trank até arruma algumas boas saídas, como cortar em certos momentos e deixar o público entender as cenas seguintes sem precisar necessariamente vê-las. E passar a utilizar também as cenas filmadas por outros personagens e figurantes, como se a edição final dependesse de todos eles para existir. Como já foi dito, é inverossímil, mas não deixa de divertir.

Um belo dia, como quem prevê que algo extraordinário está para acontecer, Andrew (Dane DeHaan (das séries True Blood e Em Tratamento) decide comprar uma câmera e sair filmando tudo à sua volta, para desgosto de Matt (Alex Russell). Eles sempre vão juntos para a escola, mas Matt tem vergonha e evita aparecer em público com seu estranho primo. Se os estudantes fossem divididos em três grupos de acordo com a sua popularidade, Andrew estaria no pior, Matt seria um intermediário e Steven (Michael B. Jordan, de Friday Night Lights) seria o popular.

Do lado de fora de uma festa à qual todos acabaram indo, os três personagens são reunidos em torno de um brilho misterioso que, após um simples toque, confere poderes a eles. Logo, Andrew, Matt e Steven descobrem ter graus de potência e capacidade de controle diferentes. Com exercícios frequentes, eles vão adquirindo prática e logo veem a necessidade de estabelecer regras, para que a situação não saia do controle ou ganhe publicidade.

O que mais funciona em Poder Sem Limites é o fato de cada um ter uma personalidade bem específica e de o roteiro se preocupar em proporcionar um desenvolvimento a eles, e não correr logo para o que importa. Também novato, o roteirista Max Landis, filho do lendário diretor John Landis (de “clássicos” como Um Lobisomem Americano em Londres e Os Irmãos Cara de Pau) deixa pequenos buracos, mas cria situações que fazem o público se identificar com os garotos e se preocupar com seus destinos, o que é fundamental para o sucesso de qualquer filme, série, peça ou livro.

Grandes poderes trazem grandes responsabilidades, como diria o saudoso Tio Ben Parker. Se a cabeça não está preparada, o corpo pode fazer estragos memoráveis, e adolescentes imaturos não são exatamente o que se pode chamar de preparados. Andrew, Matt e Steven terão um longo caminho não só para aprenderem a dominar seus poderes recém-adquiridos, mas para terem sabedoria ao usá-los.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Grandes poderes fazem personagens bem interessantes

  1. Rodrigo Assis disse:

    Excelente matéria, parabéns. Só faltou mencionar a semelhença com o anime “Akira” de 1988. Abraço.

  2. Pingback: Os Melhores & Os Piores de 2012 | opipoqueiro

  3. Pingback: Ator e diretor se reencontram no Lugar Onde Tudo Termina | opipoqueiro

  4. Pingback: Uma tragédia real e um belo filme | opipoqueiro

  5. Pingback: Homem-Aranha 2 chega mais longe | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*