Get Back traz a intimidade dos Beatles como nunca vimos

Depois de tantos documentários, especiais e shows divulgados ao longo das últimas décadas, pensava-se que não existiria mais material inédito sobre os Beatles. Tudo já era conhecido – ainda mais depois do projeto Anthology (1995), que originou três álbuns duplos, um livro e uma série documental. Daí a surpresa do premiado diretor Peter Jackson (da trilogia O Senhor dos Anéis) ao descobrir que havia 60 horas de material filmado e mais de 150 horas de áudio, um material riquíssimo sobre a banda mais famosa do mundo. A maioria disso nunca foi divulgada, talvez devido à complexidade da edição e montagem desse conteúdo.

Jackson e sua equipe, então, foram ao trabalho – com a benção dos beatles remanescentes (Paul e Ringo) e das viúvas dos colegas (Yoko, de John, e Olivia, de George). O material que daria origem à ótima série The Beatles: Get Back se originou de uma tentativa, em 1969, de os quatro gravarem um especial para a TV que também geraria um álbum inédito. Por isso, eles precisariam criar mais músicas, que acabaram entrando no álbum Let It Be. Esse, inclusive, é o nome de um documentário em longa-metragem lançado em 1970 que usa uma parte pequena do material captado pelo diretor Michael Lindsay-Hogg, causando em quem assiste uma impressão que não necessariamente refletia a realidade.

Os primeiros dez a onze minutos de Get Back dão uma ótima contextualizada para os que estão chegando agora nessa história. Mas, para os fãs dos quatro rapazes de Liverpool, é um deleite acompanhar com riqueza de detalhes os músicos discutindo, criando, tocando e brigando. Para os neófitos, trata-se de uma banda em pleno processo criativo, mesmo que em meio a desentendimentos. Para os fãs, trata-se da verdade por trás de vários mitos, como por exemplo o de que Yoko Ono teria sido a responsável pelo fim da banda. A esposa de John Lennon estava presente, sim, mas parecia em outro planeta, longe de ser causa para atritos. A presença até podia incomodar os outros, mas não era para tanto.

A montagem final, longa, é dividida em três episódios, cada um cobrindo uma parte dos 21 dias que eles tinham para criar e ensaiar as novas canções. Ao longo de quase oito horas, vemos a realidade das relações entre eles. Como irmãos, eles se divertiam, debatiam e brigavam. Poderiam fazer as pazes logo, relevando certos comportamentos. Em outros momentos, pareciam se comunicar pelo olhar, tamanha a cumplicidade entre eles. Ver músicas hoje clássicas, como Don’t Let Me Down, Let It Be, I Got a Feeling e obviamente Get Back ganharem forma é uma experiência impagável. Essa troca entre eles permitia que um contribuísse na composição do outro, mostrando porque essa experiência muitas vezes era em conjunto.

Apesar de alguns palavrões e muitos cigarros (sempre com avisos no início de cada episódio), Get Back se enquadra bem nos padrões do Disney+. Há trechos tensos, que vão deixar os espectadores apreensivos, por mais que conheçam o final da história. Lágrimas vão descer e muitas informações valiosas serão acrescentadas ao que já se sabe sobre aquela que, para muitos, é a melhor banda de todos os tempos. Até o jeito bem mandão de Paul McCartney, que acabou assumindo um pouco o papel de empresário deles com a morte de Brian Epstein, pode ser mais bem compreendido. Ao final de tantas horas, assim como George Martin, Neil Aspinall e tantos outros que os rodeavam, nos sentimos parte da família de Paul, John, George e Ringo.

Yoko de fato incomodava, mas não chegou a ser a causa do fim

Sobre Marcelo Seabra

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM | Instagram - @opipoqueiroseabra
Esta entrada foi publicada em Estréias, Homevideo, Indicações, Música, Personalidades e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para Get Back traz a intimidade dos Beatles como nunca vimos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *