Metalhead chama a atenção para a Islândia

por Rodrigo “Piolho” Monteiro

Metalhead Hera

Exibido em alguns festivais independentes – inclusive no Brasil – no ano passado, o longa Metalhead (Málmhaus, 2013), do diretor e roteirista islandês Ragnar Bragason. tem chamado a atenção dos fãs da chamada “música extrema” pela forma como ele aborda esse gênero musical de forma singular em uma interessante história de superação. Essa atração, no entanto, se mostra bastante exagerada, já que, ainda que o filme seja recheado de heavy metal e o próprio título possa ser traduzido como “metaleiro”, o black metal que ele supostamente evoca tem pouquíssimo tempo de tela na película.

Metalhead tem sua história toda passada em uma pequena comunidade rural islandesa. O longa começa quando a jovem Hera (Diljá Valsdóttir) presencia um acidente bizarro que tira a vida de seu irmão mais velho Baldur (Óskar Logi Agústsson). Muito ligada ao irmão, Hera resolve meio que assumir sua identidade, adotando seu figurino – ela queima suas roupas “de menina” e passa a andar com as camisas pretas estampadas com logos e imagens de bandas de heavy metal do irmão – sua guitarra e seu gosto musical. Sua mãe, Droplaug (Halldóra Geirharðsdóttir) lida com a perda de maneira similar, mantendo o quarto de Baldur intocado, como se ele ainda vivesse naquela casa enquanto que seu pai Karl (Ingvar Eggert Sigurðsson) continua a fazer seus trabalhos na fazenda – a família se dedica à produção de leite – sem encarar sua dor da forma como deveria fazê-lo.

Metalhead

Uma década se passa e, no início dos anos 1990, vemos Hera (Thora Bjorg Helga) ainda naquela situação. Além de adotar o guarda-roupas e o gosto musical de Baldur, ela tenta canalizar sua raiva e dor pela perda do irmão em uma atitude tipicamente autodestrutiva e de auto-sabotagem que esconde apenas superficialmente o fato de que está perdida e não sabe sequer como pedir ajuda para sair daquela situação para, finalmente, superar o sentimento de perda que a consome. Enquanto trabalha na fazenda dos pais ordenhando vacas, limpando os currais e etc, Hera compõe músicas que nunca termina, enquanto mergulha em fanzines e revistas especializadas em heavy metal.

Essa trajetória sofre uma virada, inicialmente para pior, quando acontecem dois fatos que afetam a vida de Hera: a chegada de um novo padre (Þröstur Leó Gunnarsson) à paróquia freqüentada por sua família e o surgimento da cena black metal norueguesa e os famosos incêndios a igrejas ocorridos então. Aqui cabe uma contextualização rápida: entre 23 de maio e 25 de dezembro de 1992, nove igrejas cristãs foram incendiadas na Noruega e a autoria dos crimes foi atribuída a diversos membros de bandas de black metal locais. Na época, apesar das acusações, ninguém foi preso pelos crimes, com a única exceção de Varg Vikernes, fundador e único membro da banda Burzum, preso pelo assassinato de Øystein Aarseth, vulgo Euronymous, membro da também banda de black metal Mayhen. Varg, cujo trabalho musical é referenciado de leve neste filme, acabou também acusado do crime de incendiar igrejas, mesmo que sua participação nesses atos nunca tenha sido comprovada.

Ao se aprofundar na música realizada no país vizinho, no entanto, Hera finalmente encontra uma saída para direcionar toda a raiva que ainda guarda pelo irmão e isso acaba tendo um efeito em toda a sua família. Apesar de alguns problemas, especialmente no que diz respeito à passagem do tempo e uma ou duas cenas que despertam vergonha alheia no espectador, Metalhead se mostra uma opção bem interessante para aqueles que desconhecem filmes vindos da Islândia. De bônus, ainda traz uma trilha sonora recheada de bandas clássicas do heavy metal, como Judas Priest, Diamond Head e Megadeth.

Elenco do filme de cara limpa

Elenco do filme de cara limpa

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Filmes, Homevideo, Indicações, Música e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *