ParaNorman não é para crianças!

por Marcelo Seabra

É uma pena que animações ainda tragam aquele estigma ridículo de que sempre seriam destinadas ao público infantil. Com O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas, 1993), as animações em stopmotion atingiram um outro patamar, e se seguiram A Noiva Cadáver (Corpse Bride, 2005) e Coraline (2009), para ficar nos principais. O tema mais sombrio foi comum a todos os longas mencionados e agora temos mais um belo exemplo: ParaNorman (2012).

Imagine colocar o garoto de O Sexto Sentido (The Sixth Sense, 1999) em uma cidade pequena prestes a ser atacada por uma horda de zumbis liderados por uma bruxa de mais de duzentos anos. Basicamente, este é Norman, o garoto que é zombado no colégio por ser considerado diferente, ou esquisito, devido a um talento/maldição: ele vê e fala com os mortos. Seus próprios pais não o entendem, o garoto não consegue ser levado a sério nem em casa. Perto da adolescência e frequentando a escola, Norman não tem folga dos valentões locais, tendo como amigo apenas um outro garoto igualmente sacaneado, este por ser gordinho.

Quando a vida parecia seguir seu caminho normal, Norman é procurado pelo doidão da cidade, um sujeito solitário e mal vestido que comunica ao garoto que ele será o próximo a lutar contra a maldição da bruxa. Norman descobre que não só a história contada na cidade é verdadeira como a bruxa está prestes a acordar, e ele deverá colocá-la para dormir novamente. E, teoricamente, sozinho, já que ele não é um cara muito popular.

Visualmente, a animação é muito rica, os ângulos, cores e desenhos são mais interessantes que qualquer filme de terror feito atualmente. Tarantino e Rodriguez, que se metem a fazer homenagens aos clássicos do horror, poderiam aprender muito com os diretores Chris Butler e Sam Fell, do estúdio Laika Entertainment, também responsável por Coraline. O desenho dos zumbis dos colonos é bem feito e cheio de detalhes, assim como a arquitetura da cidade, que tem um ar gótico e triste, como se a maldição da bruxa deixasse todos em um permanente estado de melancolia.

Como acontece com outros desenhos produzidos recentemente, como a franquia Shrek, há referências curiosas e outros atrativos para o público mais velho, e a jornada de Norman rumo ao mundo adulto deve interessar aos adolescentes (e pré). Mas não é um programa muito adequado para os mais jovens, que poderão ser assombrados pelas imagens de zumbis ou pela simples ideia da morte, que está sempre presente durante a exibição. A abordagem do além-túmulo poderia ter ido mais longe, os temas relacionados poderiam ter sido melhor explorados, mas não deixa de ser uma história simpática com um personagem com o qual o espectador pode se identificar.

Lamentavelmente, é impossível ver uma animação nos cinemas com o áudio original. Se com filmes tidos como adultos já anda complicado, imagine com um desenho! Dessa forma, o público brasileiro não pode conferir o trabalho do jovem Kodi Smit-McPhee (de A Estrada, 2009), que dá voz e personalidade a Norman. Além dele, John Goodman, Leslie Mann, Anna Kendrick, Casey Affleck, Bernard Hill e Christopher Mintz-Plasse também estão no elenco. Muitos podem rejeitar o longa por não poderem apreciá-lo na íntegra, o que é compreensível, e deverão recorrer futuramente ao DVD. Não deixa de ser uma injustiça, mas as distribuidoras criam essa situação e resta ao público buscar saídas.

Duas gerações de paranormais esquisitos se encontram

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Animação, Estréias, Filmes, Indicações e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para ParaNorman não é para crianças!

  1. DESIGN DE ESTAMPAS disse:

    Oi, gostei muito de seus artigos,bem informativos.
    Vou recomendar parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *