Grandes performances dentro e fora do ringue

por Marcelo Seabra

Em temporada de premiações, a oferta nos cinemas torna-se fantástica. Se fosse assim o ano inteiro, todo o meu salário iria embora facilmente. E, em meio a tantas opções, confesso que pretendia deixar O Vencedor (The Fighter, 2010) passar batido. Mas o barulho em torno da atuação de Christian Bale foi tão grande que seria, no mínimo, o dever de qualquer projeto de crítico conferir a produção. Afinal, o ator escolhe projetos bem interessantes desde tenra idade, quando estrelou O Império do Sol (Empire of the Sun, 1987).

Toda temporada tem seu filme edificante, em que os personagens aprendem alguma coisa, vencem no final ou se tornam seres humanos melhores. Que o digam Um Sonho Possível (The Blind Side, 2009), que acabou dando o Oscar de Melhor Atriz a Sandra Bullock por ser a branca rica que salva o pobre menino negro, ou mesmo Preciosa (Precious, 2009), que levou o Oscar de Atriz Coadjuvante na mesma edição. Dois longas bem mais ou menos, que não me animariam a assistir a qualquer outro aos quais fossem comparados.

Mas O Vencedor não está nessa mesma categoria. Trata-se de um filme bem digno, que traz o boxe como pano de fundo, não como a estrela principal. Por ser baseado em uma história real, perderia muitos pontos se descobríssemos que algo ali era pura invenção. Isso enfraqueceu, por exemplo, Hurricane (1999), que atribui uma derrota de seu personagem ao racismo, quando ele, na verdade, foi simplesmente vencido por seu oponente. Uma boa história não precisa de exageros ou dramatização chorosa. Basta se ater aos fatos. E é o que parece ser o caso no atual candidato ao Oscar, já que a trajetória de Micky Ward é notória e o próprio lutador disse ao jornal USA Today que ficou muito feliz com o resultado.

Os verdadeiros Dick Ecklund e Micky Ward

Na tela, vemos um discreto Mark Wahlberg dar vida a Micky, um boxeador que treina com o irmão e é empresariado pela mãe. Acreditando em valores familiares, ele reluta em aceitar ajuda de fora para que sua carreira possa finalmente deslanchar. Todos têm boas intenções, mas isso não parece ser suficiente para que Micky consiga ter sucesso; ele serve sempre como trampolim para outros nomes dos ringues. Fugindo da óbvia referência à profissão do protagonista, o título original (“o lutador”) diz muito sobre sua vida, que não é nada fácil.

Apesar de Wahlberg estar muito bem preparado para o papel e conduzir tudo de forma sóbria, é Bale (ao lado) quem realmente rouba a cena no papel do irmão mais velho de Micky. Dick Ecklund teve seu momento de fama mais de uma década antes, quando derrubou o campeão Sugar Ray Leonard, mesmo que tenha perdido a disputa. Vive na ilusão de ser o herói da pequena cidade onde vivem, ilusão esta que ele alimenta usando crack. A droga, inclusive, faz com que ele deixe seu irmão na mão frequentemente, atrapalhando os treinos. Apesar de tudo, tem sempre bons conselhos quanto a táticas de luta. Bale o vive como um sujeito carismático, que é o herói do irmão e de seu filho pequeno, e evita cair em estereótipos de drogados ou fracassados.

Fechando o núcleo principal, temos duas grandes performances. Melissa Leo defende o papel da esforçada e interesseira mãe dos lutadores, que consegue as lutas para Micky e claramente protege o problemático Dick. A atriz consegue mostrar bem as contradições da personagem, que quer o melhor para a família, mas entrega o filho para o abate por dinheiro. Do outro lado, temos Amy Adams vivendo Charlene, que encoraja o namorado, Micky, a investir em sua carreira e se coloca contra toda a família dele. Ambas estão merecidamente indicadas ao Oscar, e Melissa era até tida como favorita, mas sua vitória foi abalada por anúncios bancados pela própria atriz em busca de votos, o que não é bem visto no meio (e que abriu caminho para Hailee Steinfeld, de Bravura Indômita). Bale, no entanto, segue como provável Melhor Ator Coadjuvante do ano para a Academia.

O filme funciona por equilibrar o drama com momentos de humor, sem pender para o dramalhão, e pelo ótimo elenco, encabeçado pelo também produtor Wahlberg. As cenas de luta, propriamente, não têm muita importância, e acabam se tornando previsíveis. O diretor David O. Russell nem sempre acerta a mão (como no horrendo Huckabees – A Vida é uma Comédia, de 2004), mas já tinha ao menos um grande filme em seu currículo, Três Reis (Three Kings, 1999). O verdadeiro Micky, que é mostrado durante os créditos finais com Dick, dá o seu aval à produção: “Mark e Christian fizeram um ótimo trabalho. Estou muito orgulhoso da forma como eles retrataram tudo”. Não diria que é o melhor filme do ano, mas tem seu lugar de honra garantido e deve ter sua fatia de reconhecimento no Oscar do próximo domingo.

Melissa, Bale, Wahlberg e Amy

Sobre opipoqueiro

Marcelo Seabra - Jornalista e especialista em História da Cultura e da Arte, é o criador de O Pipoqueiro. Tem matérias publicadas esporadicamente em sites, revistas e jornais. Foi redator e colunista do site Cinema em Cena por dois anos e colaborador de sites como O Binóculo, Cronópios e Cinema de Buteco, escrevendo sobre cultura em geral. Pode ser ouvido no Programa do Pipoqueiro e nos arquivos do podcast da equipe do Cinema em Cena. Twitter - @SeabraM
Esta entrada foi publicada em Estréias, Filmes, Indicações, Premiações e marcada com a tag , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Grandes performances dentro e fora do ringue

  1. Pingback: Guerreiro apresenta o mundo do MMA com bons atores | opipoqueiro

  2. Pingback: Christian Bale vai à China em Flores do Oriente | opipoqueiro

  3. Pingback: Seth MacFarlane parte para o cinema com Ted | opipoqueiro

  4. Pingback: O Lado Bom da Vida podia ser melhor | opipoqueiro

  5. Pingback: Washington aproveita bom roteiro e alça voo | opipoqueiro

  6. Pingback: Michael Bay busca o sonho americano | opipoqueiro

  7. Pingback: Mais confete duvidoso em David O. Russell | opipoqueiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *