O pior trânsito do Brasil é aqui em BH, não por acaso

Foto: Viaduto Célio de Castro – Portal Uai

Pelo segundo dia consecutivo a população de BH sente os efeitos do retorno à rotina no trânsito. O ano de 2020 começou de fato ontem para quem desloca pela cidade. Diferente dos anos anteriores existe o agravante da frota ter aumentado em pelo menos 200 mil veículos, ultrapassando a casa dos três milhões só na Região Metropolitana. Trata-se da R.M com a maior taxa de motorização do país e elevação de 7,5 % nos emplacamentos de 2018 para 2019.

Taxa de motorização segue crescendo a passos largos

Números preocupantes que revelam uma taxa de motorização na ordem 0,68% per capta só na capital, podendo chegar rapidamente a 1%, ou seja, um veículo para cada habitante em menos de cinco anos.  BH tem hoje nas ruas 2,3 milhões de veículos e em 2024 terá 2,6 milhões. Somado a isso, há vários trechos de vias importantes fechados em virtude dos “estragos” provocados pelas ultimas chuvas de janeiro e que não receberam reparos por razões diversas, nenhuma delas minimamente razoáveis.

Foto: Av. Prudente de Morais sendo recapeada – Portal Uai

Já se passaram mais de 30 dias da ultima chuva que caiu na noite da terça feira 28/1 causando danos a corredores importantes que seguem intransitáveis. A Sudecap – Superintendência de Desenvolvimento da Capital, trabalha para normalizar a situação mas o problema parece estar longe de ser resolvido, pois o prefeito está gostando da desordem. Na opinião dele, quanto mais tempo a cidade continuar lembrando das chuvas, melhor para a sua campanha à reeleição. Prova do despreparo que vem marcando sua trajetória política.

Estresse por falta de fluidez que provoca acidentes

Quanto pior o trânsito, maior o tempo de deslocamento aumentando também o estresse e o risco de acidentes. A falta de fluidez tende a deixar o motorista mais irritado e propenso a acelerar quando consegue sair dos engarrafamentos, e isso acaba em acidentes. A única via expressa que BH possui de fato é o Anel Rodoviário, embora a via seja uma rodovia federal. Para cruzar a cidade de norte a sul, a melhor opção é dar a volta pelo Anel Rodoviário, ainda que isso signifique maior consumo de combustível e risco de acidente. A Via Expressa de direito que a cidade possui não é de fato, ela possui sete interrupções de tráfego entre o Centro e o Coração Eucarístico.

De leste a oeste, não existe alternativa se não passando pelo centro da capital enfrentando os sinais que funcionam normalmente em onda vermelha para não deixar o trânsito fluir. A política de contenção de tráfego da BHTrans é diametral ao que a cidade precisa. Um dos maiores desafios de governos futuros, já que este mostrou a que veio e não vai fazer obras, será a atualização do passivo de infraestrutura estagnado há 40 anos.

BH é a única metrópole do Brasil que não possui Vias Expressas sem interrupção de tráfego

Foto: Avenida Cristiano Machado – Portal Uai

BH é uma das poucas metrópoles mundiais que não possuem vias expressas sem interrupção de trafego. A engenharia aqui existe para execução de puxadinhos e de manutenções corriqueiras. A ordem dos gestores do trânsito e do próprio prefeito é não fazer obras, acreditando na política do quanto pior melhor. Na cabeça deles, trânsito ruim desestimula o uso de veículos e leva a população para o transporte publico (ônibus) ou bicicleta. Erro crasso de interpretação da realidade, caro para o meio ambiente e para própria economia da cidade.

O pior trânsito do Brasil e terceiro pior da América Latina por razões objetivas

Foto: Av. Cristiano Machado próximo em frente ao MInas Shopping – Portal Uai

BH foi eleita em 2017 a cidade brasileira com o pior trânsito, segundo dados da Cia. Inrix, empresa Norte Americana que mede a perda de tempo no trânsito de metrópoles em todo o mundo. A capital mineira perde apenas para Bogotá/Colômbia, e Cidade do México, a primeira com 218, e a segunda com 272 horas de congestionamentos. Em 2009, veio a BH o ex-prefeito de Bogotá, Henrique Penalosã, na condição de consultor, pago a preço de ouro pelo então Prefeito Márcio Lacerda, com o objetivo de implantar aqui o modelo Colombiano de mobilidade, (BRT e Bicicletas).

Não é por acaso que a cidade que ele foi prefeito, se tornou a segunda pior em mobilidade do mundo e BH a terceira. Isso ninguém Lembra. A população da capital perde todos os anos 202 horas parada em engarrafamentos por que a política do estreitamento de vias e dos puxadinhos tomou o lugar das obras de arte da engenharia, com o aval de especialistas que ganham com o caos, especialmente os que trabalham com levantamento de “origem/destino”…

Paradigmas que só fazem o trânsito piorar a cada dia

O problema não é falta de dinheiro para atacar os mais de 200 gargalos que esperam por soluções de engenharia em uma cidade que a topografia grita em defesa da população (viadutos, túneis, trincheiras, passarelas, elevados e eliminação de cruzamentos), mas os paradigmas que precisam ser quebrados e que acompanham a mesma equipe que cuida do tema há nada menos do que 35 anos. Pasmem, são os mesmos “especialistas” repetindo a ladainha de sempre e assistindo de camarote o trânsito da cidade piorando a cada vez mais.

3 comentários em “O pior trânsito do Brasil é aqui em BH, não por acaso

  1. Entra ano sai ano, não temos obra significativas.

    Os prefeitos que passaram por aqui nas ulitmas décadas tinham viés esquerdista, inclusive kalil, que na verdade nem governa a cidade, quem governa é uma mulher do PT. Ele mesmo só fica jogando truco e cuidando do futebol.

    BH deixou de ser 3 melhor capital do Brasil, e caiu varias posições.
    O Rodoanel não sai do papel.
    O metrô é insuficiente. Há 10 anos Dilma veio aqui e disse que o dinheiro estava liberado pra estender o metrô. É tudo mentira.

    O projeto de estações centrais piorou a locomoção em muitos bairros, como na zona leste e oeste, onde é melhor usar carro, depois que implantaram as estacoes centrais aumentou 1 hora pra chega ao centro de BH.

    O preço das passagens é caro.
    4,5 da um litro de gasolina, o carro faz 13 KM por litro. Compensa mais ir de carro em 15 minutos do que gastar 1:30 de ônibus.

    As estações centrais só ajudaram quem mora bem perto das vias centrais. A integração é um fracasso.

    Sem falar no uber, é melhor ir de uber que de ônibus ou metro.

    Em termos de administração da cidade, a cada ano escolhemos os PIORES prefeitos possível. Gostamos de prefeito mentiroso, que conversa gritando.

    Logo saberemos qual próximo gritador mentiroso vamos eleger esse ano.

  2. Entra ano sai ano, não temos obra significativas.

    Os prefeitos que passaram por aqui nas ulitmas décadas tinham viés esquerdista, inclusive kalil.

    BH deixou de ser 3 melhor capital do Brasil, e caiu varias posições.
    O Rodoanel não sai do papel.
    O metrô é insuficiente. Há 10 anos Dilma veio aqui e disse que o dinheiro estava liberado pra estender o metrô. É tudo mentira.

    O projeto de estações centrais piorou a locomoção em muitos bairros, como na zona leste e oeste, onde é melhor usar carro, depois que implantaram as estacoes centrais aumentou 1 hora pra chega ao centro de BH.

    O preço das passagens é caro.
    4,5 da um litro de gasolina, o carro faz 13 KM por litro. Compensa mais ir de carro em 15 minutos do que gastar 1:30 de ônibus.

    As estações centrais só ajudaram quem mora bem perto das vias centrais. A integração é um fracasso.

    Sem falar no uber, é melhor ir de uber que de ônibus ou metro.

    Em termos de administração da cidade, a cada ano escolhemos os PIORES prefeitos possível. Gostamos de prefeito mentiroso, que conversa gritando.

    Logo saberemos qual próximo gritador mentiroso vamos eleger esse ano.

  3. Os especialistas no assunto, o que vocês fazem no trânsito de BH, são gambiarras provisórias, que viram definitivas. Gargalo da região hospitalar deveria ganhar troféu de inadmissibilidade. A frota só aumenta é fato. Colocar bicicleta como alternativa em uma geografia montanhosa como BH, só rindo para não chorar. Estamos parados no tempo há 50 anos. Nenhuma obra para realmente resolver problemas de trânsito. Infelizmente, últimas décadas, não temos políticos mineiros com representatividade no congresso ou câmara deputados. A velha guarda era respeitada. Hoje temos uns frouxos e venais escondidos para não serem lembrados e associados com corrupção. Tivemos um vice no governo do PT e nada foi a mesma coisa. Ninguém para brigar por nós. Por isto, a alternância de poder se faz necessária, para não prejudicar tanto à população. Político incompentente, por favor, solta o osso! Deixa uma nova geração chegar. Nenhum viaduto, nenhum minhocão, nenhum metrô à vista. Legítima falta de representatividade. Há muito BH foi posta para escanteio, desde que estes partidos populistas assumiram o poder. Sequência de incompetência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *