Hoteleiros de BH se unem para evitar cancelamento de reservas no carnaval

Foto: Carnaval de BH – Blocos de rua – internet

Hoteleiros se mobilizam para evitar cancelamento de reservas no carnaval. Para isso estão divulgando emojis com apelos criativos e comunicando as equipes de marketing fora de BH com mensagens de que a cidade está pronta para receber turistas de todas as partes do Brasil e de fora. Desde o dia 19 de janeiro quando iniciou o ciclo de chuvas mais intensas, as notícias veiculadas na mídia nacional revelaram um quadro de catástrofe e uma cidade destruída, o que na pratica não aconteceu.

Prejuízos ao equipamento urbano é menor do que parece

Os prejuízos causados ao equipamento urbano foram pontuais e muito menores do que aqueles explorados com sensacionalismo pela mídia nacional. Passada a enxurrada, o que se viu foi algumas ruas com asfalto danificado, nenhuma onde os blocos costumam desfilar. Infelizmente o noticiário mostrou um quadro pior do que a realidade, e não voltou aos locais atingidos para mostrar o que de fato ficou depois das chuvas.

Turistas que assistiram ao noticiário nacional tem motivos para cancelar reservas

Quem tinha viagem programada para passar o carnaval em BH guardou o que viu em rede nacional e de certo tem motivos para ficar assustado e até mudar os planos. Polêmicas a parte, se deve ou não o prefeito cancelar o carnaval, é importante que se diga que ele não tem esse poder. O carnaval de rua é uma conquista do povo e o papel da prefeitura não é o de patrocinador, mas de organizador, e se não puder atrapalhar, já estará ajudando. Se a PBH deseja receber turistas que de fato trazem recursos para a cidade durante o carnaval, aqueles que gastam com hotel, transporte, alimentação, turismo e compras, ela precisa urgentemente informar para população de fora que a cidade continua existindo. 

Foto: Sou BH – Bloco de rua no carnaval de BH

A campanha precisa ser feita em tempo recorde, pois faltam apenas nove dias para o início oficial da festa, embora os desfiles de pré-carnaval já tenham começado no ultimo final de semana.  Vale lembrar do aparato disponibilizado pela mídia para a cobertura do plano de contingencia no dia 27/1. Na ocasião foi montado um arsenal midiático que mostrou em tempo real os acontecimentos nos bastidores do COP – Centro de Operações da PBH no bairro Buritis, cujo ator principal foi o prefeito Alexandre Kalil. Um circo midiático que serviu apenas para campanha eleitoral antecipada.

O aparato de mídia mobilizado para divulgar as ações da PBH no enfrentamento das chuvas, precisa ser usado para desmentir os efeitos dela sobre a cidade

De lá o prefeito comandou uma operação de guerra que não teve nenhuma eficácia concreta sob a tempestade de três horas que caiu sobre BH na terça 28/1, mas que no fritar dos ovos significou muito menos do que pareceu. É hora de a mesma estrutura ser usada para mostrar que embora algumas ruas esperem por asfalto há mais de 20 dias, a cidade está pronta para receber os foliões de fora, especialmente aqueles que vêm em paz.

Carnaval de Belo Horizonte é ordeiro e familiar

O carnaval de BH tem característica próprias, seu publico é ordeiro e predominantemente familiar.  Não serão cinco milhões de foliões como insiste o prefeito fanfarrão, mas podem vir alguns milhares que deixarão aqui quantia substancial em momento de penúria da economia em face da crise que se estende há vários anos. Se tiver juízo e boas intenções, o prefeito precisa convocar a sua entourage e agir pró ativamente em defesa do bom carnaval antes que o evento se torne um fiasco para hotéis e para o turismo da cidade.

jaribeirobh@gmail.com – WhatsApp 31-99953-7945

Um comentário em “Hoteleiros de BH se unem para evitar cancelamento de reservas no carnaval

  1. Olha só! Um dia se junta ao jornalismo sensacionalista e à mídia que pintou uma cidade destruída e no outro se juntou à rede hoteleira para, digamos, “dizer a verdade que a mídia não disse”? Você, ao contrário da mídia, voltou aos locais de catástrofe para conferir (e constatar, né!) que a Prefeitura nada fez nem para evitar nem para consertar. O que é a coerência, não é mesmo? Há cinco anos criticando o carnaval, ou melhor a Prefeitura por “permitir” o carnaval, e agora redimindo-se. Entendi: a redenção é a conexão entre o que disse ontem com o que digo hoje!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *