Viva Cava!

Publicado em Comidinhas

Cava

Vocês já devem ter percebido que amo fazer séries aqui pro blog, né? Pois, com muita alegria, informo que hoje damos início a mais uma: #VivaCava! Serão seis posts sobre a bebida catalã, com dicas de marcas, visita de lugares e produtoras e outras curiosidades sobre esse espumante tão pouco conhecido no Brasil.

Pra todo mundo que vem nos visitar, costumo falar que o cava (no masculino mesmo) é o champagne espanhol. A bebida é feita com um processo cheio de normas e especificações e a grande maioria da produção é feita no Penedès, uma região da Catalunha, pertinho de Barcelona. Para receber o nome cava, que é uma denominação de origem, toda a produção tem que seguir diversas regras para garantir a qualidade do produto, como os tipos de uvas utilizados e a maneira de fabricar.

Os cavas podem ser, na grande maioria das vezes, doce, semiseco, seco, brut e brut nature, de acordo com a quantidade de açúcar colocada na segunda fermentação da bebida, sendo que a doce é o que tem mais (obviamente) e o brut nature quase nada ou nada. De todos que já experimentei, brut e brut nature são os que mais me agradam, justamente por serem mais suaves e não terem tanto gás.

cava2Eu, que nunca fui fã de espumantes, depois de conhecer três produtoras de cava (que vocês também conhecerão nos próximos posts), já me sinto uma expert e já quero experimentar com tudo! Porque no Brasil, normalmente, tomamos espumantes apenas em celebrações e aquele copinho no início e nada mais. Com cava é diferente, amigos. Mesmo tendo o gás da bebida, é perfeitamente possível acompanhar todo tipo de comida.

Então, se você já curte espumantes no Brasil e nunca procurou ou experimentou um cava, espero que essa série faça você ter vontade e tentar. É uma bebida com muita história e deliciosa!

História e curiosidades – Foi na primeira metade do século XIX que a Espanha começou a tentar produzir vinhos espumantes, seguindo o mesmo método utilizado para o champagne. Até achar uma região onde as uvas pudessem ser produzidas com ótima qualidade, devido ao clima e terreno, foi muitos vinhos ruins produzidos. No final do século, uma praga devastou as plantações de uva francesas e, como consequência (somado ao desenvolvimento das ferrovias), a vinicultura catalã cresceu. Porém, foi questão de tempo para essa praga chegar também na Espanha, que já estava um pouco mais preparada para combatê-la.

Destaque para a pequena cidade de Sant Sadurní d’Anóia, onde alguns produtores e empresários conseguiram se manter e trabalhar muitos anos para a melhoria da produção do cava, restaurando as plantações e acertando nas variedades de uvas que seriam melhores para a região.

No século XX, com a visita do rei da Espanha na região do Penedès, o cava ganhou ainda mais importância e a elaboração se consolidou. Depois da Guerra Civil espanhola, mais um boom no consumo e produção e uma revolução no processo tecnológico. Foi apenas em 1966 que recebeu o nome específico de cava (antes era champán o xampany e, depois, viño espumoso).

cava3

Série #VivaCava!
01 – O que é o cava?
0
2 – Codorníu
03 – Freixenet
04 – Gramona
0
5 – Simón Coll
06 – Sant Sadurni de Anoia

Curta o Viva Barcelona no Facebook: https://www.facebook.com/blogvivabarcelona
Siga o Viva Barcelona no Instagram: @blogvivabarcelona
Siga o Viva Barcelona no Snapchat: blogvivabcn

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *