Os Transtornos do Humor

Provavelmente você já ouviu falar várias vezes em Depressão, que é atualmente um dos maiores problemas de saúde mundial. O que talvez você não saiba é que a depressão é um transtorno de humor, e não está sozinha. Atualmente, os manuais de classificação na Psiquiatria reconhecem 6 categorias de Transtornos do Humor.

O que é um Transtorno do Humor?

A palavra “humor” é usada em Psicopatologia de uma forma diversa da usada em linguagem coloquial. De forma geral, usamos esse termo para dizer se alguém está com “bom humor” ou “mau humor”.  Entretanto, na psiquiatria “humor” é definido como “o estado de ânimo de uma pessoa em um determinado momento”. E esse estado de ânimo afeta toda a experiência psíquica. O humor influencia a forma como vemos o mundo e a nós mesmos. Se estamos felizes,  tendemos a ver as coisas de forma mais positiva e otimista;  entretanto, se estamos tristes tudo se torna sombrio e as dificuldades parecem muito maiores do que são.  

O Transtorno do Humor é, então, um conjunto de alterações mentais vinculadas a alterações do humor, de forma mais ou menos persistente, que varia desde um estado de ânimo depressivo grave até uma euforia patológica, e que gera uma alteração significativa na vida da pessoa.

Quais são os 6 Transtornos do Humor?

1. Transtorno depressivo maior

O Transtorno depressivo maior (TDM) é a categoria que as pessoas geralmente chamam de “Depressão”. É caracterizado pela presença de um humor deprimido (tristeza)  na maior parte do dia E/OU pela perda/diminuição da motivação e da capacidade de sentir prazer. Outros sintomas associados são problemas de sono, apetite diminuído,  dificuldades de concentração, lentidão ou agitação, fadiga, desesperança e apatia. A pessoa deprimida costuma ter problemas para tomar decisões e pode ter pensamentos e desejos suicidas.

É importante destacar que, para ser considerado uma doença, os sintomas devem estar presentes por pelo menos duas semanas e não podem ser justificados por doenças clínicas (como, por exemplo, hipotiroidismo e infecções), uso de substâncias ou luto. O TDM geralmente refere-se a um quadro depressivo moderado ou grave. 

2. Distimia (Transtorno Depressivo Persistente)

A Distimia é um quadro depressivo crônico que, por definição, dura no mínimo 2 anos e cursa com sintomas mais leves. Nesse transtorno, o humor deprimido e a falta de motivação não são tão intensos quanto no TDM e, na maioria dos casos, a pessoa distímica não relaciona seus sintomas a uma doença. Muitos percebem que não estão bem, mas geralmente associam seu desânimo à situações de vida (problemas financeiros, afetivos, perdas, etc). Não é incomum o diagnóstico de Distimia levar anos para ser feito. 

Caso você (ou alguém que você conheça) esteja achando a vida meio sem graça há muito tempo, suspeite de Distimia. Outros sintomas comuns são:  alteração de apetite ou peso, problemas com o sono, fadiga, baixa autoestima, desesperança, problemas de concentração e na tomada de decisões.

3. Transtorno bipolar

O transtorno bipolar é o segundo transtorno do Humor  mais conhecido e é caracterizado por uma alternância entre episódios de euforia e depressão. O que já não é tão sabido é que essas alterações não acontecem no mesmo dia ou em horas. É bastante comum, atualmente, alguém se referir a outra pessoa como “bipolar” porque ela muda de humor ou de ideia a cada hora!  Mas para ser considerado como transtorno bipolar, os períodos de euforia  precisam durar, pelo menos, uma semana e os períodos depressivos devem durar, pelo menos, duas semanas

Os episódios de euforia ou exaltação do humor são conhecidos como “episódio maníaco”,  onde além do humor eufórico e/ou irritável, há um alto nível de energia, sentimentos de grandeza que podem levar ao delírio e megalomania, verborragia (falar sem parar), pensamentos acelerados, extrema distração, falta de sono e apetite, comportamentos de risco e, em alguns casos, alucinações em um nível tão alto que é necessária a hospitalização. 

Os episódios de euforia ou exaltação podem ser mais brandos e, neste caso, são conhecidos como “episódio hipomaníaco”. É uma fase na qual todos os sintomas de euforia são mais leves e podem durar poucos dias (no mínimo quatro dias) e raramente há sintomas graves como delírios e alucinações, não demandando internação.

Os episódios depressivos são equivalentes em sintomatologia aos sintomas descritos no Transtorno Depressivo Maior. É comum pessoas bipolares apresentarem mais episódios depressivos do que eufóricos ao longo da vida; é pertinente saber que, em geral, as depressões no Bipolar são bastante graves. 

De acordo com o que expus, percebe-se que existem 2 tipos básicos de transtorno bipolar . No Transtorno Bipolar tipo 1 (TB I), o portador apresenta pelo menos um episódio maníaco que pode ou não ser precedido ou seguido por um episódio depressivo. Já no Transtorno Bipolar do tipo 2 (TB II), é necessário que haja pelo menos um episódio depressivo e um episódio hipomaníaco (sem que tenha ocorrido nenhum episódio maníaco).

4. Ciclotimia ou distúrbio ciclotímico

Ciclotimia é um transtorno do humor em que a pessoa apresenta sintomas alternados de hipomania e depressão, sem que esses sintomas sejam intensos o suficiente para se diagnosticar um transtorno depressivo ou bipolar. Para ser considerado ciclotímico, é necessário que os sintomas sejam contínuos por pelo menos 2 anos  e apresentem uma rápida alternância, geralmente em dias.

É mais fácil entender a Ciclotimia quando fazemos uma paralelo com a Distimia. Assim como Distimia é uma forma mais leve e crônica de depressão, a Ciclotimia é uma forma mais leve e crônica de bipolaridade, com longa duração e ciclos mais rápidos.

5. Transtorno disfórico pré-menstrual

Embora a existência da síndrome pré-menstrual já fosse conhecida – a famosa TPM! – , desde 2013, o DSM-5 (manual de classificação psiquiátrica dos EUA) acrescentou essa síndrome como um Transtorno do Humor. 

Os sintomas são a presença, durante a maioria dos ciclos menstruais, de labilidade afetiva (mudanças rápidas de humor), irritabilidade, ansiedade, tensão intensa, depressão, fadiga, problemas de sono, distúrbios do apetite, dor, desinteresse e problemas de concentração. É necessário que, pelo menos, cinco desses sintomas ocorram durante a semana anterior ao início da menstruação para se dar o diagnóstico.

6. Transtorno Disruptivo de Desregulação do Humor

O Transtorno Disruptivo de Desregulação do Humor é um novo diagnóstico, também introduzido em 2013 no DSM 5, caracterizado por um temperamento explosivo, manifesto por raiva e irritabilidade desproporcional à situação que as gerou, na forma de ataques verbais ou físicos (que podem levar à agressão) com um humor irascível de forma persistente entre acessos. Os sintomas devem se manifestar ao menos três vezes por semana, em dois ou mais ambientes, persistir por no mínimo um ano.  O transtorno deve ser identificado entre os seis e os dezoito anos de idade. 

Referências bibliográficas:

  • American Psychiatric Association. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Quinta edição. DSM-V.

5 comentários sobre “Os Transtornos do Humor

  1. Ótimo artigo comentado! São tantos sentimentos que não sabemos ao certo o que está realmente acontecendo em nossas vidas. Informações muito bem esclarecidas e argumentada pela Dra. Júnea. Parabéns!

  2. Parabéns à querida amiga e colega, Dra. Júnea, pela brilhante explanação!
    O tema, embora frequente, sempre é passível de confusões diagnósticas e, com isso, de conduções terapêuticas equivocadas.
    Essa abordagem Ampla e didática contribui muito com a prática clínica diária!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *