O que é o TDAH

O TDAH é a sigla do  Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, um distúrbio neurobiológico complexo que, como o próprio nome assinala, é caracterizado pelos sintomas de falta (déficit) de atenção e hiperatividade.  
Apesar de ter sido descrito há mais de 1 século, ainda gera muita controvérsia. Muitos pensam que o TDAH não existe, que é uma invenção da modernidade ou que crianças com TDAH apenas  comportam-se mal por não receberem limites e/ou educação dos pais ou por serem apenas preguiçosas. Além disso há uma percepção de que esse diagnóstico é dado para qualquer criança difícil na escola. Esse tipo de visão, além de ser absolutamente reducionista, mostra um grande desconhecimento do assunto pelo público. 
O TDAH é um problema que afeta aproximadamente 11% das crianças e quase 5% dos adultos nos EUA (e as estatísticas brasileiras são muito parecidas), sendo atualmente um grande problema de saúde pública e, por isso, tem sido cada vez mais estudado. Existe uma grande variabilidade nos sintomas de TDAH e seu diagnóstico pode ser particularmente desafiador em meninas e adultos.  De forma geral, pessoas com TDAH têm problemas com controle de impulso, foco e organização, e muitos dos seus problemas são resultado dessas questões. Entretanto existem outros sintomas desconhecidos e  de difícil compreensão, que impactam a vida de quem tem TDAH e a de seus familiares.
Muitos especialistas (com os quais eu concordo) pensam que o nome do transtorno – déficit de atenção e hiperatividade – é um equivocado. Na realidade, a pessoa com TDAH não tem uma deficiência na atenção – há uma “desregulação” da atenção, que a leva a ter dificuldade em  planejar, focar e executar tarefas. A atenção até existe, mas há uma incapacidade de usá-la de forma apropriada (da maneira certa, no momento certo e com consistência). Em linguagem técnica, o nome mais apropriado seria “disfunção executiva”. A função executiva é um conjunto de ferramentas cognitivas que nos permitem planejar, focar e realizar tarefas (explicarei melhor isso em outro artigo). 
Com relação à hiperatividade, também há discordâncias sobre essa nominação. O melhor seria falar em “falha no controle inibitório”, ou seja, uma dificuldade em controlar a impulsividade (seja motora, verbal e/ou emocional). É sabido que pessoas “hiperativas” podem ser inquietas demais, correm para todo lado, não ficam sentadas ou esperam por sua vez, falam demais e são indiscretas; entretanto sintomas como a baixa autoestima e a dificuldade de regular suas emoções  sensibilidade à rejeição, explosões de raiva) raramente são associados ao TDAH. 
De forma didática, os principais sintomas de TDAH são: dificuldades com a atenção, má gestão do tempo, dificuldade em controlar a impulsividade, emoções exageradas, hiperfoco (excesso de atenção em algumas ocasiões, como ficar horas jogando videogame), hiperatividade motora ou mental, disfunção executiva. 
Para descobrir se alguém tem ou não tem TDAH é preciso uma avaliação de um médico psiquiatra ou neurologista, que irá basear-se quase que exclusivamente nos sintomas e avaliará os prejuízos para cada paciente. Assim poderá chegar ao melhor tratamento e encaminhamento para os casos suspeitos.
A Clínica Vida&Mente possui profissionais qualificados para te ajudar caso você tenha se identificado com o quadro descrito ou identifique os sintomas em algum amigo ou familiar. Continue acompanhando nossos artigos sobre o TDAH.

Dra. Júnea Chiari 

Médica psiquiatra – CRMMG: 26828

 

Para profissionais da saúde, pais e portadores de TDAH tenho um curso online completo sobre o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade, atualizado e científico, com todo conhecimento deste distúrbio.

Confira em: https://www.udemy.com/share/103urk/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *